Últimas notícias

Colunistas

RSS
Receita de casamento feliz?

Iane C. Alvares

30.11.2010

Receita de casamento feliz?

Buscamos encontrar um companheiro com o qual possamos descobrir uma atração mútua, incluindo a sexualidade e a intimidade emocional. Pensamos em um parceiro com ideais semelhantes aos nossos. Mas, por que é tão difícil encontrar seu par amoroso? Às vezes até pensamos ter encontrado, e, após o casamento, ocorre uma decepção mútua.

O casamento é uma união entre duas pessoas com modelos de relacionamentos e com experiências de vida diferentes, seguidamente até mesmo de culturas distintas.

Para que se possa construir uma vida em comum com intimidade e felicidade é necessário, por um lado, compartilhar interesses e valores, dividindo com o parceiro toda uma vida que até o momento lhe era particular e privada; e, por outro lado, ter que respeitar desejos e necessidades que pertencem apenas ao outro.

É importante que, apesar da intensidade da relação e da dependência em relação ao outro, ainda assim, não se perca a autonomia.

Ocorrem identificações mútuas entre os conjugues, incrementando o constante desenvolvimento de cada um. A identidade que vem se estruturando desde a infância, sofre algumas alterações com o casamento, quando passa a ver-se como fazendo parte de um casal e ambos formando a identidade do casal.

No entanto, algumas vezes este jogo de identificações pode ocorrer de uma maneira que ambos ficam presos a um relacionamento infantil, reproduzindo no vínculo conflitos de sua infância e de sua família de origem.

Mas afinal, qual a receita para um casamento feliz?

As pessoas que têm um casamento feliz não sabem, muitas vezes, a receita porque a felicidade conjugal não depende de receita ou de motivo racional consciente. Está muito além disto. Quando se casam, suas vivências e conflitos infantis inconscientes são recriados com o parceiro, Aquele modelo infantil de relacionamento é reproduzido em diversas situações da vida, mas de maneira mais intensa no casamento. Assim, cada um espera que o outro corresponda a seus anseios inconscientes.

Como se formassem um pacto não verbalizado entre os dois: ele sendo aquela pessoa que se encaixa nas expectativas dela; e ela se encaixando na fantasia dele.

Aí começam a ocorrer desencontros! Entre encontros e desencontros alguns se separam e outros permanecem, mas sem saber a receita.


Tags: Iane Campos Alvares, psicologia, psicóloga


Iane Campos Alvares é psicóloga clínica.
e-mail: ianecalvares@gmail.com
fone (51) 9114-6853




Opinião do internauta

  • Joka Pimenta (18.02.2011 | 07.24)
    Venho acompanhando suas matérias e, realmente você tem todo uma maneira de escrever muito interessante de sensibilidade e veracidade falando do comportamento do ser humano em geral ! Sucesso e abraço do colega . Joka Pimenta
  • Resposta do Colunista:
Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 19.09

  • Dia de São Geraldo
  • Dia de São Januário
  • Dia do Anjo Haamiah
  • Dia do Ortopedista
  • Dia do Teatro