Últimas notícias

Colunistas

RSS
Médicos Cubanos.

Carlos Mello

10.07.2013

Médicos Cubanos.

A possibilidade de acontecer uma “importação” de médicos tem provocado discussões corporativistas dos Conselhos de Medicina e populistas por parte do governo pensando em algum retorno político.

Primeiramente acho que as críticas feitas pelos Médicos e Conselhos de Medicina são tão exageradamente corporativistas que chegam a obscurecer alguns de seus bons argumentos. Usam raciocínios que qualquer outro conselho como OAB, CREA, CRC e outras centenas usariam para defender sua área de atuação. A medicina é uma prestação de serviços, uma atividade comercial como qualquer outra, se não puder pagar não se é atendido. Isto independe de opinião, é uma realidade.

Esse corporativismo inclui disseminar a ideia de que opinar sobre o assunto deve ser exclusividade dos médicos, isto é uma demonstração de arrogância, como se somente eles possuem o dom de saber as necessidades da população.

Quem deveria dizer se é necessário ou não são os que estão nas filas do SUS ou aguardando meses por uma consulta ou morando em lugares onde não tem qualquer atendimento e não os que tem algum interesse no assunto.

Os Conselhos seguramente tem razão quando afirmam que a qualidade dos cubanos deve ser baixa e a solução da saúde não é a falta de profissionais e sim as condições de trabalho, a falta de leitos nos hospitais, a falta de estrutura para fazer procedimentos cirúrgicos e até a falta de ambulatórios para um atendimento de qualidade e ainda a falta de medicamento nos postos de Saúde das periferias.

Logico que os médicos cubanos, ou de outras nacionalidades, devem ter uma baixa qualidade, Hugo Chaves é um bom exemplo. Eles não virão para atender a burguesia esquerdista ou políticos e sim os desabrigados de atendimento que não moram próximo a grandes centros. Ou seja: Um atendimento de segunda é sempre melhor que nenhum atendimento ou as “consultas” feitas junto aos balconistas das farmácias. Então pessoas com uma formação médica, mesmo que não seja de primeira qualidade, logicamente que vai ser melhor.

Quanto a falta de condições estruturais, essas vão continuar por muito tempo, mas muitas pessoas necessitem somente de uma orientação, saber como evitar uma doença e nisto estes médicos de fora poderão ajudar.

Outra coisa que é um mito é a propalada preocupação dos médicos com a saúde da população, se isto fosse verdade há muito tempo já teriam cuidado para ensinar seu pessoal a escrever ou obrigar a fazerem receitas legíveis, o que seria muito mais seguro para todos, porque algumas são atestados de analfabetismo, mostrando uma imensa desconsideração com os clientes. Obviamente que não são todos, alguns até emitem as receitas por computador, perfeitas.

Outro detalhe que mostra que inexiste preocupação com a saúde pública por parte dos conselhos de médicos é assistir todos os dias, em todos os canais de divulgação uma imensa quantidade de “curas” de doenças através de médiuns, pastores, padres, espíritas e milhares de instituições religiosas que mantém hospitais pentecostais, Centros de reabilitação de tumores, Centros de curas espíritas, tipo "Joao de Deus", onde verdadeiros criminosos estelionatários vivem de fraudes usando o nome da medicina para extorquirem os desavisados.

Nunca vi qualquer conselho de medicina desmascarar ou mesmo fazer qualquer denúncia destas fraudes curandeiras que são infinitamente mais perniciosas e falsas que os atendimentos que estrangeiros possam fazer. Ao contrário, assistem a disseminação e até capitalizam como dias atrás um médico bigodudo que se apresentou num programa Gospel representando o Conselho Federal de Medicina, do qual é presidente, dizendo que "milagres de cura de deficientes físicos, pelo sobrenatural religioso, é possível de ser constatado e provado”.  Como pode um Conselho oriundo de meios científicos endossar tamanha besteira? Não custa lembrar que NUNCA existiu sequer UM CASO real, comprovado e assinado por laudos periciais.

Também é contraditório as entidades médicas daqui do RS fazerem suas propagandas em rádios e televisões usando insistentemente o slogan : “Não se faz saúde sem médicos”, mas se posicionam contra a vinda de mais médicos.

