RicardoOrlandini.net - Informa e faz pensar - Colunista - Cell phones and refrigerators.

Últimas notícias

Colunistas

RSS
Cell phones and refrigerators.

Roberto Henry Ebelt

26.04.2013

Cell phones and refrigerators.

Cell phone, cellular phone ou mobile phone são maneiras diferentes de se referir a telefones celulares.

Refrigerator é um perfeito cognato: refrigerador. Porém, no século passado, no Brasil, havia outras palavras que descreviam o mesmo eletrodoméstico: geladeira, Frigidaire, uma marca registrada da General Motors Corporation que, de tão divulgada e famosa no Brasil, transformou-se em sinônimo de refrigerador nas décadas de 60 e 70, e frigorífico (nas décadas de 40 e 50).

Existe uma curiosidade quanto ao vocábulo frigorífico: esta palavra descrevia tanto o eletrodoméstico (refrigerador) como as instalações industriais que abatiam gado, processavam sua carne , refrigeravam  a mesma, empacotavam-na e exportavam o produto processado e provavelmente congelado para o hemisfério norte. Os dicionários, em geral, não registram essa acepção. Vejam o que encontramos no Michaelis como equivalentes em inglês para frigorífico:

01 freezer. 02 refrigerator, icebox. 03 cold-storage room (or building), packing house, packing plant.

04 freezing mixture, coolant, cooling liquid. •

adj frigorific(al): keeping or generating cold.

Câmara frigorífica: cold store, refrigerating chamber.

Em frigorifico: in cold storage, in a refrigerating chamber.

O frigorífico (industrial) característico dos anos 40 e 50 era a soma de slaughter house (abatedouro) + plant (processadora) + packing plant (empacotadora ou embaladora) + exporter of processed meat (exportador de carne processada). Os mais famosos frigoríficos do Rio Grande do Sul, na década de 40 e 50 eram o SWIFT e o ANGLO, sendo que do Anglo eu ainda me lembro de ter visto suas chaminés quando, ao viajar entre Pelotas e Rio Grande, atravessávamos o canal São Gonçalo de balsa. O Swift, pelo que lembro, ficava em Santana do Livramento, tendo posteriormente passado a ser conhecido como ARMOUR.

Swift & Company is an American food processing company a wholly owned subsidiary of JBS S.A. (BM&F Bovespa:JBSS3), a Brazilian company that is the world's largest processor of fresh beef and pork, with more than US$30 billion in annual sales as of 2010. It is also the largest beef processor in Australia.(Wikipedia).

Lard: banha de porco.

No período do pós-guerra, suas produções, aos poucos, começaram a ser dirigidas para o consumo interno (a nossa querida Mafalda certamente pode confirmar o que estou dizendo).

A razão do título deste texto reunir Cell phones and refrigerators deve-se a surpresas que eu não esperava encontrar em pleno século 21: falhas insolúveis (não me refiro a simples falhas) no atendimento de clientes que compram esses produtos.

No que diz respeito a celulares, sempre tive uma enorme confiança nos produtos Sony. Infelizmente no início de abril deste ano, eu precisei comprar uma bateria para o modelo Experia Mini X10 e fui surpreendido com a informação fornecida pela assistência técnica da marca em Porto Alegre (só existe uma assistência técnica para celulares da Sony em Porto Alegre e provavelmente no RS) de que tal bateria não estava disponível.

Eu entendi que tal bateria não existia no Brasil, mas a atendente, mais tarde, quando lhe informei que a Sony negara a indisponibilidade desta bateria no Brasil, não confirmou tal informação.

Liguei para 4001-0444, conforme recomendação do site e fui informado que tal bateria existe sim, mas que eu teria que enviar o aparelho para São Paulo (ou para Santa Catarina, se a assistência técnica catarinense tivesse tal bateria, o que eles também não sabiam) para trocar a bateria. E tem mais: eu teria que fornecer diversos números que se encontravam dentro do minúsculo aparelho.

De posse de uma boa lupa consegui localizar e passar os números para o atendente em São Paulo para que ele pudesse gerar um código de recebimento do aparelho. Eles se recusavam a enviar a bateria para a assistência técnica da Av. Alberto Bins, em Porto Alegre e se recusam a receber qualquer aparelho que chegue até eles sem um código gerado pelo atendente. A assistência técnica em Porto Alegre informava que a Sony não lhes fornecia a bateria e que quando eles tivessem a bateria, a ser obtida de terceiros, eles não me avisariam. Eu teria que de tempos em tempos ligar para saber se a bateria tinha chegado.

Faltava ainda encontrar a nota fiscal, que, devido ao fato do aparelho não estar mais na garantia, eu não encontrei. Vejam que eu não estava pedindo uma bateria em garantia. Eu apenas queria comprar uma nova bateria e pagar por ela. (O protocolo dessa conversa longa e desagradável é 94899672).

Pois a Sony simplesmente não me forneceu o código de recebimento, prometendo me ligar caso eles achassem que eu merecia ter o direito de comprar uma nova bateria. Até agora não me ligaram.

Mais tarde eu encontrei a nota fiscal (de 2011), mas, a essas alturas, eu preferi trocar de marca em vez de trocar a bateria. Que tal esse atendimento? Parece até que estou tratando com certos órgãos públicos que, para não realizar uma tarefa, mandam o infeliz cidadão de Pilatos a Herodes. E observe que a empresa é a famosíssima Sony e o aparelho é um dos melhores que já vi. Filosofia japonesa de tratamento de clientes? Mas eles não eram o máximo em termos de atendimento?

Não foram os japoneses que cunharam o termo KAIZEN?

Kaizen: Japanese business philosophy stating the necessity for successive and incremental improvement in the personal and professional life of a person.

Para mim, o atendimento da SonyMobile, tanto em São Paulo como em Porto Alegre, não foi satisfatório, pois para uma simples troca de bateria eu teria que ficar sem o aparelho durante algumas semanas, isso se eu tivesse encontrado a nota fiscal na hora em que falava com o atendente do call center.

Situação atual: continuo sem ter o direito de comprar a bateria.

Next week I will tell you about the problems that you must face to get a water filter for a side by side refrigerator of a particular brand.

Have a nice weekend.


Tags: Roberto Henry Ebelt, ensino, inglês


Roberto Henry Ebelt é professor, escritor, escreveu uma coluna semanal para o Jornal do Comércio de Porto Alegre entre 2001 e 2013, e é diretor do curso HENRY'S BUSINESS ENGLISH desde 1971.

Seu mais recente livro, O QUE VOCÊ DEVE SABER ANTES DE ESTUDAR INGLÊS, pode ser encontrado nas livrarias Disal, Cultura e SBS ou à rua Hoffmann, 728 em Porto Alegre.

E-mail: roberto@henrys.com.br
Fone (51) 3222-3144
www.henrys.com.br
Página no Facebook: https://www.facebook.com/henrysbusinessnglish/?pnref=lhc




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 16.08

  • Dia de São Estevão
  • Dia de São Roque
  • Dia do Anjo Elemiah
  • Dia do Filósofo