RicardoOrlandini.net - Informa e faz pensar - Colunista - Aspectos do convívio com os animais domésticos

Últimas notícias

Colunistas

RSS
Aspectos do convívio com os animais domésticos

Vininha F. Carvalho

15.12.2011

Aspectos do convívio com os animais domésticos

Um ditado diz que o cão é o melhor amigo do homem, mas nem sempre a recíproca é verdadeira. A presença dos animais na vida de uma pessoa traz inúmeros benefícios, mas esta convivência precisa ser alicerçada no compromisso de respeito à vida dele.

Os cães chegam a ser considerados como membros da família, influenciando decisões importantes, como por exemplo, onde residir e para onde viajar, levando em consideração a estrutura dos hotéis para recebê-los. Atua como um estímulo ao exercício físico e promove o contato do dono com outras pessoas na rua, sendo reconhecido como um facilitador social.

A companhia do animal, também, é muito salutar para quem vive sozinho ou não tem contato constante com familiares e amigos, proporcionando afeto e diversão, reduzindo a tensão do dia-a-dia e até o batimento cardíaco da pessoa que o toca.

Os cardíacos hospitalizados no Centro Médico da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, submeteram-se ao “animal assisted-therapy”, o tratamento coadjuvado pela presença de um cão. No Congresso Anual da Associação Americana de Cardiologia (AHA), realizado nos E.U.A., colaboradores da enfermaria clínica , relataram que a presença de cães entre pessoas normaliza a pressão nos que estão sadios e reduz a pressão em hipertensos, tornando as pessoas felizes, calmas e fazem com que se sintam mais amadas.

A expectativa de vida do cão varia conforme o tratamento que recebem. Eles necessitam de vermifugação, vacinação e de uma alimentação adequada. O animal quando é abandonado, sofre com igual intensidade tanto a fome e a sede, quanto a dor da rejeição. Mas, basta um afago, um pouco de comida e um abrigo seguro, para que ele comece demonstrar toda a sua gratidão.

Numa recente pesquisa na região metropolitana de São Paulo por pesquisadores de quatro universidades, a média de vida dos cães que vivem em São Paulo é de três anos, sendo que a sobrevivência média é de 9,9 anos nos E.U.A e de 11 anos na Inglaterra. Após as doenças infecciosas, apareceram os tumores (13,28%), os acidentes com traumatismo (13,08%). Morreram de velhice apenas 5,57%.

Independente de ter ou não uma raça definida, os animais conseguem propiciar ao dono uma melhora na qualidade de vida, e isto precisa ser divulgado em campanhas educativas em colégios, associações comunitárias e de bairros, igrejas, etc... estimulando a população a realizar a posse responsável. Felizes, os que fazem do amor incondicional a sua filosofia de vida.


Tags: Vininha, meio ambiente, animais


Vininha F. Carvalho é jornalista, ambientalista e engajada na causa dos animais. Graduada em administração de empresas e economia, é especializada em temas que envolvem questões na área ambiental, principalmente relativas a animais, para veículos da mídia impressa e eletrônica. Atuante em entidades e projetos com enfoque social.
Presidente da Fundação Animal Livre.
e-mail: vininha@uol.com.br
Home page: www.animalivre.com.br





Opinião do internauta

  • Carlos Mello (15.12.2011 | 14.03)
    Este parágrafo diz tudo. Perfeito! Parabéns. A expectativa de vida do cão varia conforme o tratamento que recebem. Eles necessitam de vermifugação, vacinação e de uma alimentação adequada. O animal quando é abandonado, sofre com igual intensidade tanto a fome e a sede, quanto a dor da rejeição. Mas, basta um afago, um pouco de comida e um abrigo seguro, para que ele comece demonstrar toda a sua gratidão.
  • Resposta do Colunista:
Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 16.08

  • Dia de São Estevão
  • Dia de São Roque
  • Dia do Anjo Elemiah
  • Dia do Filósofo