Últimas notícias

Colunistas

RSS
Ah, STF! Não fossem duas mulheres...

Percival Puggina

24.04.2018

Ah, STF! Não fossem duas mulheres...

São nove homens e duas mulheres. Coube a ambas, porém, furar a bolha onde operam pelo menos cinco de seus colegas e voltar os olhos para o Brasil real, que clama por proteção contra os ratos que operam nas ruas e estradas e contra os corvos que habitam os telhados do poder. Coube a elas, cada uma no estrito desempenho de suas competências, abatumar o bolo que estava sendo cosido para a festa da impunidade, do “liberou geral” e da definitiva degradação da República, que se seguiria ao féretro da Lava Jato.

Estava tudo combinado,  o timing ajustado, as alternativas estudadas. Lula seria o mote. Fosse por habeas corpus, fosse por mudança de jurisprudência, a porteira seria aberta e os deuses da corrupção estariam servidos. “Mas, e a Rosa Weber?” certamente cogitavam conspiradores nas conversas de bastidor. Não, não haveria problema. Rosa era fava contada. “Cármen Lúcia?” não resistiria às pressões. Sabe como é, não, leitor? As mulheres são frágeis para jogo de braço com cinco barbados. Saboreie estes dias. Jamais esqueça a cena em que o ardiloso Marco Aurélio Mello sentindo o peso da derrota chamou a frágil presidente de “toda-poderosa”. Yes!

O modo como ele e Lewandowski atropelaram a “novata” Rosa Weber no exato momento em que esta definiu sua posição me fez lembrar o Titanic batendo no iceberg. Também lá no STF, com aquele voto, afundava um transatlântico lotado. Enquanto os ratos se alvoroçavam nos porões, a turma do salão de festas corria para os celulares e para seus bem remunerados advogados.

Havia vários meses, convictos da formação de uma nova maioria, os defensores da impunidade vinham mostrando as unhas e os dentes para a Lava Jato, para o Ministério Público Federal e para a Polícia Federal. Falavam em “sanha punitivista”, em “criminalização da política” (como se política fosse esse mercadão em que, do voto ao deputado, tudo está precificado). Salvo exceções que ninguém contesta.

Quem quer viver num país decente não pode permitir que entre em operação e ganhe eficácia a oficina de construção de versões com que a esquerda vem fazendo gato e sapato da história brasileira nos últimos 50 anos. É preciso que os acontecimentos destes dias e o papel desempenhado pelos seus protagonistas sejam bem conhecidos. Aqueles que julgavam poder fazer política fora da lei, porque estariam acima dela, e se enrolaram com a justiça, agora pretendem transformar a carceragem da Polícia Federal de Curitiba em comitê partidário. Ou seja, continuam se considerando acima da lei e, portanto, fora da lei. São incuráveis.

Aconteça o que acontecer nos próximos dias, os protetores de bandidos, os defensores de corruptos, precisam ver seus nomes inscritos entre os traidores da pátria. Essa fase insana de nossa história precisa ter um fim.


Tags: Percival Puggina, política, petralhas, artigo, opinião


Percival Puggina é titular do blog www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões.

e-mail: puggina@puggina.org
Twitter: www.twitter.com/percivalpuggina




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 19.06

  • Dia de São Romualdo
  • Dia do Anjo Leuviah
  • Dia do Cinema Brasileiro
  • Dia do Cinema Brasileiro
  • Dia do Migrante
  • Dia do Vigilante