Últimas notícias

Colunistas

RSS
Logosofia. A mais nova crendice religiosa

Carlos Mello

29.08.2012

Logosofia. A mais nova crendice religiosa

Quem estiver procurando uma muleta psicológica, seja por necessidade, lavagem cerebral ou outra explicação psiquiátrica, não pode se queixar da falta delas, o cardápio é enorme, são centenas e de variados tipos.





As últimas mais conhecidas são:

  • Os Mórmons em 1805.
  • A Cientologia, em 1952.
  • A definição de "design inteligente" em 1987, que nada mais é que o criacionismo camuflado.

Tem outras, mas essas são as mais divulgadas.

Todas estas acima foram criadas nos EUA. Então para quem procura alguma coisa mais próxima de suas raízes nativas sulistas a solução já chegou. Trata-se da Logosofia, um movimento criado aqui nos pampas da vizinha Argentina, produção legítima do nosso MERCOSUL.

Este movimento segue a tendência atual para se legitimar e se auto-intitulando como uma ciência, no seu site eles se conceituam como:

Uma ciência nova, que revela conhecimentos de natureza transcendente e concede ao espírito humano a prerrogativa de reinar na vida do ser que anima. Conduz o homem ao conhecimento de si mesmo, de Deus, do Universo e de suas leis eternas.

Neste conceito as palavras transcendente, espírito e Deus já deixam claro que não tem absolutamente NADA A VER COM CIÊNCIA. Trata-se de mais uma seita com definições nada fáceis de entender, pois suas explicações são esotéricas, e para compreender suas características tem que ler praticamente todos seus conceitos. Não respondem nada diretamente ou de modo compreensível. Nisto são muito parecidos com os demais livros sagrados, tudo tem que ser interpretado ou se tem que entrar em contato com alguém para “explicar melhor”

Esta nova religião, devido ser adaptada aos novos tempos, tem algumas características interessantes. Não precisou ser tão camaleoa como as mais antigas que não conseguem se disfarçar de serem contos de fadas para adultos.

Esta nova doutrina praticamente vai contra as crendices cristãs com exceção da existência de Deus.

Não contraria o evolucionismo, coloca o homem como em constante evolução até tornar-se imortal.

Ela não é dogmática, não se originou de algum grupo religioso.

A palavra Jesus e Espírito Santo sequer são citadas em seus conceitos.

Também não tem orações, ritos ou santos.

Considera que a humanidade está mergulhada num caos moral e espiritual, e logicamente, ela veio para salvar disto, como todas as seitas, considera-se o único caminho de redenção da raça humana, já que as outras religiões impedem a evolução do homem.

Uma característica bem diferenciada da maioria das religiões é que não se utiliza de ameaças e temores como a católica que depende da ameaça do inferno. Ela busca Deus através do conhecimento. Defende que a palavra "crer" deve ser substituída pela "saber", porque é sabendo e não crendo que se conscientiza da presença de Deus. Pois a crença anula a função de raciocinar e assim fica exposto ao engano e má-fé dos inescrupulosos. Nisto ela esta certa.

Mas não é ingênua para dispensar a lavagem cerebral característica de todas as crendices, se não fosse isto não haveria mais religiões há séculos. Ela possui até escolas logosóficas. E afirma que esta busca por Deus tem que ser “orientada”, ou seja: as pessoas são muito idiotas para buscarem seus Deuses sozinhas.

Para o crente ser salvo, é necessário não cometer mais pecados, mas também não explica sobre os já realizados. Nisto se parece com as religiões cristãs, que quando se arrependem o passado fica perdoado, e é uma das razoes de tantas crueldades por parte da Igreja, pois é só se arrepender na última hora que vai para o Paraíso, os prejudicados não interessa.

Também se iguala ao cristianismo quando não explica como será a vida após a morte, como é o paraíso ou como seria viver eternamente com Deus.

Nisto os muçulmanos são mais claros, pois esclarecem que os homens terão 72 virgens para seu deleite na eternidade. Logicamente que este premio é só para homens.

Esta religião foi fundada pelo argentino Carlos Bernardo Gonzáles Pecotche, em 1930.
Não tem muita originalidade, seus conceitos sobre Deus, pecado, salvação, lavagem cerebral, intermediação e total falta de evidencias não diferem das outras religiões.

É mais um grupo esotérico que tem a fórmula para salvar a humanidade.


