Últimas notícias

Colunistas

RSS
COMO ASSIM, POR CONTA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS?

Percival Puggina

26.02.2015

COMO ASSIM, POR CONTA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS?

Registre-se que a iniciativa não foi dos parlamentares. A demanda foi apresentada pelas esposas dos membros da Casa, durante a campanha para eleição de Eduardo Cunha. Elas pleitearam ao então candidato o retorno de seu suposto direito a obter passagens aéreas dentro da cota parlamentar dos maridos (benefício que fora anteriormente suspenso em decorrência de abusos como os caracterizados pelo uso de tais passagens para viagens de férias).

Eleito, Eduardo Cunha cumpriu o que prometera. Foi restabelecido o privilégio. Segundo o noticiário de hoje, a decisão foi tomada por maioria de votos na Mesa da Câmara e a Casa assumirá os ônus decorrentes. Ah! Agora entendi. Quem vai pagar essa conta é a Câmara dos Deputados. Eu pensei que a despesa fosse assumida por nós, pagadores de impostos. Ora que tolice a minha!

Sarcasmo à parte, é muita desfaçatez de quem declara isso e muita ignorância de quem o noticia sem esclarecer que a Câmara dos Deputados não gera um único centavo de receita. Tudo que ela consome, do grampo para papeis às passagens aéreas das esposas dos deputados é custeado com o dinheiro dos impostos que pagamos. A Casa não produz nada que tenha valor econômico. Atribuir à pagadoria da Câmara o dever de honrar um benefício descabido corresponde, em escala agigantada, à atitude do moleque que pleiteia o direito de "viajar de graça" no transporte coletivo. Não há passagem grátis. Todo bilhete que alguém deixa de custear por meios próprios será pago com meios alheios, seja no ônibus, no metrô, seja num voo nacional ou internacional.

A ignorância sobre noções tão elementares favorece a cultura do abuso e contribui para a deformação do caráter não apenas de quem se julga no direito de pleitear ou de conceder privilégios. Deforma, também, o caráter de quem fica sabendo e deduz que, quando tiver a oportunidade, deve fazer a mesma coisa. Isso para não falar nos que transformam o ingresso no círculo dos privilegiados em objetivo da própria vida. Quando enfermidades morais dessa natureza infectam os espaços de poder, eles se vão afastando, gradualmente, de sua finalidade essencial que é o serviço ao bem comum. E aí, acontecem coisas como um magistrado dar-se o direito de usar viaturas apreendidas de um réu.


Tags: Percival Puggina, política, petralhas, artigo


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 23.05

  • Dia de São João Batista de Rossi
  • Dia do Soldado Constitucionalista (São Paulo)
  • Dia Internacional das Comunicações Sociais
  • Dia Mundial da Tartaruga
  • Dia Nacional de Defesa das Florestas Brasileiras
  • Dia Nacional de Lutas