Últimas notícias

Colunistas

RSS
Monarquia - O Carnaval permanente do século XXI.

Carlos Mello

04.05.2011

Monarquia - O Carnaval permanente do século XXI.

Este artigo não tem nenhuma relação com alguma dúvida de que nossa república esteja em perigo, mas sim pelo inexplicável deslumbramento demonstrado pela imprensa nacional para com a ridícula festa de casamento de um príncipe em Londres.

Monarquia é um sistema derivado dos chefes das tribos. É uma forma de governo antiga. República também não é um sistema novo, desde a Grécia antiga já a utilizava. O senado romano desde 500 AC tinha as atividades executivas exercidas pelos cônsules e pelos tribunos da plebe. A principal diferença é sua filosofia de classificar as pessoas.

A república entende que todos têm os mesmos direitos e deve prevalecer a meritocracia, ou seja, tem a vantagem de ser igualitária e dar voz ao povo na escolha de alguém do seu grupo para liderá-lo. Claro que não é perfeita, na teoria está correta em dar a chance para qualquer um ser escolhido, mesmo que não tenha as mínimas condições, como ocorreu com o nosso último presidente. Além disto existe a corrupção das pessoas alojadas no poder, os altos funcionários públicos e as corporações que funcionam como classes de nobres ao privatizarem os órgãos públicos para seus benefícios, sustentados pelo povão ignorante. Mas isto temos condições de consertar com os próprios meios que a República oferece.

A República, atualmente tem um vício semelhante, no nível macro, são sempre os mesmos que estão no topo da pirâmide social. O correto é que exista mais alternância quando se trata de governo e coisa pública em geral. Mas é um defeito que com o aumento do nível cultural, vai fazer com que as pessoas escolham melhor, e assim vai se aperfeiçoando cada vez mais.

No nível micro não existe qualquer erro que as empresas passem de pai para filho, neste nível, diferente do macro, é natural.

O sistema mais romântico seria a anarquia, mas, em nenhuma população do mundo existiria civismo para manter uma auto-gestão necessária para sustentar tal instituição. Então esta fica só no campo da teoria imaginária.

A Monarquia é injusta, porque tem como princípio perpetuar a desigualdade, inscreve o povo num antiquado sistema de castas eternas baseadas na hereditariedade, em que uns nascem barões e outros plebeus, a nobreza é humilhante para os plebeus porque serão sempre inferiores aos pertencentes à nobreza, até a cor do sangue eles alterariam se pudessem.

Os bobos da corte, admiradores da monarquia, são ou muito mal informados ou desonestos. Eles apontam alguns países europeus para tentar justificar um sistema ultrapassado, mas não esclarecem que exatamente nestes países estas realezas são somente parasitas, sustentados por povos com bom nível cultural, mas inexplicavelmente parvos em relação à humilhação de se ajoelharem para majestades reais, que não servem para absolutamente nada e não tem poder algum. Espertamente ocultam lugares onde existem monarquias com autoridade de governo como Arábia Saudita, Butão, Tuvalu, Nepal, Marrocos, Jordânia, Suazilândia, etc. Onde povos apatetados e oprimidos ainda estão sob a égide de um sistema medieval, onde monarcas se consideram donos destes países e das pessoas.

Os piores e mais atrasados regimes de esquerda são exatamente os que imitam as monarquias, com direito a hereditariedade e tudo, por exemplo: Cuba, Coréia do Norte, Líbia e Síria.

Pode-se alegar que no capitalismo isto também ocorre, mas não como filosofia de estado, neste sistema é buscada a mobilidade entre as classes, e isto é bem possível.

Aqui no 3º mundo, temos o carnaval, que é uma festa popular onde predomina a chinelagem intelectual, mas compreensível devido ao nível do povão que adora a barulheira (alguns dizem que é música) característica destes eventos. Então as estranhas fantasias fazem parte da festa e até trazem turistas para assistirem a esta Festa do Ridículo. Mas este gosto espalhafatoso foi batido de longe pelos seres superiores da realeza presentes na festa de casamento em Londres. A diferença para a nossa festa popular é que as fotos destes seres esplendorosos mostram pessoas de boa cepa, dentes bonitos, pele perfeita. Mas o mau gosto nas cabeças é de fazer inveja a qualquer carnavalesco, Lady Gaga ou o velho Chacrinha.

Isto mostra que dinheiro não compra bom gosto ou senso de ridículo.