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • Marcelo (28.02.2018 | 19.28)
    Logosofia é uma religião sim. O Maestro é Jesus, sua palavra não pode ser contrariada nunca. Estudei no colégio Logosófico durante 15 anos e apesar de tentarem me levar para fazer parte da seita sempre me neguei. Na verdade tentaram empurrar uns livros do maestro pra eu ler mas não conseguia nunca passar das primeiras páginas. O troço era um porre, muita abobrinha, uma mistura de espiritismo (sem jesus) com esoterismo e muito conservadorismo. O maestro era um puta machista. Aliás a Fundação Logosœfica é um antro de nepotismo, o reitor e diretores sempre são da mesma panelinha que vai se revez ando. Não existe democracia na Logosofia.
  • Gisely Nunes (21.08.2016 | 07.52)
    Se fosse te responder na sua linguagem teria que cair na insensatez, você é ridículo, é muito fácil criticar, é muito fácil olhar de forra, você não é digno de falar de logosofia.
  • Sirene (16.08.2016 | 13.13)
    Como foi dito pelo pelo comentarista do dia 17/04/15, se houvesse liberdade de pensamento (um dos slogan da Logosofia), esta não estaria processando um estudante que fez um blog criticando a postura de muitos estudantes perante a bibliografia. O blog foi o caminho que este achou para que estudantes de todo o Brasil pudessem dialogar sobre isso, pois dentro da instituição quem critica não é bem visto. Quem tiver interesse, procure pelo blog criticaslogosofia@blogspot.com.br
  • Sirene (16.08.2016 | 11.59)
    Logosofia é seita, pois possui dogmas. Inclusive em um de seus livros está escrito que não se admite que se questione seus ensinamentos e que seja objeto de especulação. Isso é ciência? A Cientologia também diz ser uma ciência.... Quanto a postura frente as religiões, é sectarista, chamando a religião de A Grande Impostura (plágio ao filósofo Voltaire que chamava a igreja de A Grande Infame?). Pois assim como as religiões e seitas definem bem seu inimigo, geralmente o diabo, a Logosofia define também o seu, que no caso são as religiões. A diferença no caso, é que Voltaire acusava a igreja, mas não se dizia o caminho para a Deus, enquanto o autor da Logosofia se diz. Mas é claro que não deixa isso claro para quem está se aproximando dela.
  • Maria Nunes (21.07.2016 | 00.35)
    Confesso que estou impressionada de ver como a Logosofia incomoda tanto aos que menos a conhece. Quantos pre-conceitos sobre essa Ciência sim, que não tiveram, nem se deram a oportunidade de conhecer! Por ser ciência, não atacamos nenhuma outra linha de religião, filosofia etc... O próprio autor pede que estudem, comprovem o que nos dá de conhecimento. Não é para crer no que não se sabe, ou não se comprova!!Por esta razão trocamos o crer pelo saber. Tem muitos outros aspectos que poderia ponderar, mas nada iria satisfazer as mentes fechadas para um conhecimento maravilhoso que só traz felicidade, compreensão, e sabedoria de si mesmo e da própria vida! Portanto, quem estiver disposto é muito benvindo a conhecer a Logosofia em qualquer uma das sedes que existem pelo mundo. Se estiverem satisfeitos com as suas religiões, ótimo também! Respeitamos o livre arbítrio de cada um. Enfim, a única coisa que posso afirmar é que foi a melhor coisa que eu conheci, passei por muitas buscas. Aprendi e deixei de ser mendiga de Deus, ao invés de fixar pedindo e rezando, vou à luta! Assumo todas as responsabilidades da minha vida sem culpar ninguém ou esperar que alguém venha me salvar ou assumir as minhas faltas. Sinto que Deus está dentro de mim, no semelhante, na Natureza e em todos os lugares. Está também dentro de cada um de vocês! Enfim, o convite está feito. Posso garantir o seguinte: estuda-se muito, comprova-se muito e há um comprometimento total com s moral e com a ética! Ambiente saudável, alegre e feliz! Conhecer a Logosofia não é obrigação! É uma opção para todos que buscam ser melhor e mais feliz. Sem mais, abraço afetuoso em todos!
  • Carlos (27.12.2015 | 10.12)
    Muitas seitas,correntes, pensadores, doutrinas têm surgido ao longo da história e isso é decorrente da necessidade que todos nós temos (reconhecendo ou não) de nos encontrarmos com o nosso Criador, mas nenhuma destas conseguiu dividir a História em dois períodos e ser o personagem principal do maior Best Seller já existente, por isso eu fico com ele JESUS e não me deixo influenciar por estes ventos de doutrinas vazias e que são fruto unicamente da imaginação humana completamente falível
  • Luiz César (04.06.2015 | 15.38)
    Flávia, acho que essa birra por querer ser reconhecida como ciência strictu sensu vai cada vez mais nos fazer passar vergonha. A crítica do Carlos Mello reflete uma questão importante - e ele é só um dos muitos que ainda vão escrever sobre isso, aguardemos - e abre espaço para considerarmos algo: a ciência hoje é extremamente rigorosa no que é necessário para reconhecer uma especialidade como sendo ciência. Uma definição de escola filosófico-espiritualista nos caberia muito melhor, tendo seu Mestre, assim como os pitagóricos tinham Pitágoras, a Academia de Platão tinha Platão e o Liceu tinha Aristóteles. Você sendo estudante como eu sabe que a Logosofia não admite a possibilidade de não existir Deus, eu não tenho problema com isso porque acredito na existência de uma Grande Inteligência consubstanciada com o Universo da qual meu espírito é uma centelha, mas negar a possibilidade de alguém ser contrário e considerar isso um engano é contrário ao método científico que pressupões liberdade de opinião, assim como um ateísmo militante também está fora dos propósitos da ciência nos dias de hoje. Por isso a ciência não é teísta nem ateísta, é agnóstica, ou seja, para a ciência a razão não poderá oferecer respostas e enquanto não se tem meios de provar a existência ou não deixemos de lado o assunto, cada um tenha direito a sua opinião, mais ou menos isso. Já a Logosofia não admite questionar certos pontos basilares de sua filosofia, portanto é uma filosofia dogmática, gostemos ou não, possui certos “dogmas” porque são pressupostos inquestionáveis, qualquer estudante de Logosofia sabe que nos estudos dentro da