Últimas notícias

Colunistas

RSS
Pesquisas eleitorais são fraudes que influenciam.

Carlos Mello

20.08.2014

Pesquisas eleitorais são fraudes que influenciam.

Infelizmente as pesquisas eleitorais influenciam bastante. Elas são uma intensa propaganda eleitoral dirigida de forma apologética para alguns candidatos e assim acabam fabricando forçadas maiorias.

Como a massa eleitoral brasileira é ignorante e influenciável, acaba se orientando pelas pesquisas e termina dirigindo seu voto para quem está na frente, é o chamado voto útil.

Mas poucos se dão conta de como são realizadas estas pesquisas, quem paga, e sob quais critérios são realizadas.

Existem métodos científicos que, pelo menos teoricamente, devem ser seguidos numa pesquisa, como por exemplo, o cálculo do tamanho mínimo da amostra, a coleta de dados conforme plano amostral, a margem de erro, a segmentação dos entrevistados, etc.

Mas ocorre que estamos numa época com um imenso arsenal tecnológico disponível e, apesar disto, é utilizada uma metodologia de pesquisa à moda antiga, o que restringe de forma comprometedora os resultados devido ao ínfimo tamanho da amostra.

Para terem uma ideia do absurdo, por melhor e mais correto método que se utilize, como poderia uma amostra de aproximadamente duas mil pessoas (média utilizada nas pesquisas), supostamente entrevistadas, poderia mostrar a vontade de Cento e Cinquenta Milhões de eleitores brasileiros?

Para refletir melhor:

Número de eleitores no Brasil são aproximadamente 150.000.000

Ouvidas 2.000 pessoas (uma suposição)

2.000 / 150.000.000 = 0,0000133 ou 0,0013%. Que é muitíssimo insignificante se comparado ao número total de eleitores.

Isto é representativo? Como se pode chegar ao índice de mais de 90% de confiança como apregoam?

Para terem uma ideia mais didática basta pensar que 2.000 pessoas não chega sequer a dar uma pessoa por município, que atualmente no Brasil são em torno de 5.000.

Ou seja: Se a mostra fosse de 5.000 pessoas, e não 2.000 como utilizadas, isto daria uma pessoa por município para dizerem qual a tendência de uma eleição nacional.

Isto é uma impossibilidade.

Se compararmos com uma enquete qualquer feita na Internet, o número de pesquisados chega fácil a mais de 50.000 pessoas e certamente os resultados seriam diferentes. Mas estranhamente estas são proibidas. Por quê? Medo da verdade?

Sem contar que estas pesquisas são encomendadas e logicamente devem ser influenciadas pelos interesses de quem pagou.

Para a lisura do processo eleitoral não deveriam ser permitidas pesquisas eleitorais simplesmente porque são fraudes.


Tags: Carlos Mello, artigo


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

  • Dimas Siggia (15.09.2014 | 15.14)
    Totalmente de acordo! Tenho 68 anos de idade e, em toda a minha vida, jamais participei de uma pesquisa eleitoral...
  • Resposta do Colunista:

    Dimas Siggia

    Eu tenho 65 e também nunca vi um pesquisador.

    Estas pesquisas são picaretagem que infelizmente influenciam.

    Acho que não deviam ser permitidas.

    Obrigado pela participação.

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 13.08

  • Dia de Santo Hipólito
  • Dia do Anjo Vehuiah
  • Dia do Azar
  • Dia do Economista
  • Dia dos Encarcerados
  • Dia Internacional dos Canhotos