 
É difícil entender uma nação como a Inglaterra, em pleno século 21, que ainda referencie e sustentem uma ridícula monarquia completamente inútil e cara, onde a única função de um nobre é esperar alguém morrer ou abdicar.

Parece que mais da metade dos ingleses são contra serem cordeirinhos de uma realeza. O conhecido cantor Steven Patrick Morrissey se manifestou assim quando perguntado se assistiria ao casamento real: “Por que eu assistiria? Não conseguiria levar nada daquilo a sério. Não acho que a tão falada família real representa a Inglaterra hoje e não acho que o país precisa deles. Realmente acho que eles são parasitas de benefícios e mais nada”, atacou o cantor, completando que embora a imprensa do lado de fora do Palácio de Buckingham diga ao mundo que o povo inglês ama a família real, na verdade não é bem assim: “Saia agora e fale com o pessoal na rua e eles vão rir de vocês. Eles realmente vão!”

Até aqui no Brasil do século XX existiam alguns tolos, representantes da decrepitude, que defendiam a instalação de uma monarquia, que quando existia fez quase nada de bom. Pode-se afirmar que manteve a unidade do País, mas foi bom para quem? Para nós gaúchos foi uma lástima, por conta disto estamos amarrados ao gigantismo parasitário com tendência cada vez mais ao subdesenvolvimento. Enquanto Dom Pedro II caçava borboletas e brincava de telégrafo os norte americanos montavam ferrovias e construíam o maior parque industrial do continente, indo em direção ao futuro de ser a maior potencia do planeta.

Definitivamente não é um sistema defendido por pessoas inteligentes. É um produto com cheiro de mofo, que deve ficar no passado, assim como as religiões, as crendices, a escravidão, os museus, as perucas dos magistrados britânicos, os trajes do papa e da academia brasileira de letras, os costumes dos povos indígenas, etc. Seria uma imensa lista amarelada pela nostalgia de um tempo que se foi e deveria estar enterrado para sempre. Se for para investirmos em algum tempo, que seja no futuro e nunca no passado.

Por isto o mais inteligente é ter um governante questionável a liderar uma população, porque conseguiu convencer a massa ignorante que seria a melhor opção, do que ter um Inquestionável, só porque nasceu nobre e sem opção de mudar.
 