instituição não há o mínimo espaço para tecer uma tese ou argumento contrário em conceitos como esse, a exemplo da necessidade da crença na existência de Deus ainda que não seja o deus das religiões, a existência do espírito imortal que segue evoluindo após a morte física, só para citar dois exemplos de temas que sem aceitar - mesmo tendo nossas convicções pessoais empiricamente não podemos provar - você não pode ser logósofo, mas pode ser cientista. A ciência permite concordar ou discordar da existência de Deus, ciência é liberdade de pensar e busca da verdade, simplesmente a ciência se foca no “como” e deixa de lado o “porquê”, por exemplo, a ciência busca entender como surgiu o Universo ou como se formou a matéria, mas não se fixa na pergunta de “porquê” existe o Universo ou porque existe alguma coisa ao invés do nada, aí entram a filosofia e as religiões. Mas na Logosofia nós não estamos em busca da verdade da mesma forma que os cientistas, este é outro ponto, a verdade já está toda ensinada por Raumsol, admitamos, a nós só cabe buscar entende-la e praticá-la, isso nunca será ciência no meio científico, está na hora de reconhecermos, para mim é a filosofia espiritualista que atende minha busca e prefiro difundí-la desta forma. Assim como você, Flávia, também não acho certo nos chamar de religião ou seita como Carlos Mello fez, mas não estou mais fanatizado em querer afirmar a Logosofia como ciência só porque nosso mestre a intitulou assim. Será que é importante nos fixarmos nessa cruzada por reconhecimento do meio científico? Perguntar não é pecado, afinal, não existe pecado como você mesma diz... Não podemos mais agir como cruzados lutando contra os infiéis da ciência, a ciência estabeleceu e definiu muito bem seu espaço livrando-se das pseudociências, a filosofia retomou o espaço dela e cada dia obtém mais respeito e avança sobre a religião, e nós ao nos mantermos batendo o pé por um reconhecimento de um mero título acabamos perdendo um espaço que nos caberia nesta jornada da cultura humana, e não é impossível que fiquemos para trás.
  • Flavia Santos (02.06.2015 | 10.14)
    Prezado Carlos, Fiquei impressionada com a investigação que você fez para tentar descobrir sobre o que se trata a Logosofia. Mas lamento que seu estudo tenha sido breve, de modo que não lhe permitiu evitar a formulação de conceitos incompletos sobre algo tão grande, que não pode ser abarcado de uma só vez, como você tentou fazer. Por isso as suas críticas sobre aspectos que não conseguiu compreender, levando-o para conclusões negativas sem necessidade. Você fez afirmações correspondentes com a realidade quando disse que a Logosofia não tem orações, ritos ou santos, não é dogmática, não contraria o evolucionismo (claro, pois isso é científico), não utiliza ameaças e temores, busca Deus através do conhecimento, defendendo que a atitude de crer seja substituída pela de saber (pois a crença anula a função de raciocinar). Isso não é o suficiente para perceber que não é uma religião? Por outro lado, você fez afirmações contrárias ao que a Logosofia significa (esses enganos se devem ao fato de você não ser um estudante da ciência, mas apenas um curioso que está falando de algo sem ter se envolvido). Você disse que a Logosofia se autodenomina salvadora, único caminho da redenção humana. Na verdade, o caminho da salvação é o conhecimento e qualquer coisa que forneça conhecimento ao homem, irá ajuda-lo a se redimir. Como a Logosofia ajuda as pessoas a conhecerem a si mesmas (conhecimento de sua psicologia, seus pensamentos, sentimentos, etc.), ela pode ser sim uma auxiliar na evolução, pois a partir desses conhecimentos a pessoa será capaz de modificar sua forma de pensar, sentir, agir, viver, etc., transformando-se em alguém melhor. Mas sem o esforço individual, próprio, nada acontece. Logo, não há milagres, salvação. Todos nós podemos alcançar isso sozinhos. Mas se quiser ajuda, tem. Se não quiser, não precisa ter. Não é obrigatório. Você disse que a Logosofia não explica sobre os pecados já realizados. Mais uma consequência da sua vontade de falar precipitadamente. Se fosse um estudante da ciência, saberia que explica sim. Primeiramente, se fizesse um estudo sério (ao invés de ter feito o estudo com o único propósito de criticar), teria descoberto que para a Logosofia não existe pecado (isso é religioso), mas erros. E a forma de se redimir dos erros é aprendendo, desenvolvendo a virtude que nos permite parar de errar. E quanto mais bem praticarmos, o volume de nossos erros vai diminuindo. Cadê a religiosidade disso? Todas as pessoas, mesmo os ateus, concordam que praticar o bem é melhor do que errar. Daí também se vê o equívoco que você cometeu ao dizer que a Logosofia defende a absolvição dos pecados com o arrependimento. Muito pelo contrário, arrepender-se não é a solução. É preciso se corrigir, um esforço que só a própria pessoa pode fazer por si mesma e mais ninguém. A Logosofia não outorga perdões, ela ensina a cada um perdoar-se perante a sua própria consciência, através do aprendizado que o permitirá não errar mais. Simples assim, sem milagres, sem misticismo. Por fim, você disse que não explicar como será a vida após a morte e como seria viver eternamente com Deus. Mais uma prova de que não é religião e que você não compreendeu nada ao concluir que seja uma seita. Justamente não fala sobre isso porque não quer que os estudantes creiam no que a Logosofia diz. A partir dos conhecimentos dados a respeito do mundo interno, cada um irá encontrando suas respostas, pois esta é a única forma de ensinar sem impor dogmas.
  • João RC (17.04.2015 | 09.11)