Os Conselhos de Medicina em vez de lutarem por reserva de mercado, deveriam se preocupar com sua liberdade ameaçada pelo governo que quer impor uma obrigatoriedade de os formandos dos cursos de medicina terem que trabalhar dois anos no SUS para poderem obter o Diploma. Se for para voltar a escravidão então deveriam iniciar obrigando os políticos a viverem por dois anos com salário mínimo antes de se diplomarem. Pronto, estaria resolvido o problema do Brasil.

Claro que os bons médicos brasileiros não devem temer a chegada desses outros profissionais da saúde, pois sabem e confiam na sua melhor qualidade profissional, não vejo motivo para sentirem-se ameaçados.

O governo sabe que existe carência de profissionais, só os conselhos dizem o contrário, então espertamente tenta capitalizar algum lucro nas eleições lançando esta contratação de estrangeiros.

Como o atual governo brasileiro tem um viés no anacrônico socialismo, existe o temor de que estes milhares de profissionais possam ser um “Cavalo de Troia” moderno para uma revolução bolivariana trazendo entre reais profissionais muitos pseudso-médicos para fazerem proselitismo. E argumentam mostrando que os brasileiros que foram estudar em Cuba foram indicados por movimentos de criminosos aliados do governo como o MST e outros. Também existe alguma lógica em lembrar que o totalitarismo cubano começou, justamente, nas periferias e regiões carentes, que são lugares estrategicamente bons para iniciar alguma movimentação, pois são povoados por pessoas ignorantes, carentes e passíveis de sofrerem alguma lavagem cerebral, assim como ocorreu na Sierra Maestra.

De qualquer forma a conta governamental mais parece uma farsa, pois os números não são confiáveis. Vejam porque:

Existem apenas DUAS Universidades de Medicina em Cuba: “La Habana” que forma em torno de 200 por ano e a “ELAM - Escuela Latino Americana de Medicina” que forma em média 100 por ano, ou seja: são 300 formados por ano. Para ter seis mil disponíveis seria a formação de 20 anos. É incompreensível que existam tantos médicos sobrando.

Eu como usuário particular dos serviços médicos vou optar sempre pela qualidade dos nossos profissionais, não pretendo usar nunca algum estrangeiro trabalhando aqui, principalmente cubanos, mas não tenho absolutamente nada contra sua vinda.


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • João de Deus (11.07.2013 | 16.39)
    Caro colunista Carlos, prefiro que comentes sobre as religiões porque concordo com todas as tuas opiniões. De outros assuntos discordo bastante. Não entendi se discordas ou não com a vinda de mais médicos. Porque achas que os médicos cubanos são inferiores aos daqui? Porque citastes o movimento MST como quem vai receber estes médicos? Por acaso o MST mereceria médicos de segunda como dissestes? Sabias que maior número de ateus é entre os esquerdistas? Em Cuba o ateísmo deve ser a confissão da maioria. Tenho certeza que nenhum médico cubano apoiaria milagres de curandeiros como os daqui que fazem "vista grossa" e até apoiam "curas".
  • Maria (10.07.2013 | 11.55)
    Que faltam médicos até os postes de rua sabem disso, só alguns médicos fazem que não veem o óbvio. Não são todos, os mais competentes não irão reclamar. Deviam pensar também na população desdentada, que é a maioria. Não tenho nenhuma dúvida de que os que vierem serão de segunda categoria, mas como tu dissesses “...atendimento de segunda é sempre melhor que nenhum atendimento.” Só sou contra virem de Cuba, é um País que sempre quis intrometer-se nos assuntos internos, influenciar e tudo para piorar ou criar divisões. Vai ser muito ruim ver esses caras descerem com a camisa do Guevara. Este vídeo mostra porque os de Cuba são perigosos: https://www.youtube.com/watch?v=l1JyKgo0lDc Fora isso, virem de Cuba, esta é uma das poucas coisas que o governo vai acertar.
  • Alberto Muller (10.07.2013 | 09.35)
    Muito bom. Gostei. Só os médicos estão gritando porque estão vendo seu monopólio se esfacelar. É lógico que faltam médicos, e não é só nos rincões longe dos grandes centros urbanos, falta em todo lugar. Não gosto das ações desse desgoverno, mas nisso eles tem razão, tem que enfrentar o corporativismo comercial dos médicos. Deviam começar a trazer anestesistas, já que os daqui se fazem de difíceis, querem cobrar por fora e sem darem nota, eu mesmo já fui pressionado por eles. Quem tem que dizer se faltam médicos não deve ser limitado aos que estão nas filas do SUS e sim o mercado. Se os médicos não acreditam nas leis do mercado deviam ir para um País socialista, porque em outros, quando falta alguma coisa a solução natural é importar mesmo. É uma pena que o governo pensou logo nos piores, que são os cubanos.
  • Resposta do Colunista:

    João, vou responder por partes, conforme tuas colocações.

