Últimas notícias

Colunistas

RSS
Maus tratos com animais. Coisa de covarde.

Carlos Mello

14.12.2011

Maus tratos com animais. Coisa de covarde.

Uma vizinha encontrou quatro filhotes de cachorro em um “trabalho” de umbanda, ou sei lá o nome, no final de uma rua próximo de minha casa na Vila Nova, aqui em porto Alegre, um estava ainda vivo e ela o adotou, fiquei emocionado e com vergonha de pertencer à mesma raça de quem faz uma maldade destas.

A cadeia alimentar naturalmente não deixa de ser uma forma de maus tratos aos animais, pois que o mais forte ou mais esperto sempre subjuga o mais fraco. Se não fosse essa perversa naturalidade, a vida como a conhecemos na terra não existiria.

Só esta realidade já deveria fazer os religiosos repensarem na “imensa bondade” divina que seu adorado Deus “criou” com a vida baseada na morte de outras vidas. Como religiosos são proibidos de pensar, eles sempre acham a vida criada por seu amigo imaginário perfeita, obviamente que nunca vão escutar a opinião de quem está na base da pirâmide alimentar.

Mas isto é compreensível, já que é uma imposição da natureza e existe um macabro equilíbrio baseado neste principio. Por isto o nome acertadamente é natureza selvagem.

Os estudiosos dizem que já estivemos no cardápio de muito predadores e que com o uso de nossa capacidade de raciocinar evoluímos até chegar ao topo desta cadeia alimentar.

Os humanos estão inseridos neste contexto de forma diferente conforme a Região, por exemplo: Aqui nos alimentamos de gado, que na Índia é considerado sagrado. Na Coréia se alimentam de cães, que nós cuidamos como se fossem crianças, ou pelo menos como um ente da família. Em outros países existem costumes alimentares que nos causaria nojo, mas lá são regalias, sempre baseadas em algum tipo de animal.

Mas o assunto de maus tratos é referido quando a morte não é justificada para uso de alimento, e sim quando o ato de matar é usado de forma completamente desnecessária e muitas vezes com requintes de crueldade.

O ato de maltratar animais é o mesmo de maltratar crianças. São realizadas por pessoas extremamente covardes, provavelmente com patologias mentais, pois usam sua força contra vitimas indefesas e silenciosas. São escolhidas porque não podem se defender e não irão reclamar, sofrerão em silencio.

Sabem de onde se originaram estes atos criminosos? Das religiões!

Sempre destas entidades nascem coisas ruins.
TODAS as religiões, com exceção da budista, que nem chega a ser bem uma religião, usaram sacrifícios de animais e até humanos, para AGRADAR seus deuses.

Alias o sacrifício de Jesus crucificado é um exemplo de algo ridículo e de péssimo gosto e, no entanto, é ostentado em todas as Igrejas, pulseiras, pingentes, etc, Se este Deus tivesse sido enforcado ou degolado estariam expondo o mesmo sacrificado e a arma também como amuleto para mostrar sua fé. Ou seja, o exemplo vem de cima da hierarquia religiosa.

As maiores religiões não utilizam mais este tipo de sacrifícios, nos dias atuais só tolamente “comem e bebem” a carne e sangue de seu Deus, como se canibalismo trouxesse algum beneficio para alguém. É o que sempre repito: Falta pensarem a respeito do que fazem.

Mas nas religiões menores, em geral de origens africanas, não todas, continuam a sacrificar animais em seus covardes rituais.

Existe o “livro de São Cipriano” que contém diversos rituais de ocultismo onde especifica como cegar um gato vivo e colocar favas em seus olhos, ânus e outros orifícios a fim de se tornar invisível (não pode ser normal alguém que acredita numa besteira como essa). Outros livros envolvem a retirada dos dentes, patas, e outras partes do corpo de animais.

Em nenhuma época isto deveria ter existido, mas em pleno século 21 é puro irracionalismo, é o máximo em ignorância.

Em regiões como Nepal, fazem grande concentrações de pessoas para o sacrifício, às vezes chega milhares de animais mortos em apenas 1 culto religioso, isso é um número cruel e assustador, é inimaginável existir pessoas capazes de fazer tal brutalidade.

Os maus tratos são comuns também fora do âmbito religioso, pois, infelizmente, se olharmos para os lados incrivelmente se vê carroças (isso mesmo, carroças em plena cidade) usando a força escrava dos animais, forçando-os até morrerem de exaustão.

Aqui em Porto Alegre, existiu um prefeito, o mais burro que esta cidade já teve, que chegou a legalizar as carroças fornecendo até emplacamento.

Tem um deputado do PT-RS , que criou uma lei em 2003 em nome da liberdade de consciência e de crença que permite o sacrifício e a tortura de animais em rituais religiosos, uma vergonha para nós gaúchos.

É incrível a IGNORÂNCIA do ser humano. O mais estúpido é esse tipo de gente acreditar em coisas completamente sem noção como se sacrificar um ser vivo, possa lhes trazer alguma vantagem para suas funestas vidas.

Os exemplos desta falta de estudos e educação seriam muitos, desde as touradas, os rodeios, circos, carroças, abandonos, etc. Seria pouco espaço para enumerar tanta ignorância e covardia.

A mensagem que tem que ficar é que NUNCA deixe de denunciar maus tratos em qualquer ser vivo (obviamente não só animais, o problema é que em animais existe certa tolerância cruel).

Não pense duas vezes, nada de ficar rezando, vá a uma delegacia e lavre um boletim de ocorrência, lembre-se de que os animais não podem pedir socorro, seja a voz deles.


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • Patricia Farias (14.12.2011 | 11.05)
    Concordo plenamente contigo, os maus tratos com animais esta demais. Eu nao sei aonde isso vai dar. É muito triste e doloroso ver isso acontecer.
  • Resposta do Colunista:

     Acredito que um dia crimes contra animais sejam punidos como se fossem contra humanos. Até lá os covardes, infelizmente, vão continuar agindo. Obrigado Patrícia.

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 23.03

  • Dia de São Turíbio de Mogrovejo
  • Dia Mundial da Metereologia
  • Páscoa