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • dailor dos santos (10.03.2016 | 11.45)
    Pelas respostas que destes à Magdalena dá pra sentir o teu nível de conhecimento.Teu local para morar fica a 384.400 km da Terra. Vai pra lá!!
  • Magdalena Ribeiro (01.04.2015 | 17.25)
    O "esperto" que acha que comunismo e ateísmo são quase a mesma coisa,que diz que se os Estados do Brasil se separassem estariam em situação financeira muito melhor,chamando os outros de "idiotas" é hilário! Ele adora teorias! "A República oferece os meios para consertar as falhas do sistema"...Resta saber se os detentores do poder (e do dinheiro) estão interessados em consertar alguma coisa,principalmente quando ela é lucrativa para os mesmos. E a comparação dele das ditaduras socialistas com as monarquias constitucionais foi mesmo o ápice da ignorância!Maldita inclusão digital! O sistema político que todos fomos ensinados a venerar desde cedo — seja pelas escolas cujos currículos são controlados pelo governo, seja pela mídia serviçal ao estado — é a democracia. Sob a democracia, surge a ilusão de que nós somos nossos próprios governantes, de que governamos a nós mesmos. Entretanto, como já deveria estar mais do que claro, sob a democracia também existem os soberanos e os súditos desses soberanos. Porém, o fato de que qualquer um pode potencialmente se tornar um funcionário público é algo que, além de também ajudar a estimular a ilusão de que governamos a nós mesmos, leva a uma redução daquela resistência que havia contra os reis quando estes tentavam aumentar suas receitas tributárias - afinal, o aumento da receita do estado ser-lhe-á favorável caso você seja um dos soberanos. A democracia é uma ilusão criada pelos detentores do poder,e voltada para aqueles que não o possuem. Tenho visto e ouvido vários republicanos,como o blogueiro gaúcho, discutindo que a Monarquia é o privilégio de uma família. Que com a Monarquia o povo era "súdito" e que com a República passou a ser "Cidadão" (e com "C" maiúsculo). Ouvi que com a república podemos todos ser candidatos a chefe de Estado e que com a Monarquia não é a mesma coisa. Enfim, ouvi inverdade, ouvi argumentos próprios de quem lê apenas e só os manuais do ensino oficial, ouvi argumentos que denoto claramente uma falta de conhecimento sobre o que se fala. Não culpo o povo por isso, obviamente! Mas vou pegar apenas na expressão “privilégio de uma família”, porque vejo que do lado republicano isto faz muita confusão. Pegando no exemplo das Monarquias atuais e olhando para o presente e futuro, eis o que digo em relação a este aspecto: 1. As Famílias Reais recebem dotações vindas do Orçamento de Estado, única e exclusivamente para cumprir o seu papel Constitucional. 2. Os membros das Famílias Reais que não têm nada a ver diretamente com a sucessão ao Trono, hoje em dia, trabalham, investem no seu país e quando são chamados a tal, representam o Estado em diversas ocasiões, assim como por isso mesmo também pagam os seus impostos. 3. Hoje em dia, a grande maioria dos sites das Casas Reais têm relatórios das despesas das Famílias Reais para consulta dos cidadãos e investigadores. 4. A Família Real, isto é, o monarca e os filhos, representam mais do que uma tradição, um serviço, uma História, ligada ao povo, às suas raízes e tradições. Por outro lado: a) É o candidato a Presidente da República que é eleito. O que é que faz a sua esposa no meio? b) Quantas pessoas beneficiam da Presidência da República além do eleito?A família dele,que não foi eleita,nunca se beneficia de nada? c) Onde está o relatório no site da Presidência da República com as despesas do Chefe de Estado e staff? d) Que Chefe de Estado vem à televisão dizer que não tem dinheiro para as suas despesas, sabendo nós, como sabemos, que a Presidência da República é um autêntico “saque” ao bolso dos contribuintes, com ordenados, staff, carros topo de gama, reformas e benefícios fiscais, etc? e) E os que já foram Presidentes? Quanto dinheiro cada um aufere da Segurança Social, com as suas pensões de ex-dirigentes políticos e ex-Presidentes? f) E as Fundações a eles ligadas? Quem é que sustenta tudo isso? g) E a PRIMEIRA DAMA, que nem eleita é? Se um herdeiro do trono possui um "privilégio hereditário",não poderíamos chamar o título de "Primeira Dama" de "privilégio matrimonial"? Um casamento não colocou essa mulher acima dos demais cidadãos? Se, pela ética republicana, o Presidente da República é o eleito pelos eleitores, então, só ele é que deve exercer a Chefia do Estado, durante o mandato para que foi eleito. Não digo que a Presidência não tenha um staff, é óbvio que tem que ter, mas permitindo a esposa do Presidente, as esposas dos ministros, nas viagens e deslocações ao estrangeiro, e dentro do País, não será um privilégio e um abuso? É que aqui há uma grande diferença: Entre uma Família Real que serve o País e que se for necessário dá instruções claras ao Primeiro-ministro para cortar verbas para a Família Real, vinda dos Contribuintes, como aliás historicamente sabemos que o Rei Dom Carlos I o fez, assim como o Rei de Espanha Juan Carlos I, a Rainha Isabel II do Reino Unido, o Rei Alberto II da Bélgica, entre outros. E A Família do Presidente, nomeadamente a chamada “Primeira-Dama”,que anda com o Presidente para todo o lado e com todos os benefícios, sem ter sido eleita. Prefiro mil vezes não eleger um Chefe de Estado e ter a certeza que a Chefia do Estado está entregue a quem leva muito a sério o serviço ao País do que o contrário!
  • Magdalena (01.04.2015 | 17.18)
