Últimas notícias

Colunistas

RSS
A MORTE CEREBRAL DO ESTADO

Percival Puggina

05.02.2015

A MORTE CEREBRAL DO ESTADO

Dr. Strangelove, (Dr. Fantástico, no Brasil) é uma das melhores comédias de humor negro, verdadeiro clássico do cinema norte-americano. Sob direção de Stanley Kubrick, o filme foi lançado em 1964 tendo Peter Sellers em três papéis principais. O tema do filme, em tempos de Guerra Fria, é um possível conflito nuclear que iria destruir o mundo.

Pois o Dr. Strangelove me faz olhar para o governo Dilma. Nestes últimos quatro anos, o que não foi destruído em nosso país não foi por falta de tentativa. Sua última vítima foi a credibilidade do próprio processo eleitoral. E olhem que passo ao largo da corrupção! O brasileiro consegue avacalhar até com essa praga. A continuar como vamos, em mais uns poucos mandatos nos levam embora o PIB inteiro. Saímos do milhar para o milhão, para o bilhão e para as dezenas de bilhões. Daí para o trilhão é só uma questão de maior ou menor apetite.

Dentro de quatro anos, não esqueçamos, teremos novas eleições. E haja dinheiro para renovar o contrato de locação do Palácio do Planalto! O eleitor também é fisiológico. Estão pensando o quê? O metabolismo que transforma dinheiro em voto funciona em mão dupla. E uma mão suja a outra.

O crescimento do PIB nacional desceu a patamares ridículos. O país se desindustrializou. A Petrobras já vale menos que certos aplicativos para iPhones. O governo da União fechou as contas de 2014 com um déficit superior a 20 bilhões que, somados ao buraco aberto por Estados e municípios, leva o rombo fiscal verde e amarelo à casa dos R$ 35 bilhões. Isso sem os juros da dívida. Se os somarmos a esses R$ 35bi, a conta se multiplica por 10. A credibilidade brasileira despencou. E até o Lula - pasmem! - parou de viajar, de bravatear, de gargantear. Não lhe deram mais nenhum título de "doutor". E não adianta ligar para ele. Lula não atende mais o telefone.

No Rio Grande do Sul, tivemos nossa dose provinciana de loucura fiscal. O ex-governador Tarso Genro, que deu as cartas no quadriênio findo em 31 de dezembro passado, deixou um rombo de R$ 7 bi previstos para o exercício de 2015. Matéria publicada em Zero Hora do dia 3 de fevereiro informa que o governo Tarso avançou sobre recursos alheios (Caixa Único e Depósitos Judiciais) num montante de R$ 7,15 bilhões. Ou seja, 54% a mais do que seus três antecessores nos 12 anos precedentes.

A ideologia do petismo seca neurônios porque foca o poder e seus meios e não o poder e seus fins. É a morte cerebral do Estado, sob a égide de governos que se orgulham de serem diferentes, que se vangloriam de não "dialogarem" com a "lógica neoliberal" porque têm "um projeto próprio de desenvolvimento". Arre! E vendem esse lero-lero como xarope milagroso aos ingênuos do país.


Tags: Percival Puggina, política, petralhas, artigo


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 18.11

  • Dia da Dedicação das basílicas de São Pedro e São Paulo
  • Dia de Santa Maudez
  • Dia de Santo Edmundo
  • Dia do Anjo Nith-haiah
  • Dia do Conselheiro Tutelar
  • Dia do Tabelião e Registrador