Últimas notícias

Colunistas

RSS
415 - O início do obscurantismo

Carlos Mello

27.04.2011

415 - O início do obscurantismo

No século V, a ignorância e desconhecimento predominavam nas populações humanas, surpreendentemente existia uma civilização em que estava florescendo uma cultura científica. Sua base era a biblioteca de Alexandria, que era a maior cidade do Egito. Nesta época a dominação romana sobre o Egito estava em decadência. Esta biblioteca, construída por reis gregos no século III a. C. durante sete séculos, de 280 a.C. a 415, reuniu o maior acervo cultural e científico então existente, milhares de rolos de papiro e livros guardavam todo o conhecimento até então conseguido, igualava-se culturalmente a Atenas, mas Alexandria era o cérebro cultural do mundo antigo, era o local preferido dos interessados em ciência. Poderia ter deixado notável contribuição para o desenvolvimento se não fossem as hordas cristãs, eivadas de inveja, intolerância e total ignorância, terem iniciado a época de obscurantismo para a humanidade.

Nesta cidade tinha uma exceção, uma mulher excepcional, chamava-se Hypatia, (370-415 d.C), filha de Theron, um importante funcionário do Museu de Alexandria, do qual ela herdou o conhecimento transmitido pelo pai, ministrou aulas de Matemática, Filosofia e Astronomia no próprio museu. Era uma cientista, além de matemática e astrônoma era líder da escola de filosofia neo-platônica e diretora da Biblioteca de Alexandria. Foi uma das primeiras mulheres a fazer uma contribuição significativa ao desenvolvimento da matemática.

Numa época em que as mulheres eram artigo de 3ª categoria (atualmente ainda continuam assim em lugares com governos teocráticos), o pensamento de Hypatia estava muito além do seu tempo. Ela foi precursora numa área sempre dominada pelos homens e foi corajosa em contrariar os dogmas que estavam sendo impostos pelos fanáticos cristãos. Esta posição, de ser uma brilhante professora de matemática e astronomia, representava uma ameaça para a difusão do cristianismo, pois ela fazia defesa da ciência e do neoplatonismo. O fato de ser mulher e carismática fazia a sua existência ainda mais intolerável aos olhos dos cristãos.

Cirilo, o patriarca e arcebispo de Alexandria, odiava Hypatia por ela ser um símbolo da ciência e da cultura que, para a igreja, como sempre, representavam o paganismo e um perigo, pois fazia com que as pessoas pensassem, o que era inadmissível aos incipientes dogmas que estavam pregando à população completamente ignorante. Ele a detestava mais ainda porque não tolerava a idéia de uma mulher (nenhuma novidade os padres cristãos não gostarem de mulher), ter influencia sobre Orestes, que era o prefeito de Alexandria.

A indignação de Cirilo se fazia através de ameaças e pressão incitando os estúpidos seguidores sempre que podia, criando um clima de antagonismo para com a cientista. Ela foi acusada de bruxaria e paganismo, o que seria uma acusação natural dos cristãos, nos próximos séculos para qualquer mulher que se sobressaísse em algum assunto não religioso. Apesar do clima hostil criado por Cirilo e seus seguidores, ela continuou seu trabalho, o que era insuportável à tropa seguidora do Bispo.

No ano de 415, Hypatia, então com 45 anos, quando retornava da biblioteca, foi cercada pelos monges de Cirilo, levada a uma igreja, despida e esfolada até a morte com cacos de cerâmica. Seus restos foram queimados. A biblioteca, que era o maior referencial cientifico e cultural do Mundo Antigo, foi incendiada e suas obras, tesouros da cultura mundial, destruídas.

Hypatia, a primeira mártir do conhecimento (nenhuma outra mulher matemática foi registrado em mais de mil anos), foi assassinada devido à intolerância pelo fato de ser mulher, anti-religião, influente e principalmente por defender o livre pensamento, demonstrando o desprezo das religiões pela condição feminina. O que torna incompreensível que atualmente ainda existam mulheres razoavelmente inteligentes seguindo alguma religião.

Com este crime iniciou-se a idade média, melhor denominada de Era das trevas, dirigida por ignorantes religiosos que predominaram através do medo, aniquilando qualquer atividade que fosse mais sábia e avançada. O questionamento, que é a base da liberdade, foi transformado em pecado mortal, e em seu lugar foi instaurado o medo como forma de governar, mostrando a abismal diferença entre religiosidade e ciência e como é o verdadeiro “espírito cristão” de justiça.

A expansão do Cristianismo foi uma imensa derrota para a ciência, que era considerada bruxaria, mergulhando a humanidade no obscurantismo medieval por mais de dez séculos, onde a dúvida era pecado mortal devidamente “corrigida” com as chamas da inquisição. Mais uma vez evidenciando que a fé religiosa leva ao fanatismo, que se opõem à inteligência e evolução, sendo consequentemente uma inimiga da paz e prosperidade.

Cirilo, em reconhecimento pelos seus méritos de expandir a crendice do cristianismo, através da perseguição da comunidade científica e dos judeus de Alexandria, para a glória da Santa Madre Igreja, em 1882 foi canonizado e recebeu o título de "Doutor da Igreja". É o Santo Cirilo.

 


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • carlos quevedo (20.02.2012 | 10.10)
    continuo me indagando: como podem os templos (neste pais) estar sempre abarrotados de mulheres? qual o nível de conhecimento das mulheres que mobiliam as igrejas? que espécie de contribuição esperam dar a sociedade ou mesmo à humanidade? será que foram produzidas em série para pensarem também em série? ou será que os deuses que elas adoram consegui enfim "entender as mulheres?"
  • Carlos Mello (03.05.2011 | 21.05)
    Olá Henry. Sobre o idioma, não existe relação entre Santo Cirilo, que viveu no século V (375 a 444) no Egito, e este idioma, que apareceu no século IV na Macedônia. Abraço e Obrigado pela participação.
  • Roberto Henry Ebelt (27.04.2011 | 11.49)
    Mello, Por acaso esse assassino (São Cirilo) foi o mesmo infeliz que criou o alfabeto cirílico, que só contribuiu para o desentendimento entre os país eslavos e o mundo ocidental? Roberto Henry Ebelt
  • Resposta do Colunista:

    Carlos, eu acho que TODAS são vítimas por não pensarem a respeito do que fazem e como agem. Elas sofrem uma lavagem cerebral na infância que lhes tira a capacidade de pensar e não conseguem se liberar disso. Mas são felizes, pois acreditam que vão para o céu junto ao poderosíssimo a que serviram. Religião é um ótimo placebo.

  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:

    Olá Henry. Primeiro uma correção, o inicio do texto está errado, onde consta século XV, o correto é século V. Portanto o início dever ser:
    “No século V, a ignorância e desconhecimento predominavam ....”
    Sobre o idioma, nao existe relação entre Santo Cirilo, que viveu no século V (375 a 444) no Egito, e este idioma, que apareceu no século IV na Macedônia.
    Abraço e Obrigado pela participação.

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 20.05

  • Dia da Ascensão do Senhor
  • Dia da Congregação Mariana
  • Dia de Mjollnir, o martelo mágico de Thor, o deus dos trovões (Mitologia Nórdica)
  • Dia de São Bernardino de Sena
  • Dia do Comissário de Menores
  • Dia do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
  • Dia Nacional do Medicamento Genérico