Últimas notícias

Colunistas

RSS
Grêmio buscou o empate, levou a derrota

Ilgo Wink

22.04.2016

Grêmio buscou o empate, levou a derrota

O Grêmio tem tudo para reverter o placar de 2 a 0 ocorrido ontem em Caxias do Sul.

Para isso, são necessárias cinco coisas:

– que seja estancado o inaceitável e varzeano surto de caxumba que vem desfalcando o time;

– que a defesa pare imediatamente de levar gol de cabeça – cabe ao técnico corrigir isso;

– que sua zaga faça como as demais – inclusive como a do Ju -, marque um golzinho de cabeça de vez em quando;

– que os laterais consigam ir ao fundo para fazer um cruzamento razoável para o centroavante aipim;

– e que o técnico Roger seja mais efetivo nas substituições.

Pelo que vi do Juventude, se o Grêmio não levar gol de cabeça domingo terá meio caminho andado para vencer, e vencer sem dificuldade.

Até porque, diferente de ontem, vai jogar pela vitória, não por um pontinho fora. 

Nesse jogo modorrento no Jaconi, o Juventude praticamente não ameaçou o goleiro Grohe, que em todo o jogo fez duas defesas importantes – contra nenhuma do goleiro rival -, evidenciando a pobreza franciscana do tricolor, que parece mesmo ter entrado para jogar por uma bola.

Então, em resumo, se o Grêmio não sofre os gols de cabeça teria voltado com um empate, encaminhando a classificação.

Mas os gols aconteceram. No primeiro, Grohe falhou ao soquear não soqueando uma bola alçada. No segundo, mérito para o zagueirão do Ju, auxiliado pela indecisão dos zagueiros gremistas.

Não adianta nem lamentar a ausência de Geromel. Ele faz falta, muita falta. Mas não é possível que o Grêmio não tenha pelo menos um zagueiro próximo do nível de Geromel, dependendo de zagueiros que hoje disputariam posição com os zagueiros do Juventude. E perderiam, porque sequer fazem gol de cabeça.

Temos, então, um problema grave na montagem do grupo para este ano de Libertadores. Alguém acredita que o Grêmio tem alguma chance de título se depender de uma zaga sem Geromel?

Sobre o time que entrou em campo ontem. Foi um time misto, é fato. Mas conheço muita gente que considera Marcelo Hermes, por exemplo, titular.

Nem vou perder meu tempo falando no lateral direito, o Wallace Oliveira. Saudade do Pará… A que ponto chegamos?

Sei de gente que defende a titularidade de Lincoln (eu inclusive), Pedro Rocha e Éverton. Para esses, o time que jogou era praticamente o titular.

O fato é que esse time, na verdade misto mesmo, não funcionou. Teve alguns lampejos, mas fruto de individualidades, não do coletivo.

No jogo da volta, ao que tudo indica o Grêmio terá o time titular, ao menos o time titular de Roger.

Será um time mais acostumado a jogar junto, ao ritmo de Douglas, diferente do que jogou no Jaconi.

Sinceramente, não vejo grandes vantagens do time titular de Roger em relação ao de ontem.

E nesse time Douglas tem cadeira cativa.

SUBSTITUIÇÕES

Não gostei da substituição de Lincoln por Bolanos. Primeiro, acho que Bolanos deveria ter entrado apenas nos minutos finais, e como atacante, não como meia.

Lincoln deveria ser mantido. Não estava tão bem, mas sem ele, o time ficou sem articulação.

Roger percebeu seu erro e depois colocou Luan para fazer a articulação, corrigindo o erro.

Penso que Giuliano deveria ter entrado para dar mais consistência ao meio campo e aí partir em busca dos gols.

Hoje, há quase um consenso no sentido de que o jovem técnico gremista tem dificuldade nas substituições.

Ah, e também para ajustar a zaga nos escanteios. 


Tags: Ilgo Wink, esporte, inter, grêmio, futebol


Ilgo Wink é jornalista formado pela Ufrgs. Trabalhou na Folha da Tarde, Correio do Povo, Rádio Guaíba, Rádio da Universidade e TV Bandeirantes. Hoje, dirige a WComm Comunicação Ltda.  Nas horas vagas produz cerveja artesanal e mantém o blog: Blog do Ilgo.

E-mail: ilgowink@gmail.com

twitter: twitter.com/ilgowink




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 24.02

  • Dia da conquista do Voto feminino no Brasil
  • Dia de São Sérgio
  • Promulgação da 1ª Constituição Republicana (1891)