RicardoOrlandini.net - Informa e faz pensar - Colunista - As preposições em inglês.

Últimas notícias

Colunistas

RSS
As preposições em inglês.

Roberto Henry Ebelt

11.11.2011

As preposições em inglês.

É importante saber que o aprendizado das preposições em inglês (ou em qualquer outro idioma) deve ser feito junto com o aprendizado de todos os outros aspectos do idioma. Um professor pode, eventualmente, dedicar uma aula a este assunto, mas o normal é introduzir as preposições na conversação, sem dar atenção especial a nenhuma parte específica de uma frase. Espera-se que o aluno aprenda a usá-las através da repetição constante de frases corretas, e, desse modo, venha a se acostumar a usá-las corretamente sem ter que fazer um esforço específico.

Devido ao fato que a gramática básica da língua inglesa ser muito menos complicada do que a gramática da língua portuguesa, os alunos ficam com a impressão (falsa) de que tudo se resolve através de uma simples regra sem exceções. Isso não é verdade. Para início de conversa, mesmo as regras mais simples têm as suas exceções. Além disso, existem aspectos que não se submetem a uma regra específica. E quando tentamos ver o que existe atrás da utilização dessas palavras tão importantes, notamos que existem vários aspectos que devem ser considerados. E mesmo sabendo quais são esses aspectos, o assunto não se resolve imediatamente.

Em primeiro lugar, existem verbos que exigem uma determinada preposição para se conectarem a palavra seguinte. Vejamos alguns exemplos:

O verbo SONHAR exige a preposição COM para completarmos a frase. Em português, podemos produzir uma frase assim:

Eu sonhei com ela na noite passada.

Em inglês o verbo TO DREAM, DREAMED, DREAMED (sonhar) exige a preposição OF:
Um exemplo:

I dreamed of her last night.

Um aluno menos avisado pode, erroneamente, concluir que a tradução da preposição COM é OF, e vice-versa, o que é uma conclusão totalmente errada. O que aconteceu neste par de exemplos é que o verbo TO DREAM exige uma preposição (of), e o verbo SONHAR exige outra preposição (com) e essas preposições não são equivalentes. Uma não é a tradução literal da outra.

O exemplo acima nos leva a segunda situação: existem verbos que exigem o acompanhamento de uma preposição, e outros verbos não exigem este acompanhamento. Vejamos o verbo GOSTAR (TO LIKE).

GOSTAR exige a preposição DE: Eu gosto de sorvete de chocolate.

Já o verbo TO LIKE não usa preposições: I like chocolate ice-cream.

Já podemos notar que partir do português para decidir qual a preposição que vamos usar em inglês não é uma boa idéia. Pode funcionar em muitos casos, mas jamais funcionará em todos.

Outro aspecto importante é o fato que existem situações em que o significado (ou idéia) transmitido pela preposição é mais importante do que qualquer outra coisa.

Por exemplo, se eu quiser transmitir a idéia de posse (transmitida pela preposição DE, em português) deverei usar a preposição OF em inglês.

Se eu quiser transmitir a idéia de origem (transmitida pela mesma preposição DE em português) deverei usar a preposição FROM em inglês.

Exemplos:
Este é o livro da (de +a) Maria: This is the book of Mary.
Aquele sujeito é de Portugal. That guy is from Portugal.

Outro exemplo dessa situação é a preposição SOBRE que, em inglês, tem dois equivalentes que devem ser usados em situações diferentes.

Quando você quiser transmitir a idéia de SOBRE, em que uma superfície está encostada em outra superfície, você deverá usar a preposição ON.

Como exemplo, apresento a frase mais banal da língua inglesa: The book is on the table.
Porém se um objeto estiver sobre outro, mas afastado, sem contato, a preposição a ser usada é OVER.

Exemplo:
A lâmpada está sobre a mesa. The lamp is over the table.

Além do que já mencionamos acima, existem preposições que não têm equivalentes perfeitos em outros idiomas. Um exemplo é AT. Na maioria das situações, AT transmite a idéia da preposição IN (dentro de), mas usar AT sempre que quisermos indicar a idéia de interior não vai dar certo, pois existem substantivos que exigem ser acompanhados por determinadas preposições, sobrepondo-se às exigências dos verbos que os acompanham.

Resumindo: três aspectos podem decidir qual a preposição a ser usada em uma determinada situação:

1. VERBO.
2. SIGNIFICADO DA PREPOSIÇÃO.
3. SUBSTANTIVO.

Com esse pequeno e incompleto texto eu quero deixar claro que não existe uma maneira mágica de aprender a usar as preposições em inglês. Literalmente, cada caso é um caso.

Lembre-se que redigir um texto em inglês é quase tão difícil quanto falar. Só se aprende praticando.


Have a nice weekend.


Tags: Roberto Henry Ebelt, ensino, inglês


Roberto Henry Ebelt é professor, escritor, escreveu uma coluna semanal para o Jornal do Comércio de Porto Alegre entre 2001 e 2013, e é diretor do curso HENRY'S BUSINESS ENGLISH desde 1971.

Seu mais recente livro, O QUE VOCÊ DEVE SABER ANTES DE ESTUDAR INGLÊS, pode ser encontrado nas livrarias Disal, Cultura e SBS ou à rua Hoffmann, 728 em Porto Alegre.

E-mail: roberto@henrys.com.br
Fone (51) 3222-3144
www.henrys.com.br
Página no Facebook: https://www.facebook.com/henrysbusinessnglish/?pnref=lhc




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 15.08

  • Dia da Adesão: Em 1823 o Estado do Pará faz sua adesão à independência do Brasil.
  • Dia da Informática
  • Dia de Assunção de Nossa Senhora
  • Dia de São Tarcísio
  • Dia do Anjo Sitael
  • Dia dos Solteiros