Últimas notícias

Colunistas

RSS
QUANDO A ESQUERDA VAI A CUBA

Percival Puggina

22.01.2012

QUANDO A ESQUERDA VAI A CUBA

É uma encrenca. Tenho visto muita gente de esquerda opinar sobre Cuba após uma viagem àquele país. Há os que, afetados por esclerose múltipla, de etiologia marxista, não entendem o que veem e proclamam que voltaram do paraíso. Outro tipo segue a linha daquela senhora que entrou em mutismo até desabafar, sob pressão dos familiares: "Tá bom. Aquilo é uma droga, mas não posso ficar dizendo, tá?". Tá, senhora, eu a entendo, apesar de, pessoalmente, não considerar aquilo uma droga. Droga é o regime. O povo cubano, submetido ao arbítrio e aos humores de uma ditadura que já leva mais de meio século, é um povo desesperançado. E há opiniões ainda mais notáveis, que se proporcionam quando o esquerdista que vai a Cuba é uma liderança política. Instado a opinar sobre o que viu, a celebridade tem que responder ao repórter.

Se fizer críticas ao regime estará, perante os companheiros, incorrendo em grave sacrilégio. Apontar mazelas cubanas é o equivalente ideológico de cuspir na cruz e chutar a santa. Coisa que não se faz mesmo. Durante meio século, a esquerda desenvolveu toda uma mística em torno da Revolução Cubana, dos "elevados valores morais" do bandido Che Guevara e das qualidades de estadista que ornam com fulgurantes e imperceptíveis realizações a figura mitológica de Fidel Castro. Se o sujeito retornar de Cuba descrevendo o que necessariamente passou diante de seus olhos cairá na mais negra e sombria orfandade política. É uma encrenca.

Por outro lado, se não disser que há um regime totalitário instalado no país, que só existe um partido político, que não há liberdade de opinião, que os meios de comunicação são órgãos do governo ou do partido comunista, que há um rigoroso controle da sociedade e da vida privada pelo Estado e que persistem as prisões políticas, o sujeito se desqualifica como democrata perante as pessoas de bom senso porque esses fatos são irrecusáveis. É uma encrenca.

Pois foi nessa encrenca que se meteu o governador Tarso Genro quando decidiu passar uns dias de férias na ilha dos irmãos Castro. As perguntas lhe vieram, em primeira mão, do portal Carta Maior, órgão quase oficial dos companheiros do governador. O inteiro teor da entrevista pode ser lido em www.cartamaior.com.br ou, em short link, aqui: http://bit.ly/yPek9J.

Como fez o governador para sair dessa? Atacou o suposto bloqueio norte-americano à Ilha, claro. No entanto, até os guindastes do Porto de Mariel (onde o BNDES está financiando um investimento de US$ 600 milhões) sabem que não existe bloqueio a Cuba. Bloqueio seria uma operação militar impedindo a entrada e saída de navios. O que existe é um embargo pelo qual os Estados Unidos pretenderam restringir as operações comerciais com a Ilha. No entanto, esse embargo está totalmente desacreditado há muito tempo. Os principais importadores de produtos cubanos são, pela ordem, Venezuela, China, Espanha, Brasil e Canadá. E os principais exportadores para Cuba, são, também pela ordem, Venezuela, China, Espanha, Canadá e Estados Unidos (é sim, 4,1% das importações cubanas são de bens de consumo made in USA). E não me consta que qualquer desses países mencionados, Brasil entre eles, sofra restrição comercial por parte dos Estados Unidos. Aliás, China e Venezuela destinam aos ianques respectivamente 18% e 38% de suas exportações e neles buscam respectivamente 7% e 27% de suas compras. Que terrível bloqueio americano é esse? Por outro lado, Cuba importa US$ 11 bilhões e exporta apenas US$ 4 bilhões. Não é por causa do embargo que as exportações cubanas são insignificantes. É porque - isto sim! - sua economia estatizada quase nada produz. Com um déficit comercial desse tamanho, o BNDES que se cuide, dona Dilma.

Sete vezes, na entrevista, o governador usou o anti-americanismo como forma de tergiversar sobre os males que o regime impõe ao país onde passou as férias. Tarso, na entrevista, estava sendo interrogado sobre Cuba por um jornalista companheiro. E batia nos Estados Unidos, enquanto surfava sobre o fato de que se há um bloqueio em Cuba, ele é o bloqueio imposto pelo governo à população, esta sim, impedida, sob força policial e militar, do fundamental direito de ir e vir.

Por fim, sobre a questão da democracia, o governador saiu-se com esta preciosidade: "A questão democrática em Cuba não pode ser avaliada com os mesmos parâmetros que servem para o Brasil, para a Argentina e para o Uruguai, por exemplo." Não, não pode mesmo. Se for avaliar a questão democrática em Cuba com conceitos abstratos e imprecisos (apesar de universais) como, digamos assim, eleições livres, pluralismo partidário, liberdade de expressão e de imprensa, aí a coisa fica complicada. A democracia cubana tem que ser avaliada sob conceitos de partido único, liberdades restritas, inexistência de oposição e estado policial. Viram como é uma encrenca?


Tags: Percival Puggina, artigo


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

  • Laauro Paulo Mazzutti (23.01.2012 | 03.41)
    Caro Percival Puggina: é aquela velha história: “todos já Sabiam” as respostas que seriam dadas pelo governador. Mas, sinceramente, será que o nosso povo é tão desligado que não sabe de nada do que acontece naquele País e vão acreditar naquilo que foi dito? O simples fato das pessoas não terem liberdade de ir e vir não é suficiente para concluir que lá existe uma das ditaduras mais ferrenhas e mais diabólicas deste tão lindo planeta terra? E tem mais, nos últimos dias morreu um cidadão cubano, em greve de fome, por ter sido preso somente porque promovera uma passeata com outras pessoas em prol da democracia. Ora, como aqui se entende, era um preso político. Será que o Brasil vai apoiar os familiares desse cidadão para que sejam indenizados e passem a receber uma polpuda pensão mensal? Em nosso país, por muito menos, ou seja, presos e familiares de mortos em assaltos e em guerrilha organizada para mudar o regime então vigente, na tentativa de implantar aqui um regime semelhante ao cubano, aquele do “paredon”, subvertendo a nossa convivência democrática, apesar das mazelas que sempre existiram e existem em qualquer nação, além de serem indenizados estão recendo “àquela pensão”. E, ainda, para concluir, será que vão concordar que assim que o regime de Castro for por terra, se instale uma “comissão da verdade” para apurar os crimes cometidos por aquele governo? A utopia continua! Aqui quando a luta foi contra guerrilheiros e assaltantes subversivos, aqueles companheiros dizem que ouve um golpe e se instalou uma ditadura. Lá, quando prendem apenas por que fazem passeatas a favor de uma democracia, as prisões são legítimas e, por desinteresse ou por desleixo daquele governo, esses cidadãos morrem nas prisões, completamente abandonados. Mesmo assim, continuam a dizer que lá existe uma verdadeira democracia e que o povo tem liberdade. Não dá para entender!
  • Resposta do Colunista:
Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 27.02

  • Dia de São Gabriel da Virgem Dolorosa
  • Dia do Agente Fiscal da Receita Federal
  • Dia Nacional do Livro Didático