    Eu concordo com a vinda médicos sim, mas minha opiniãozinha não interessa, quem deveria opinar são os que estão sem assistência alguma e que talvez somente uma consulta ajude. Se precisar de hospitalização ou algum outro procedimento então não vai adiantar, mas possivelmente somente tendo quem consultar já ajude a diminuir a pressão por atendimento.

    Eu acho que os médicos cubanos devem ser de qualidade inferior aos nossos simplesmente por lógica, não entendo nada de medicina para dar uma opinião técnica. Se esse pessoal brasileiro que estuda ou estudou lá tivessem competência eles teriam passado no vestibular e estudado aqui no Brasil, sei que não tem vagas para todos que querem e que são qualificados, mas ser indicado pelo MST e partidos políticos e irem estudar num País que dá preferencia a ideologia é uma comprovação de incompetência. É o mesmo que entrar por cotas em uma Universidade.

    Se o MST merece médicos de segunda categoria:

    Pois João, sinceramente acho que merecem. Essas gangs não se dão conta que os seus chefes estão nos melhores hospitais do mundo, indo com jatos executivos do governo com as contas também pagas pelos contribuintes, estão encabeçando a maior corrupção da historia republicana brasileira, e não pensam que estão sendo enrolados recebendo tudo de segunda categoria só para poderem aterrorizar sem serem importunados. Eles tem que receber os que eles mesmo indicaram para irem estudar no Paraíso cubano.

    Sobre o número de ateus ser maior entre os esquerdistas, eu não tenho como confirmar isto. Mas não vejo qualquer relação entre esquerdismo e religiosidade.

    Quanto a maioria dos cubanos seguirem a confissão atéia:

    Primeiro uma correção: Ateísmo não é crença, então não existe uma confissão ateia como catolicismo, islamismo, luterana, etc.

    Desconheço o percentual do ateísmo em Cuba, não sei que fontes tu tens, mas eu tinha ideia que a maioria dos cubanos praticasse muito sincretismo religioso usando raízes africanas.

    Quanto a certeza de que nenhum médico cubano apoiaria milagres de curandeiros, eu também não garantiria isso. De qualquer forma os daqui que apoiam estes curandeirismos deve ser uma minoria entre médicos. Acho muito mais preocupante o silencio da maioria dos profissionais da saúde assistirem a propagação de curas de todas as doenças pelos religiosos e não se manifestarem como se não fosse um prejuízo contra a saúde publica, inclusive mental. Isto sim que considero atendimento de quinta categoria e nenhum conselho ou governo se preocupa com estes estelionatos celestiais.

    Obrigado Joao pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Maria, concordo que não deviam ser cubanos, se chegarem com camisas do incompetente Guevara já seria um proselitismo. Para isto as cabeças pensantes do Brasil tem que tomar cuidado.

    O vídeo que apontasse é bem preocupante, tem até uma frase de uma estudante que diz “... quero levar este sementinha revolucionaria para o Brasil ...

    Obrigado pela participação.

  • Resposta do Colunista:

    Alberto, também acho que faltam sim. Bem lembrado do grupo de anestesistas que tem um lobby próprio dentro da classe médica.

    As leis de mercado não funcionam quando o mercado é fechado como a prestação de serviços médicos, existem leis, interesses, corporativismo e toda sorte de dificuldades até para se criar novas faculdades.

    Também concordo que deveriam pensar em trazer de outros lugares, menos Cuba. Mas o governo quer trazer de volta os médicos padrão MST que foram estudar medicina doutrinária bolivariana.

     

    Obrigado pela participação.

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 13.08

  • Dia de Santo Hipólito
  • Dia do Anjo Vehuiah
  • Dia do Azar
  • Dia do Economista
  • Dia dos Encarcerados
  • Dia Internacional dos Canhotos