Últimas notícias

Colunistas

RSS
Ponto comum entre Telê e Renato

Ilgo Wink

16.09.2017

Ponto comum entre Telê e Renato

O que tem em comum o mestre Telê Santana e o atual melhor treinador em atividade no futebol brasileiro?

A pergunta por si só é provocativa, vai atiçar os lobos que apenas toleram Renato Portaluppi , aqueles que não reconhecem nele um técnico com ideias modernas, arejadas, e que estão sempre na tocaia.

Um técnico que é mais que um técnico, é um gestor de vestiário, como ele mesmo se intitulou em entrevista publicada em Zero Hora deste final de semana.

A pergunta, assim de sopetão e tão fora de contexto nesta manhã chuvosa de sábado – sempre que acontece chuvarada assim não consigo deixar de pensar no pessoal alojado no acampamento farroupilha – leva a uma resposta rápida:

– Nada, ué. Não tem o que comparar.

Pois eu acho que tem. Lendo um texto que cometi no dia 21 de abril de 2006, no meu primeiro blog – eu escrevia para mim mesmo, era como um palhaço sozinho no picadeiro, sem plateia -, deparei com uma frase do mestre, morto naquela data depois de uma longa agonia.

Eis a frase, que poucos treinadores podem repetir hoje, sem corar, conforme registrei:

– Se for para mandar meu time matar a jogada, dar pontapé no adversário ou ganhar com gol roubado, prefiro perder o jogo.

Não sei se Renato prefere perder o jogo a ganhar com gol ‘roubado’, mas que o time dele também não dá pontapé, isso é inegável.

O Grêmio de Renato lembra aquele Grêmio de Telê, de 1977, campeão gaúcho. Título que me proporcionou imensa alegria, porque quebrou a hegemonia vermelha no RS.

Era um Grêmio que jogava bola, de raras intervenções faltosas.

Igual ao Grêmio de Renato.

Para completar, repriso o restante daquele artigo, de onze anos atrás:

“Mais que um grande treinador de futebol, Telê foi um exemplo de ética num meio em que cada vez mais prevalece a força do dinheiro e, com isso, tudo o que vem a reboque. Não é preciso entrar em detalhes.

Só conheci um técnico equivalente a Telê, ao menos nesse aspecto da seriedade, da honestidade. O Ênio Andrade. Dele, guardo uma frase: “Eu vivo do futebol, não no futebol”. Havia coisas nesse meio que o incomodavam, por isso a frase.

O corpo de Telê será sepultado neste sábado. A sua morte, porém, se deu há mais tempo, quase dez anos. Quando teve o AVC que o afastou do futebol, sua maior paixão. “O futebol é minha vida, não consigo me afastar dele”, disse, certa vez.

Telê se vai deixando a sua marca, muitas vitórias e alguns revezes. Acima de tudo uma lição de honestidade e moralidade. Telê se vai com as mãos limpas.

Mãos que nem de longe lembram as erguidas pelo presidente Lula, hoje, numa bacia de petróleo. O Grande Guru mergulhou as palmas das mãos no óleo e as ergueu para fotos, imitando gesto de Getúlio Vargas, em 1952.

Cheguei a pensar, por um momento, que eram mãos encharcadas de lama.”


Tags: Ilgo Wink, esporte, inter, grêmio, futebol


Ilgo Wink é jornalista formado pela Ufrgs. Trabalhou na Folha da Tarde, Correio do Povo, Rádio Guaíba, Rádio da Universidade e TV Bandeirantes. Hoje, dirige a WComm Comunicação Ltda.  Nas horas vagas produz cerveja artesanal e mantém o blog: Blog do Ilgo.

E-mail: ilgowink@gmail.com

twitter: twitter.com/ilgowink




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 21.11

  • Dia da Apresentação de Nossa Senhora
  • Dia da Homeopatia
  • Dia das Saudações
  • Dia do Anjo Seheiah
  • Dia do Município Brasileiro
  • Dia Mundial da Televisão