    Lendo o depoimento do Jean falando em liberdade de pensar, lembro que mesmo que a logosofia em si possa pregar esse direito a prática é outra haja vista estarem atrás de processar um ex-estudante que criou um blog criticando racionalmente a mesma e sem nenhuma má intenção, apenas por expor sua crítica de forma muito aprofunda, com estudo, investigação, ponderações racionais de problemas vividos e suas causas, etc. Tendo conhecimento ele tirou o véu de imaculada que tantos gostam. Aparentemente um "estranho" como nosso colunista Carlos Mello pode ter sua opinião sobre Logosofia porque no íntimo dos estudantes considera-se superficial e leiga (desculpe Carlos, mas é o que mesmo com falsos elogios pensam de sua crítica na maioria dos casos), não os causa incômodo, é inócua, mas se você sabe demais e expõe uma opinião mais profunda e que toca na ferida... aí a regra é outra. Neste ponto temos de volta a semelhança das religiões que perseguem seus hereges, aqueles que se tornam ameaça por saberem demais passando a questionar valendo-se desta liberdade de pensar, neste ponto Carlos Mello passa a ter motivos para ter a percepção que tem a respeito da mesma. Ser livre-pensador é verdadeiro até que ponto então? Até o ponto em que você, estando lá dentro, não passe a ter ideias próprias e críticas a respeito? Neste ponto estamos nos assemelhando às religiões onde nestas estar no caminho certo é olhar ao redor e ver que está pensando igual a todo mundo, que está agindo igual todo mundo, que não há dialética porque se houvesse isso seria um atentado contra o “ambiente de afeto”, para isso usa-se a palavra do Mestre como escritos sagrados, aqueles que a dominam melhor definem o “magister dixti” então ninguém pode ser atrevido de achar-se capaz de tecer um raciocínio diferente para ser avaliado. Isso é doutrina dogmática.
  • Jean Paulo (12.04.2015 | 22.05)
    Legal Carlos! Um dos principais ensinamentos logosóficos é que o ser humano nasceu com o direito de ser livre. Todo ser humano é um livre pensador e você tem o direito de ter seus próprios pensamentos sobre a Logosofia. No que se refere à minha experiência pessoal, apenas compartilho com todos a felicidade que encontrei ao experimentar a Logosofia em minha vida. Abraços afetuosos.
  • Jose Eduardo M Lara (24.12.2014 | 23.35)
    O colunista deveria se informar melhor, estudando os Livros Logosóficos, antes de emitir sua opinião.
  • bastos (18.10.2014 | 17.37)
    Entendo que a crença bloqueia os canais do entendimento, portanto impedem o ser da liberdade de pensar. Me parece que tentar convencer alguém de que é possível conhecer o que é o Pensamento Universal, é perda de tempo. Lamentável criticar algo que não conheça profundamente.
  • Vanessa (28.09.2014 | 09.43)
    Em resposta a afirmação do Colunista que a ciência atual não considera a existência de Deus, sugiro que leia o artigo da revista Superinteressante, que traz uma abordagem muito instigante sobre o assunto (http://super.abril.com.br/ciencia/deus-existe-441875.shtml). Frente às diversas afirmações do Colunista, gostaria apenas de ressaltar que uma das grandes dificuldades que temos de entender Deus, em minha compreensão, é que o humanizamos. Pré-concebemos que ele deveria ser semelhante física e mentalmente ao ser humano. Por quê? Penso que dessa forma limitamos nossas próprias possibilidades de compreensão. E por não compreender, negamos. Escolhi ter uma postura mais científica frente a esse assunto. Ao mesmo tempo que a ciência não pode provar que Deus existe, ela também se diz incapaz de comprovar sua inexistência. Então compreendo que seria ignorância minha não estar disposta a rever constantemente esse aspecto da vida.
  • José Francisco (28.07.2014 | 11.21)
    Você diz:"Neste conceito as palavras transcendente, espírito e Deus já deixam claro que não tem absolutamente NADA A VER COM CIÊNCIA." Isto significa que você parte de uma ideia preconcebida, ou seja, você é um crente também (rsrs). Outra coisa: vi numa de suas respostas que você pede provas da existência de Deus, uma foto ou outra coisa qualquer. Foto (rsrsrs)? Desculpe, não pude evitar... não poderia ser o velhinho de barbas (rsrs)? Que tal a foto do Sol (rsrs)? Essa é a sua lógica? Que furada, você não acha? Então, quando você se olha no espelho vê o fruto do acaso? É isso, correto? O acaso é a repetição burra dos eventos, não há inteligência nele, certo? Pois bem, o universo é lógico, se não o fosse não poderia ser conhecido, uma vez que tudo pressupõe uma relação de causas e efeitos. Muito bem, só esse fato já descarta o acaso como base da Criação, já que a lógica não é um de seus atributos. Então, por força da própria lógica, HÁ uma Inteligência na base da Criação que se expressa por meio de Suas Leis. Os homens de ciência deveriam, a meu ver, serem um pouco mais cientistas e admitirem ao menos que não sabem se existe ou não um Criador e não atribuírem tudo ao "senhor acaso". Isso os tornaria menos crentes e menos arrogantes. Abraço.
  • Luis Carlos Galofaro Junior (11.03.2014 | 11.24)
    Carlos Mello. Uma das primeiras coisas que aprendemos, e praticamos continuamente, é separar o ser dos pensamentos. O que penso em relação ao seu post, é que alguns pensamentos, governam sua vida, a ponto de escrever sobre Logosofia, sem sequer conhecer o mínimo. Foram radicalmente superficiais. (Eles, você como instrumento). Ou talvez tenham esse propósito mesmo, somente de destruir sem conhecer. Sugiro, que comece a ficar atento a tais pensamentos para que, nos próximos artigos ( e não posts), eles não governem tanto sua vida. Quando escrever algo com profundo conhecimento e eloquência, em que tenha muito da sua verdade, não apenas uma ilustração rasa de pensamentos, peço por gentileza que me convide a ler, ficarei grato, gosto de aprender sempre. A Logosofia é prática, por isso ciência. Só funciona comprovando. E pelo post acima, certamente não praticou nada, apenas teorizou o que não conhece. Mas foi válida a tentativa. Aprendemos a transformar as coisas também. Penso que se uma pessoa se interessar pela Logosofia, através do tráfego do seu blog, já foi muito válido. Por isso resolvi postar, para ampliar o tráfego dele, e, por consequência, da palavra Logosofia. Um grande abraço!
  • Marcelo (01.09.2013 | 01.09)
    Embora conheça apenas um pouco da Logosofia (por leitura de livros), não concordo que o Deus a que a Logosofia se refere possa ser compreendido como um "amigo imaginário de adultos". Ele (o Deus da Logosofia) é, a meu ver (sou ateu, aliás), a lógica universal, a lógica da natureza, e tanto é assim que a mente humana (segundo a Logosofia) é um fragmento da vontade cósmica. E isso é muito diferente do que ensina o Cristianismo e "outras crendices religiosas".