    O "esperto" que acha que comunismo e ateísmo são quase a mesma coisa,que diz que se os Estados do Brasil se separassem estariam muito melhores,chamando os outros de "idiotas" é hilário! Ele adora teorias! "A República oferece os meios para consertar as falhas do sistema"...Resta saber se os detentores do poder e do dinheiro estão interessados em consertar alguma coisa,principalmente quando ela é lucrativa para os mesmos. E a comparação dele das ditaduras socialistas com as monarquias constitucionais foi mesmo o ápice da ignorância!A mediocridade dele fica estampada a cada texto que ele escreve! O sistema político que todos fomos ensinados a venerar desde cedo — seja pelas escolas cujos currículos são controlados pelo governo, seja pela mídia serviçal ao estado — é a democracia. Sob a democracia, surge a ilusão de que nós somos nossos próprios governantes, de que governamos a nós mesmos. Entretanto, como já deveria estar mais do que claro, sob a democracia também existem os soberanos e os súditos desses soberanos. Porém, o fato de que qualquer um pode potencialmente se tornar um funcionário público é algo que, além de também ajudar a estimular a ilusão de que governamos a nós mesmos, leva a uma redução daquela resistência que havia contra os reis quando estes tentavam aumentar suas receitas tributárias - afinal, o aumento da receita do estado ser-lhe-á favorável caso você seja um dos soberanos. A democracia é uma ilusão criada pelos detentores do poder,e voltada para aqueles que não o possuem. Tenho visto e ouvido vários republicanos,como o blogueiro gaúcho, discutindo que a Monarquia é o privilégio de uma família. Que com a Monarquia o povo era "súdito" e que com a República passou a ser "Cidadão" (e com "C" maiúsculo). Ouvi que com a república podemos todos ser candidatos a chefe de Estado e que com a Monarquia não é a mesma coisa. Enfim, ouvi inverdade, ouvi argumentos próprios de quem lê apenas e só os manuais do ensino oficial, ouvi argumentos que denoto claramente uma falta de conhecimento sobre o que se fala. Não culpo o povo por isso, obviamente! Mas vou pegar apenas na expressão “privilégio de uma família”, porque vejo que do lado republicano isto faz muita confusão. Pegando no exemplo das Monarquias atuais e olhando para o presente e futuro, eis o que digo em relação a este aspecto: 1. As Famílias Reais recebem dotações vindas do Orçamento de Estado, única e exclusivamente para cumprir o seu papel Constitucional. 2. Os membros das Famílias Reais que não têm nada a ver diretamente com a sucessão ao Trono, hoje em dia, trabalham, investem no seu país e quando são chamados a tal, representam o Estado em diversas ocasiões, assim como por isso mesmo também pagam os seus impostos. 3. Hoje em dia, a grande maioria dos sites das Casas Reais têm relatórios das despesas das Famílias Reais para consulta dos cidadãos e investigadores. 4. A Família Real, isto é, o monarca e os filhos, representam mais do que uma tradição, um serviço, uma História, ligada ao povo, às suas raízes e tradições. Por outro lado: a) É o candidato a Presidente da República que é eleito. O que é que faz a sua esposa no meio? b) Quantas pessoas beneficiam da Presidência da República além do eleito?A família dele,que não foi eleita,nunca se beneficia de nada? c) Onde está o relatório no site da Presidência da República com as despesas do Chefe de Estado e staff? d) Que Chefe de Estado vem à televisão dizer que não tem dinheiro para as suas despesas, sabendo nós, como sabemos, que a Presidência da República é um autêntico “saque” ao bolso dos contribuintes, com ordenados, staff, carros topo de gama, reformas e benefícios fiscais, etc? e) E os que já foram Presidentes? Quanto dinheiro cada um aufere da Segurança Social, com as suas pensões de ex-dirigentes políticos e ex-Presidentes? f) E as Fundações a eles ligadas? Quem é que sustenta tudo isso? g) E a PRIMEIRA DAMA, que nem eleita é? Se um herdeiro do trono possui um "privilégio hereditário",não poderíamos chamar o título de "Primeira Dama" de "privilégio matrimonial"? Um casamento não colocou essa mulher acima dos demais cidadãos? Se, pela ética republicana, o Presidente da República é o eleito pelos eleitores, então, só ele é que deve exercer a Chefia do Estado, durante o mandato para que foi eleito. Não digo que a Presidência não tenha um staff, é óbvio que tem que ter, mas permitindo a esposa do Presidente, as esposas dos ministros, nas viagens e deslocações ao estrangeiro, e dentro do País, não será um privilégio e um abuso? É que aqui há uma grande diferença: Entre uma Família Real que serve o País e que se for necessário dá instruções claras ao Primeiro-ministro para cortar verbas para a Família Real, vinda dos Contribuintes, como aliás historicamente sabemos que o Rei Dom Carlos I o fez, assim como o Rei de Espanha Juan Carlos I, a Rainha Isabel II do Reino Unido, o Rei Alberto II da Bélgica, entre outros. E A Família do Presidente, nomeadamente a chamada “Primeira-Dama”,que anda com o Presidente para todo o lado e com todos os benefícios, sem ter sido eleita. Prefiro mil vezes não eleger um Chefe de Estado e ter a certeza que a Chefia do Estado está entregue a quem leva muito a sério o serviço ao País do que o contrário!
  • Jorge (01.04.2015 | 16.46)
    Na república a filosofia é de "igualdade","meritocracia" e "sem títulos especiais"? E a "Primeira Dama",que ganha esse título especial só por causa do seu casamento?
  • Carlos Mello (07.05.2011 | 13.19)
    Réplica à opinião de Roberto Henry: Amigo Henry, o Molusco cefalópode foi um acidente. Um ParTido aproveitou a popularidade de um esperto junto à população imbecilizada e emplacou duas vezes. Agora vai melhorar, na próxima poderá ser o Tiririca. Quanto ao Parlamentarismo, seria ótimo SE NÃO FOSSE o seguinte: Um voto de um nordestino vale até 40 votos de um sulista. Assim um parlamentarismo seria impossível para nós. E corrigir isto só com uma revolução. Mas uma de verdade, essa de 64 foi uma revoltinha.
  • Beto Muller (06.05.2011 | 13.14)
    Enquanto Dom Pedro II caçava borboletas os norte americanos iam em direção de serem a primeira potencia deste planeta. PERFEITO! Faltou dizer: E nós indo em direção ao terceiro mundo.
  • Roberto Henry Ebelt (06.05.2011 | 08.54)
    Caro Mello, Concordo que os inglese exageraram e romperam os limites do bom senso por ocasião do casamento de Kate e William, mas eu me sentiria bem melhor em ser representado no exterior por Elizabeth II, pelo Prince of Walles, ou até mesmo por William do que por um deslumbrado molusco cefalópode. Sem discordar de ti, mas apenas acrescentando, enquanto continuarmos a copiar as babaquices dos americanos, tais como o sistema presidencialista, dificilmente sairemos deste mar de excrementos em que nos encontramos há quase dez anos. Parlamentaraismo já. Nova Constituição imediatamente e sem cláusulas pétreas. Roberto
  • Maria Gourgues (04.05.2011 | 09.43)
    O texto sobre a babaquice da imprensa esta ótimo. Adorei as fotos dos horriveis enfeites da nobreza. Engraçado os ingleses, e outros, se humilharem como plebeus para uma monarquia ultrapassada. Servem para que? Mas se lese gostam, bom proveito.
  • Resposta do Colunista:

