Últimas notícias

Colunistas

RSS
PRESTES E O MEMORIAL DA INIQUIDADE

Percival Puggina

23.11.2014

PRESTES E O MEMORIAL DA INIQUIDADE

Por todas as razões e evidências sociais e históricas, combater política e culturalmente o comunismo não é fascismo. É dever moral. Aliás, em países submetidos a esse totalitarismo, quem acusasse o regime de homicídio e genocídio era rotulado fascista. E virava prova material da acusação que fazia. Portanto, chamar adversários de "fascistas", como fazem muitos vermelhos e estrelados por aí, não é novidade. Para completar o antigo ritual, só falta o tiro na nuca.

 A Câmara de Porto Alegre, com honrosas exceções, criou condições para que se erguesse um Memorial da Iniquidade, destinado à Luiz Carlos Prestes, o homem símbolo da luta bolchevista no Brasil. Nosso legislativo anda em descompasso com a opinião pública, como se viu nos dias de fúria e baixaria que a Casa tolerou por dez dias, em 2013, quando um bloco de pelados a ocupou, se drogou e, literalmente, ejaculou no Plenário.

 Certas decisões sugerem que o tradicional cafezinho foi substituído pelo chá do Santo Daime. Recentemente, foi alterado o nome da Av. Castelo Branco para Av. da Legalidade e da Democracia. Alegação: Castelo foi um ditador. Como se Deodoro não tivesse dado um golpe militar. Como se Floriano não houvesse feito pior. Como se Júlio de Castilhos, não fosse o "homem que inventou a ditadura no Brasil", seguido à risca pelo discípulo Borges. Como se o ditador Getúlio Vargas fosse um expoente do constitucionalismo democrático. Ou está havendo manipulação da ignorância de alguns edis pelos mais sabidos, ou tem chá no meio dessa alucinação.

Há anos, na gestão de Raul Pont, a cidade doou terreno para um memorial a Luiz Carlos Prestes. Se dependesse da generosidade dos fãs do referido senhor, a obra jamais aconteceria. Mas com recursos alheios, à moda comunista, é prá já. Bastaria que a Câmara aprovasse o que aprovou em 2009: cessão de parte do terreno para a Federação Gaúcha de Futebol, que se comprometeu a construir o Memorial. Terreno público e obra construída com dinheiro dos pagadores de ingressos no futebol. Feito.

O apátrida, símbolo do comunismo, terá o que não parecem merecer gaúchos de imenso valor moral e serviço ao povo e sua cultura, como, entre outros, D. Vicente, Osvaldo Aranha, Silveira Martins, Flores da Cunha, Pasqualini, Landell de Moura, Érico Veríssimo, Simões Lopes Neto, Lupicínio. Pergunto: não são todos maiores e melhores do que o homem que mandou matar a menina Elvira Cupelo Colônio, por mera suspeita de delação? Enquanto, no mundo, somem de vergonha os funestos símbolos do comunismo, edis espetaram esse Memorial da Iniquidade no coração da capital dos gaúchos.


Tags: Percival Puggina, política, petralhas, artigo


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 24.02

  • Dia da conquista do Voto feminino no Brasil
  • Dia de São Sérgio
  • Promulgação da 1ª Constituição Republicana (1891)