  • Abenides Afonso de Faria (20.08.2013 | 15.32)
    Que tipo de evidência você quer?
  • Abenides Afonso de Faria (20.08.2013 | 15.29)
    Você se acha verdadeiro?
  • oliveira castro (04.07.2013 | 14.40)
    O autor destila um ceticismo referente à negação, ao invés da dúvida. Talvez se aproximando ao fanatismo do tipo, cabeça totalmente fechada. Pergunto: será que ele acredita que o homem foi à lua?
  • Ernesto Kovach (14.04.2013 | 22.48)
    La Logosofia es una ciencia puramente experimental.Su autor afirma, que no hay que creer en ella, sino saber. Por primera vez en la historia humana esta ciencia original nos permite conocer nuestra extructura mental, la definicion de los pensamientos y la importancia que tienen en nuestras vidas. Siguiendo su metodo podemos conocer y neutralizar nuestras deficiencias caracterologicas. La Logosofia es la ciencia del respecto y del afecto.
  • Marcelo Nogueira de Freitas (06.03.2013 | 10.20)
    Negar Deus, apenas com base na opinião da ciência atual, é sim uma crença, que em muitos ateus chega a virar fanatismo, tamanha a intolerancia com os que pensam diferente. E, pelas opiniões reacionária que você expressa no blog, como se fosse o dono da verdade, o juiz do certo e do errado, tem demonstrações claras de que não passa de um fanático. Por outro lado, você diz que logosofia é uma religião apenas porque fala em Deus e espírito. Esse é seu erro, jogar tudo dentro do mesco saco, apenas por usas as mesmas palavras. Um estudante de Logosofia é um investigador da possibilidade de existência de um Criador; da possibilidade de o homem possuir um espírito. Se a sua crença no ateísmo não admite que esses temas possam ser investigados de forma científica, problema seu. Mas não use seu fanatismo para rotular pessoas, entidades ou método de investigação, como se tudo fosse a mesma coisa. Você tira uma frase do site, sem nunca ter um livro sequer, e se considera no direito de emitir opiniões absurdas, que em nada tem a ver com a realidade. Por último quero deixar claro que não estou aqui em nome da Logosofia ou da Entidade. Não estou formalmente estudando esta, ciência sim, por incompatibilidade de tempo. Mas tão logo resolva, estarei de volta. Mas me entristece ver gente vazia criticar o que não conhecem, apenas porque leram uma frase perdida ali e acolá e se crê no dever de escrever artigo. Você é livre para expressar o que quer, afinal vivemos num país democrático e o papel aceita tudo; mas ao menos se aprofunde antes de sair escrevendo asneiras sem fundamento.
  • Shirley Joana Farinon (23.02.2013 | 13.40)
    Sr. Carlos Melo, sua opinião sobre logosofia se resume em dois ensinamentos do próprio autor dessa Ciência, quais sejam: “As verdades, quando o são, não se ocultam nem se impõem; revelam-se à luz da razão, com o objetivo de que o homem tome consciência delas e as use para emancipar-se da ignorância. O que se pretende impor como verdade só tem um fim: escravizar o ente humano, para convertê-lo em instrumento passivo daqueles que exploram sua credulidade.” CIL Par. 115 “O conhecimento amplia a vida. Conhecer é viver uma realidade que a ignorância impede desfrutar.” EL Pág 28
  • Marcelo Nogueira de Freitas (21.02.2013 | 16.59)
    Um ateu é somente um crente ao contrário. Mas o pior é que o ateu acredita que somente o crente é cego.
  • Thiago Silva (21.02.2013 | 15.04)
    Meu caro, se você leu meu comentário deve ter percebido o que falei. Você e os fanáticos são iguais. Você é apenas um fanático no ateismo, somente isso. De resto não vale gastar palavras para falar qualquer coisa a um fanático, seja de que natureza for, pois só escutam suas próprias crenças. Os céticos são os piores fanáticos.
  • Thiago Silva. (18.02.2013 | 17.04)
    Nem foi meu propósito mostrar qualquer evidência. Como você mesmo afirma que não é cientista, carece de conhecimento para dizer o que é e o que não é ciência. Eu que sou cientísta na vida profissional, sei que a prática da Logosofia em minha vida é feita de forma científica, e não preciso demonstrar a você que o que faço é ciência. Outra questão é seu erro de interpretação, próprio de alguem que fala do que não conhece. Como estudante de Logosofia não possuo nenhuma crença em Deus. Mas você já parou para pensar que seu ceticismo com, relação a Deus é uma crença igual as crenças religiosas? o cético e o crente são duas faces de uma mesma moeda. O verdadeiro cientista afirma que Deus é uma hipótese improvável, ao menos para a ciência da atualidade. Improvável não quer dizer impossível. Quantas afirmações da ciência no passado já foram derrubadas por cientistas do presente? Essa será mais uma. Ou você acredita mesmo que só existe aquilo que podemos perceber com os 5 sentidos? Continue acreditando nisso, mas não pretenda impor sua crença aos demais.
  • Thiago Silva (18.02.2013 | 10.31)
    Concordo com a compreensão do Albenides. O autor tem a capacidade de falar do que não sabe e fala um monte de bobagens, com o argumento de que está sendo cientista. Pessoas assim não podem ser levadas a sério, pois são os piores crentes, ou seja, crentes em si mesmo, em sua absoluta ignorância. Mesmo após 2.400 anos de Sócrates ter pronuncioado as sábias palavras: "só sei que nada sei" há milhares que não aprenderam sua lição de humildade e se julgam sabedores de tudo, inclusive para dizer o que é certo e errado. Falta ao autor a humildade dos sábios, que aliás é uma coisa que ele está muito distante.
  • Abenides Afonso de Faria (27.01.2013 | 16.47)
    É admirável a capacidade do articulista de falar do que não conhece. Eu não o recrimino pois a minha primeira impressão foi a mesma de colocar tudo apenas num saco. Passar em frente de uma faculdade de medicina e sair dizendo que la´eles retalham as pessoas é uma atitude pouco recomendável. Fiquei admirado com a capacidade néscia do autor. Por outro lado, parece que o artigo até poderá agir de forma contrária e aguçar a curiosidade para conhecer melhor essa Obra que tão bem faz àqueles que se aproximam dela.
  • Resposta do Colunista:

