Últimas notícias

Colunistas

RSS
A

Percival Puggina

04.12.2014

A "CONVERSÃO" DE DILMA

No ano passado, centenas de entidades, entre as quais a CNBB e a OAB, formaram uma Coalizão pela Reforma Política e Eleições Limpas. Reitero, aqui, o desafio recentemente feito por Bruno Braga, em artigo que pode ser lido no meu site (aqui): se houver real interesse cívico por eleições limpas, comecem pelo último pleito.

Desnecessário rememorar. Os fatos, além de recentes, se agravam com a reviravolta adotada pela presidente. Ela consegue fazer pior do que Lula em 2002. Naquele ano, antes das eleições, Lula jogou no lixo o discurso demagógico e populista construído ao longo de seus anos de oposição e firmou uma “Carta ao povo brasileiro” comprometendo-se com preservar o que condenara. Seus eleitores, se leram a carta, não entenderam bulhufas. Dilma, em 2014, não escreveu carta alguma. Afirmou reiteradamente, até o dia 26 de outubro, que os desatinos que cometia na condução da Economia e das finanças públicas atendiam ao mais elevado interesse público. Quem dissesse o contrário era atacado com os piores adjetivos. No dia 27, mudou tudo.

Conversões instantâneas, a partir de experiências místicas, não são fatos incomuns. O marido, desatencioso, irresponsável e beberrão, subitamente muda de vida. A família estranha, os vizinhos comentam, os colegas elogiam e a mulher esclarece faceira: “Ele encontrou Jesus!” É o que chamamos metanóia, palavra grega que significa arrependimento, conversão, mudança de mentalidade e de atitudes. Nossa presidente implodiu o PIB, tornou deficitários todos os nossos superávits, furou o teto da meta e tratou disso, na campanha, com indisfarçado orgulho, como se expressasse honrosa insubmissão aos receituários neoliberais. Alcançada a vitória, converteu-se às teses “demoníacas” que atribuía a seu adversário. E foi buscar entre os melhores afiliados da Escola de Chicago, um discípulo de Armínio Fraga, a quem tanta ruindade atribuíra. Até quando faz a coisa certa, Dilma desliza na maionese ética. Ela não poderia ter dito quanto disse, para, logo após, fazer tudo ao contrário. Sem qualquer ato penitencial. Constrangida, sequer compareceu à posse de seus novos ministros da área econômica.

O que teria determinado a aparente conversão da presidente, de uma economia de liquidação, de uma gestão orçamentária com jeito de caderno de armazém, tipo “o Brasil é meu e eu levo as coisas como quero”, para a ortodoxia da Escola de Chicago? Sei não, mas essa sua nova atitude é problemão criado para seus próprios devotos. São milhões, e terão que mudar de reza, trocar de retórica, e engolir, palavra por palavra, aquele besteirol que defendia a marcha para o caos como um modo superior de administrar para o interesse público. Ontem, ao anistiarem o crime de responsabilidade cometido pela presidente quando descumpriu a Lei de Responsabilidade Fiscal, eles ainda usavam a cartilha antiga.


Tags: Percival Puggina, política, petralhas, artigo


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 24.09

  • Dia de São Geraldo
  • Dia do Anjo Veuliah
  • Dia Mundial do Coração