Últimas notícias

Colunistas

RSS
Eleições 2018

Carlos Mello

02.10.2018

Eleições 2018

Como em época de eleições não se pode fazer propaganda de algum candidato sem correr o risco de pedirem direito de resposta, então, por bom senso, vou seguir o determinado e somente expor os critérios para minha opção eleitoral.

Primeiramente coisa que não farei:

- Não votarei de maneira alguma em uma figura que sequer tem personalidade e serve de “poste” recebendo ordens de dentro de uma cadeia. Igual ao PCC

- Não votarei em partido que venceu as eleições de 2002; 2006; 2010 e 2014 e agora, em 2018 diz querer vencer para tirar o brasil do buraco. Só mesmo sendo retardado para acreditar nesse conto.

Não votarei em algum ex-ministro de corrupto. Nesta eleição tem quatro: Um ex da economia; Um “coroné” nordestino; Uma “Virgem das florestas” e um poste.

- Não votarei em quem apoia criminosos e terroristas como MST, MTST, UNE, CUT, ONGs, Sindicatos pelegos. Que estão quietos para enganar a sociedade, somente aguardando o sinal verde da impunidade para voltarem a receber verbas e então retornarem às suas barbáries de greves, bloqueios de estradas, queimação de pneus, invasões de propriedades, depredações, destruições de áreas rurais, confrontos com a polícia, intimidações, assassinatos, facadas, uso de Black blocs mascarados, etc. Ou acham que estes criminosos viraram bonzinhos, coincidentemente em época de eleições?

Claro que não, até mesmo porque não existe alforria para a escravidão voluntária que eles adotaram.

- Não votarei em quem não tem apreço pela democracia como demostraram quando, de forma autoritária, impuseram um desarmamento socialista à sociedade civil e, quando a ideia foi rechaçada, eles, de forma completamente antirrepublicana, não aceitaram a derrota que lhes foi imposta.

- Não votarei em que usa como exemplos a serem seguidos, os mais atrasados países do mundo, como Venezuela, Cuba, Bolivia, etc.

- Não votarei em quem apoia grupos ou países terroristas como Foro de São Paulo; Hamas, Palestinos, Irã, e outros.

- Não votarei em que entregou dinheiro arrecadado de impostos para doar a ditaduras companheiras de esquerda no terceiro mundo.

Infelizmente não existe um bom candidato, o que existe é o menos pior, ou o mais necessário para o momento.

Por isto minha opção é para quem olha como exemplo o primeiro mundo, as democracias. E que tenha estas características:

- Que seja odiado pelos Esquerdistas; Mídia em geral; Bandidos; Black Blocs, MST, MTST, UNE, CUT, ONGs e Sindicatos pelegos. Porque isto é sinal de que é um bom sujeito.

-  Que seja contra o ditatorial desarmamento socialista

- Que não seja corrupto
- Que seja abominado por militantes que, em público, mijam, defecam, cospem, ficam nus e enfiam crucifixo no rabo.

- Seja a favor da meritocracia e contra as cotas raciais e ainda do fim da ideologização nas escolas.

Essa figura, que acho a melhor escolha nessa eleição de 2018, não é perfeita nem vai ser um libertador dos países da América Portuguesa como um Simon Bolívar foi para a América Espanhola. Mas ele certamente vai resolver muita coisa. Só em não piorar e parar de irmos de encontro a selvageria, já é uma boa opção.

Eu, como ateu, teria mais um motivo para não gostar de quem ridiculamente usa a medieval frase: “Pato Donald acima do tudo”, quer dizer: “Deus acima de tudo”, (dá no mesmo) como se fosse governar somente para os crentes.

Apesar de achar que estas superstições deveriam ser de foro íntimo, isto não me incomoda. E depois, quase todos os políticos tem suas crendices.

Então como VOTO ÚTIL, que dadas as condições atuais é a opção mais inteligente. Voto #Ele Sim.

Isto porque quando vejo quem é contra Ele mais me convenço de que ele é o que precisamos.

Quando me perguntam como posso gostar de um homofóbico, crente, nazista, fascista, racista. Que vou me arrepender e “cair do cavalo”, que “#Ele Não”.

Respondo que existe esta possibilidade, mas prefiro assim do que ter o cavalo roubado e é melhor o risco da incerteza do que a certeza do cadafalso.

Mas ele não é nada disso, é uma mentira repetida pelo chorume da raça humana. Até mesmo porque quem fala essa decoreba não tem noção do que seja nazismo e fascismo.

Mas mesmo que fosse, eu não preciso gostar dele.

Quero que ele faça um bom governo e nos livre de virarmos uma Venezuela, só isso.

Sinto não poder dar os nomes, mas sei que entenderão.


Tags: Carlos Mello, artigo, coluna


Carlos Mello é formado em Economia pela UFRGS, trabalha com Avaliações Financeiras e Cálculos Periciais. Reside em Porto Alegre.

Email: carlosmello@ufrgs.br
Telefone: (51) 99113-2232




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 24.04

  • Dia de São Fidélis de Sigmaringa
  • Dia do Agente de Viagem
  • Dia do Chimarrão
  • Dia Internacional do Jovem Trabalhador