    Claro que é religião. Pois tem todas as características de seita. Apenas tentaram uma roupagem mais moderna para fugirem dos exagerados e ridículos dogmas tradicionais das demais.

    A palavra do “maestro” não pode ser contrariada, contestada e muito menos pensar a respeito. Isto é comum em todas as seitas, pois elas dependem de fé e não de racionalismo.

     

    Obrigado pela participação Marcelo.

  • Resposta do Colunista:

    Essa é a tua argumentação?

    Não sabia dessa “democracia”. Porque teria que ser somente pessoas indicadas pela seita a falarem dela?

    Na verdade nem as indicadas poderiam criticar alguma coisa.

    Esta era de obscurantismo já terminou, se algo não resistir a criticas é porque não presta, pois não resiste à confrontação com a verdade.

    Melhore os argumentos Gisely, questione o que acreditas, se não puderes questionar, desconfie.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Sirene, eu desconhecia este blog, fui conferir e realmente não me surpreendeu, pois TODAS as religiões não suportam questionamentos, elas não conseguem sobreviver a uma simples pergunta: Prove o que estás falando?

    Elas somente sobrevivem através da fé, que é a vontade de acreditar mesmo sem qualquer evidência.

    Mais uma prova de que esta Logosofia não passa de mais um crendice.

    Obrigado novamente pela colaboração.

  • Resposta do Colunista:

    Claro que é uma seita Sirene, eles tem um site que deixa bem claro seus dogmas e dependência completa de Deus.

    Dizer que Logosofia é uma ciência só eles mesmos que afirmam isso, nenhum cientista de verdade apresentaria estas propostas “logosóficas” para serem estudadas, seriam barradas até pelo porteiro de uma entidade científica.

    Obrigado pela colaboração.

  • Resposta do Colunista:

    Maria Nunes, respeito teu uso de livre arbítrio, não sou contra, até o contrário, se te faz bem tens que seguir, é um direito e até uma obrigação para contigo mesmo.

    Mas respeitar as pessoas é diferente de respeitar as ideias, pois as ciências convivem perfeitamente, e até incentivam, as críticas.

    Se acreditas mesmo que é uma ciência nunca te perguntasse porque NENHUM centro ou revista científica sequer perdeu tempo em verificar algo desta seita?

    Obrigado pelo convite e pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Nós temos necessidade de nos encontrarmos com nosso criador?

    Isso é para quem tem necessidade de ser ovelha, de ter um pastor. Mas não pensam pra que um pastor cuida das suas ovelhas.

    Dividir a história tu quis dizer em antes e depois de Cristo? É apenas uma referência, poderia ser de Thor, Zeus, Apolo, Grande Juju da Montanha e outras centenas. Isto prova absolutamente nada.

    Quanto a ser o maior best seller só mostra que o populacho não é sinônimo de inteligência, o ideal é que os livros educacionais tivesse as maiores tiragens. Se bem que ultimamente a tiragem deste gibi chamado bíblia tem baixado muuuuiiito.

    Obrigado pela participação

  • Resposta do Colunista:

    Luiz Cesar, gostei da tua análise, mesmo não concordando com tudo achei muito racional.

    Na verdade todo ateu é um agnóstico também, pois se algum dia aparecer alguma prova da existência de algum Deus teremos que aceitar, mas até lá a tua colocação está irreparável.

    Obrigado pela inteligente participação.

    Carlos Mello

  • Resposta do Colunista:

    Flavia, não sei o que um “estudante de ciências” diria diferente do que afirmei, até gostaria de saber, mas não de um, mas de um grupo de cientistas ou de alguma revista de prestígio na área científica.

    Primeiro um esclarecimento: Não afirmei que a Logosofia se autodenomina como o único caminho da redenção humana.

    Tambem dizer que para a Logosofia não existe pecado e sim erros e que a forma de se redimir dos erros é aprendendo, desenvolvendo a virtude que nos permite parar de errar. E quanto mais bem praticarmos, o volume de nossos erros vai diminuindo.

    Isto é apenas uma forma de “interpretar”, pois pecado se não é um acerto só pode ser um erro. Fugir disso já tem que ser “interpretado”, que na verdade é uma “forçada” para alguma definição conveniente. Também essa de diminuir erros é desenvolvendo a virtude é somente mais uma mal explicada forma de dizer que um criminoso vai parando de matar enquanto desenvolve alguma virtude. Ora, se é erro ou pecado, tem que parar na hora. E como ficam as pessoas prejudicadas pelos erros? Assim toda tua explicação é sempre dependente de alguma explicação pessoal ou de alguém “autorizado”. No site não existe qualquer explicação clara, sempre diz para “entrar em contato” para receber maiores explicações.

    Também de não explicar a vida depois da morte NADA TEM no site, agora tu estás dando uma “explicação”.

    Então porque não coloca de forma clara para ser entendido. Se só a partir “... dos conhecimentos dados a respeito do mundo interno, cada um irá encontrando suas respostas”. Então existem respostas? Se não colocam explicitamente só existe uma explicação: Estas “descobertas” tem ser feitas via lavagem cerebral, senão é considerar que as pessoas interessadas tenham problemas mentais que não possam entender e “interpretar” algo.

    Imagina se ciência fosse assim, que dependesse de entrar em contato com alguém para interpretar uma lei da física por exemplo, e que a descoberta desta lei deveria ser baseada a respeito de cada um no seu mundo interno e por isto não precisa dar explicações objetivas.

    Obrigado pela participação.

    Carlos Mello

  • Resposta do Colunista:

    João, concordo contigo, também defendo a dialética em qualquer assunto. Por isto sou contra ambientes hermeticamente fechados a críticas como as religiões pretendem e até conseguiram na base do terror ainda à alguns séculos.

    Atualmente o pessoal mais culto da população não aceita o que é ensinado sem questionar, este é o motivo de as religiões estarem finalmente deixando de ser importantes para a humanidade.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Carlos, se esta filosofia te faz bem, segue em frente.

    Se algo ajuda em alguma coisa não tens que mudar por causa de alguma opiniãozinha.

    Abraço e felicidades. 

  • Resposta do Colunista:

    José Lara, eu realmente não li vários livros sobre logosofia, mas li com atenção os conceitos onde se auto intitula com uma “nova ciência”, li sobre a vida do autor, sobre os objetivos, seus métodos, mas não li nenhum livro do autor Carlos Pecotche.

    Mas também não li nenhum do Pato Donald, do Super Homem, Boi Tatá, Saci Pererê, Mula sem cabeça, Lobisomens, etc para saber do que se trata.

    O que li é suficiente para afirmar que é mais uma crendice, se não for assim que apresente uma tese ou teoria a respeito provando ou trazendo alguma evidência de que Deus é o Supremo Criador da Ciência e fonte permanente de todas as inspirações humanas.

    Este conceito é um delírio, coisa que só com fé mesmo para acreditar, mas nada a ver com qualquer conceito científico.

     

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Jackson Bastos, se esta “ciência” é verdadeira mesmo, então porque não apresentam este “Pensamento Universal” para um grupo ou revista científica para ver se aprovam?

