Últimas notícias

Colunistas

RSS
Os deuses do futebol em vigília pelo Grêmio

Ilgo Wink

10.09.2014

Os deuses do futebol em vigília pelo Grêmio

O jogo doloroso desta noite na Arena foi doloroso. Eu, que fiquei em casa, tive a sorte – agora eu sei – de ver apenas 40 minutos do mau futebol que era cometido no novo tempo do futebol gaúcho. Faltou energia elétrica. No rádio Voz do Brasil e depois horário político.

Pela primeira vez na vida acompanhei um jogo pelo twitter. Lembrei-me dos velhos tempos de repórter do Correio do Povo, onde muitas vezes fiz comentários em cima do que ouvia pelas emissoras de rádio, normalmente a Guaíba.

Pior foi a situação de companheiros que fariam tubo – ou seja, transmitiriam por rádio o jogo a partir das imagens da TV, mas as imagens não viera. Então, os bravos heróis do microfone conseguiram transmitir o jogo ouvindo a transmissão da emissora concorrente. Pensam que é fácil a vida no rádio?

Operam-se milagres quase que diariamente, hoje nem tanto em função da internet.

No caso de repórter de jornal é mais fácil. Só pelo que li no twitter, em especial os do ‘seu Algoz’, no primeiro tempo, eu conseguiria fazer um texto analisando o o jogo.

Mas o jogo foi tão ruim que nem vale a pena nós perdermos tempo.

O segundo tempo, com a volta da energia elétrica, eu assisti. Não fosse pelo gol milagroso, sim, milagroso, de Barcos eu diria que o melhor seria ter ficado no escuro.

Não é assim com muitas coisas? Fica no escuro, preferir não saber?

Neste caso, no entanto, eu prefiro ver com meus próprios olhos, nem que seja só pra me irritar.

A conclusão a que chego depois de ver o futebol cometido por Grêmio e Atlético Paranaense, é que venceu o menos ruim. Venceu o mais rabudo, o mais sortudo.

Depois da vitória sobre o Flamengo nos acréscimos e agora contra o Atlético-PR também no ‘apagar das luzes’, das duas uma:

Ou as zagas adversárias estavam na gaveta ou os deuses do futebol decidiram dar uma mãozinha. Escolham.

Mas futebol é assim mesmo: Nem sempre vence aquele que joga melhor, que faz por merecer. O Grêmio contra o Flamengo mereceu vencer. Contra o Atlético, não.

O fato é que em outros tempos, recentes até, o gol no finalzinho seria do adversário.

Em dois jogos seguidos, em que o empate já estava praticamente sacramentado, o Grêmio venceu.

Ficou claro, porém, que o time não tem futebol para muito mais, ou seja, ambicionar o título. No máximo, uma vaga na Libertadores.

É que nos cabe nesse latifúndio do futebol brasileiro.

GIULIANO

Com Felipe Bastos, Giuliano cresceu. Sim, Felipe é um protagonista; Giuliano é um bom assistente, um coadjuvante de qualidade.

Sem um protagonista, o acessório pode desabar. Foi o que aconteceu com Giuliano.

Fico pensando que tipo de investidor coloca dinheiro, e muito dinheiro, pensando em ter lucro com Giuliano.

Somente alguém que não conhece nada de futebol.

Ou é muito gremista e não se importa com eventual prejuízo. Fico com a primeira opção.


Tags: Ilgo Wink, esporte, inter, grêmio, futebol


Ilgo Wink é jornalista formado pela Ufrgs. Trabalhou na Folha da Tarde, Correio do Povo, Rádio Guaíba, Rádio da Universidade e TV Bandeirantes. Hoje, dirige a WComm Comunicação Ltda.  Nas horas vagas produz cerveja artesanal e mantém o blog: Blog do Ilgo.

E-mail: ilgowink@gmail.com

twitter: twitter.com/ilgowink




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 17.01

  • Dia da Penitência
  • Dia de Santa Margarida