     

    Dailor, alguém tentar defender monarquia é uma vergonha para a humanidade.

    E o nível da tua “argumentação” mostra bem a qualidade dos que tem desejo de serem cabresteados por alguma nobreza.

    A 384.400 km da Terra está a cabeça de quem defende um sistema com cheiro tão forte de mofo como a monarquia.

     

    Obrigado

     

  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:

    Magdalena e Magdalena Ribeiro.

    Estas tuas defesas são um padrão nos comentários dos bobos da corte, quer dizer, monarquistas.

    Mas vou te resumir a resposta ao máximo.

    Porque o governo petista conseguiu enganar o populacho não é motivo para piorar ainda mais e voltar com uma forma de governo da idade das trevas. Imagina colocar um reizinho sem chance de trocar?

    Fora que as monarquias são ligadas a alguma religião, o que seria um duplo atraso.

    Mas para acabar com teu raciocínio vamos supor que se instalasse a monarquia, então esta seria a forma de governo onde teria um rei para  se prostrares ante sua alteza. Muito bem. A forma de governo estaria decidida.

    Agora a escolha do rei, tu achas que seria quem tu gostaria? Achas mesmo que seria escolhida alguém daquela família “real” descendente dos Pedros? Logico que não, seria escolhido o Mula ou Tiririca, então tu terias o Rei Mula, com o Mulinha como príncipe e a mulher ou amante do Mula como rainha. Então a babacada se ajoelharia para o novo rei, afinal querem outra forma de governo? Pronto, estariam os bobos da corte satisfeitos. 

    E o que é pior: Para Sempre!

    O liberalismo já enterrou a monarquia há séculos, ainda não descobriram isto?

    Tem que estar com a cabeça muito atrasada para defender esta forma de governo, e ainda ingenuamente pensarem que vão escolher a forma de governo e o monarca.

    Se fosse para escolher um rei eu votaria no Tiririca, pelo menos de palhaçada ele entende.

     

  • Resposta do Colunista:

    Jorge. Na República a filosofia realmente é de meritocracia, o que nem sempre funciona, títulos especiais existem muitos, mas nenhum comparável com alguma ridícula hereditariedade real ou ligado a alguma família de nobres. E os títulos que existem acabam com a morte do dono e são passiveis de serem alterados.

    Quanto à primeira dama, é um titulo passageiro, que também acho ridículo, mas nenhuma razão de herança real.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:
Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 23.03

  • Dia de São Turíbio de Mogrovejo
  • Dia Mundial da Metereologia
  • Páscoa