    Se algum grupo cientifico aceitar os “conhecimentos de natureza transcendente” e comprovarem qualquer verdade não haveria mais dúvidas, mas se não for assim, qualquer hipótese pode ser uma farsa. E esta Logosofia não passou por nenhum critério científico.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Vanessa, Ví a reportagem que indicastes, ela só tenta colocar dúvidas como se fossem impossibilidades científicas. O que discordo, a ciência não vai perder tempo com crendices sem nenhuma evidência, se quiser interpretrar isto como impossibilidade de provar a inexistência de Deus, então também podemos dizer que a ciência não consegue provar a inexistência do Pato Donald, Super Homem, Papai Noel, etc.

    A verdade é que os cientistas não perdem tempo com isto.

     

    Quanto a preconcepção de Deus em ser semelhante ao homem. Isto está lá no livro sagrado dos cristãos, confere em Gênesis 1,26: Então Deus disse: "façamos o homem á nossa imagem e semelhança"

     

    Elogiável a tua disposição em rever constantemente os aspectos da vida. Se continuares assim, vais virar ateia, como todos os seres pensantes.

     

    Muito obrigado pela participação. Sempre serás bem-vinda.

     

  • Resposta do Colunista:

    Jose Francisco, sobre eu ser crente, só se for no sentido de acreditar em algo, mas nada a ver com crendices ilusionistas religiosas.

    Qualquer pedido de prova da existência deste fantasma imaginário chamado Deus vai sempre considerada uma “furada” pelos crentes (usando tuas mesma palavras), já que não existe NENHUMA.

    Eu me olhando no espelho sou fruto de uma evolução que partiu do acaso, isto é o que a ciência me diz atualmente, mas esta ciência está disposta a ouvir qualquer outra teoria, ou se alguém mostrar um erro, um errinho qualquer, já seria motivo para descartar toda uma teoria.

    E o acaso não é repetição burra ou inteligente, e nem o universo é lógico como afirmas, sequer é estabilizado, pois está em permanente alteração. De qualquer forma os cientistas não possuem todas as respostas, quem tem estas respostas, embora absurdas, são as religiões, e a ciência não tem todas as respostas exatamente porque para isto é exigido EVIDÊNCIAS, e religiões fogem de apresentar alguma.

     

    Mas se os crentes acreditam que existe alguma evidência da existência de alguma inteligência na base da criação porque não apresentam isto a uma banca de cientistas? 

    Podem tentar alguma teoria sobre de como essa inteligência se formou.

    Se tiverem algo melhor que superstições a ciência apoiará. Tentem.

     

    Obrigado pela participação

  • Resposta do Colunista:

    Luis Carlos,  qualquer coisa que coloque o personagem deus no meio jamais será ciência. Não tem como conciliar crendices com ciência.

    Mas se achas que é uma ciência mesmo assim, tenta apresentar para uma banca de cientistas ou numa revista científica para veres a reação.

    Logosofia é fé, que é um tipo de filosofia, nada a ver com ciência que cria sistemas, máquinas, descobre remédios, pesquisa invenções, desmistifica mistérios, etc.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Marcelo, tu deves ser agnóstico, no máximo, se fosses realmente ateu jamais escreverias entre aspas os termos "amigo imaginário de adultos” e “outras crendices religiosas” .

    Por acaso não é um amigo imaginário? Tens alguma dúvida de que seja real? Achas que crenças é diferente de crendices? Os crentes é que dizem que acreditar em Deus é uma crença e acreditar em outros deuses são crendices, é risível.

     

    Discordo dessa crendice (logosofia) de que a lógica da natureza e universal seja um Deus.

    Porque a necessidade de atribuir a uma figura mística? Um Deus? Fora a parte semântica de tentar substituir uma palavra por outra como Natureza por Deus, isto parece birra de criança de tão infantil.

     

    Concordo que esse Deus apregoado pela Logosofia seja bem diferente do Deus cristão. Nisso não há a menor dúvida. Para quem quer acreditar em algum Deus este é mais uma opção.

  • Resposta do Colunista:

    Abenides, me fizesse duas perguntas:

    Qual evidencia você quer?

    Você se acha verdadeiro?

    Tu deves estar se referindo a evidência da existência de Deus.

    QUALQUER EVIDÊNCIA COMPROVÁVEL, qualquer mesmo. Hoje em dia está bem fácil de comprovar, uma foto, uma gravação de sua voz, o ideal seria um aparecimento básico. Há um mês foi realizado um encontro da juventude mundial no Rio em que, pelas contas da organização, apareceram Três Milhões de crentes, e Deus poderia ter tido alguma consideração e ter finalmente aparecido, mas, que eu saiba não apareceu para NENHUM dos milhões.

    Se tiveres alguma apresenta. Seria uma revolução completa, ganharias todos os prêmios possíveis existentes e acabaria de vez com todos os tipos de dúvidas da humanidade, cessaria todos os investimentos em ciência, já que provaria que não seria necessária porque Deus teria todas as respostas.

    Para isto é só mostrar qualquer evidenciazinha.

    Até não entendo porque não mostraram antes. (na verdade entendo sim)

     

    O mesmo vale para os milagres.

     

    Se me acho verdadeiro:

    Todos e tudo que existe é verdadeiro, só não é verdadeiro algumas coisas que imaginamos, Deus é um exemplo.

    Desculpa mas não entendi bem a pergunta.

     

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:

    Oliveira Castro, porque não apontas um erro no que falei?

    Porque não mostras UM MILAGRE realizado e COMPROVADO?

    Não tenho a cabeça fechada, pois se me mostrares uma comprovação, QUALQUER UMA, da existência de um ser que vocês adoram eu mudo na hora. QUALQUER prova, pode ser uma foto, uma gravação, um aparecimento, um vídeo ou qualquer sinal divino.

    Porque eu não acreditaria que o homem foi à lua?

    Astronautas, tecnologia, a lua, naves espaciais. Isto tudo existe. NENHUMA DÚVIDA disso.

    Aliás Deus castigou toda a humanidade (ele adora castigar) por tentarem construir uma torre de uns 200 metros de altura porque poderiam alcançar o céu e as naves foram a milhões de metros de altura e Deus não apareceu.

    Pensas a respeito do que te ensinaram.

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Ernesto, a minha crítica é de apresentar a logosofia, que é só mais uma crendice religiosa, como se fosse uma ciência.
    Se é ciência porque não se sujeitar ao método científico e colocar os resultados de suas pesquisas numa revista da ciência e enfrentar as criticas que qualquer teoria racional tem que passar?
    Poder ser uma filosofia, até interessante, mas nunca uma ciência.
    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Marcelo, nego a existência de Deus não só com base na ciência atual, se a Logosofia tiver uma ciência melhor que nos apresente, mas pelo exagerado ridículo da invenção desse amigo imaginário para adultos.
    Logosofia se não é uma religião é o que? Pois prega a existência de um criador, diz que estuda e investiga a existência desse criador. Que tipo de investigação ou estudo fazem? Rezam? Se fosse algo de se levar a sério se sujeitariam a um método científico e provariam o resultado desse estudo, publicariam numa revista cientifica e já ganhariam todos os prêmios Nobel que existissem. Claro que NUNCA vão fazer isto porque no fundo sabem que não conseguem, por simples impossibilidade, pois acreditam sem ter a menor evidencia de NADA.
    Acreditar pela fé é simplesmente aceitar o que se quer acreditar, sem qualquer lógica, ou seja, mais uma crendice.
     

  • Resposta do Colunista:

     Shirley. Ensinamento perfeito. Muito bom.
    Se fosse na idade das trevas ele seria queimado vivo por isto.
    Parabéns pela escolha do pensamento.
    Obrigado.

  • Resposta do Colunista:

     É uma opinião, apesar de eu discordar. Concordo que tem ateus cegos, mas os religiosos TODOS são cegos.

  • Resposta do Colunista:

     Thiago, discordo. Ateus fanáticos por ensinar NADA? Dizer que não existe nada a ser adorado? Sem qualquer dogma, livro sagrado, alguma missão, igrejas, etc?
    O que existe são ateus radicais, geralmente são mais fanáticos quanto mais tempo perderam acreditando nas superstições ou de grupos que foram, e ainda são, perseguidos pelos religiosos.
    Também discordo de os céticos sejam os piores fanáticos, pois são os que mais leem, escutam e pesquisam.
    Mas não precisamos ter as mesmas opiniões.

    Obrigado

  • Resposta do Colunista:

    Thiago, discordo de tenha que ser cientista para afirmar que alguma coisa não é cientifica, para isto existem os cientistas, e nenhum grupo deles provou qualquer evidencia da existência de espíritos. Alem disso o que é ciência se aprende nos primeiros anos escolares e crendices nos primeiros anos de vida, e de forma obrigatória, então não é difícil diferenciá-las.
    Se és cientista como afirmas e não tens crença em Deus então não lestes a definição desta seita que defendes, pois é bem clara ao afirmar que “... é uma ciência nova, que revela conhecimentos de natureza transcendente e concede ao ESPÍRITO humano a prerrogativa de reinar na vida do ser que anima. Conduz o homem ao conhecimento de si mesmo, de DEUS, do Universo e de suas leis eternas.” http://www.logosofia.org.br/
    Ou seja: Acredita na suposição da existência de um cara mágico, invisível, misterioso e ainda por cima que se esconde e também em espírito. Nada científico.

    Quanto a afirmação de que o cético e o crente são duas faces de uma mesma moeda, é só conferir em qualquer dicionário o que significam para se notar a diferença.

    Também sobre o verdadeiro cientista ser o que afirma que Deus é uma hipótese improvável. Também não concordo, até acho que o verdadeiro cientista nem considera uma hipótese tão absurda, pois ele segue um método em que constrói uma hipótese, testa, avalia, reavalia, põe à prova, até que seja aceita como não necessariamente verdadeira, mas válida e útil. Alem disso, esta hipótese está a disposição de críticas de todos os cientistas e praticamente solicita que mostrem se não está correta. As seitas são exatamente o contrário, nunca ouvi falar de que uma hipótese tenha enfurecido algum cientista por ser criticada.

    Ainda sobre se acredito que só existe o que podemos perceber com os 5 sentidos. NUNCA afirmei esse absurdo, nem vou discutir por essa razão.

    E por último: Não pretendo impor minha crença, até porque não tenho nenhuma, não sou contra placebos e ilusões, principalmente se podem trazer algum beneficio ou se algumas pessoas gostam de se enganar. Quem impõe crenças são as religiões que fazem lavagem cerebral em crianças, estão em todos os melhores pontos de todas as cidades, tem símbolos em prédios públicos, na moeda, tem jornais, televisões, colégios, universidades, milhões de igrejas e tudo para servir a “um nada”, no máximo uma suposição infantil. Por isto só não abro mão de expor os absurdos que tanto males essas seitas, através de suas ilusões, fizeram ainda fazem à humanidade.

  • Resposta do Colunista:

    Thiago, a tua crítica às minhas “bobagens” não trouxe NENHUMA EVIDENCIA de que são realmente bobagens e que esta nova religião não é apenas mais uma seita que acredita na infantilidade da existência de um amigo invisível que mora num lugar misterioso e que está esperando para, quando alguém morrer, ir passar a eternidade num Paraíso.
    Também não me apresento como cientista, sou apenas um cético. Na verdade esta seita chamada Logosofia é que se auto define como uma ciência e na verdade não tem qualquer relacionamento com o universo cientifico.

  • Resposta do Colunista:

     Abenides, se um grupo de cientistas aceitar este conjunto de conceitos como ciência, eu mudaria de opinião.
    Mas antes disso não precisa ser entendido em ciências para ver que e Logosofia é só mais uma religião entre as centenas que já existem, com alguns diferenciais, mas com as mesmas características de promessa de vida depois da morte sem explicar como seria esta vida, tem que ter “orientação”, concede perdão pelos pecados pretéritos sem precisar pagar pelos erros cometidos e é claro que não apresentam NENHUMA evidencia do que afirmam.
    Quanto a esta “obra” fazer bem aos que se aproxima dela, isto é ótimo, que continuem, se uma coisa faz bem não se deve parar de segui-la. Quanto as ser verdadeira é outro assunto.

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 19.05

  • Dia da Bem-aventurada Maria Bernarda Bütler
  • Dia de Santo Ivo (Padroeiro dos Advogados)
  • Dia do Defensor Público
  • Dia do Físico
  • Dia dos Acadêmicos do Direito