Últimas notícias

Colunistas

RSS
Éverton faz Renato reviver situação dos anos 80

Ilgo Wink

07.11.2017

Éverton faz Renato reviver situação dos anos 80

Se Renato recuar no tempo verá que a sua relação com Éverton lembra bastante a que viveu como jogador do técnico Ênio Andrade em seu início no Grêmio.

Eu era setorista do clube pelo jornal Folha da Tarde. Eu e o Marco Antônio Schuster, que hoje desfruta, merecidamente, do clima europeu de Gramado. A gente enchia a concorrência de furos. Está bem, não era tanto assim.

O Schuster, pra quem não sabe, foi o alvo que Renato tentou acertar durante um treino, virando-se para a casamata do lado da social do Olímpico, batendo e tirando um fininho (como se dizia) do Schuster.

Renato era assim, brincalhão quando podia brincar; e sério quando se exigia seriedade. Penso que ele é assim até hoje.

Já naquele tempo, no alvorecer dos anos 80, ele fazia a alegria dos repórteres com suas tiradas nas entrevistas e, claro, lances surpreendentes como esse envolvendo o Schuster e que muita gente pensa que ocorreu comigo (éramos muito parecidos).

Renato vira e mexe salvava as edições de jornais com frases de efeito, comportamento irreverente (irresponsável para os mais conservadores) e atitudes e declações que fugiam ao padrão dos jogadores de futebol e que hoje ele repete como treinador.

Quando ele foi embora para o Flamengo por 600 mil dólares, em quatro parcelas que o clube carioca sempre atrasou, eu senti muito porque desfalcava o Grêmio, mas principalmente porque perdia uma fonte de notícias e bom-humor.

Bem, para não me estender nas memórias, vejo no Éverton o Renato do passado, dentro de suas devidas proporções, claro.

Renato buscava um lugar no time, estraçalhando nos treinos e quando entrava nos jogos. Mas Tarciso era o titular, jogador da confiança de Ênio Andrade. Tarciso era, também, o tipo do profissional que os técnicos gostam, aplicado, obediente, tático, etc. O contrário de Renato.

Mas Renato jogava mais, com todo respeito aos fãs do Flecha Negra. Nos treinos titulares x reservas, Renato sempre se destacava. Seu marcador, Dirceu Jarrão, sofria.

Hoje, Renato tem o seu Tarciso (Fernandinho) e o seu Renato (Éverton).

Éverton (como Renato naquele tempo) está pedindo passagem. Renato tem suas razões para optar por Fernandinho. Prova de que até os mais irreverentes têm o seu lado conservador.

Ao barrar Éverton, ele está, de certa forma, concordando com Ênio Andrade, que preferia Tarciso – como hoje ele opta por Fernandinho -, decisão contra a qual Renato se rebelava. E nós setoristas, em sua maioria, também.  A gente sempre destacava as atuações de Renato nos treinos tentando influenciar o técnico.

Agora, tantos anos depois, Renato se depara com situação parecida. Por enquanto, ele está mais para Ênio Andrade.

Mas acho que não vai resistir muito tempo, assim como o velho Ênio não resistiu.


Tags: Ilgo Wink, esporte, inter, grêmio, futebol


Ilgo Wink é jornalista formado pela Ufrgs. Trabalhou na Folha da Tarde, Correio do Povo, Rádio Guaíba, Rádio da Universidade e TV Bandeirantes. Hoje, dirige a WComm Comunicação Ltda.  Nas horas vagas produz cerveja artesanal e mantém o blog: Blog do Ilgo.

E-mail: ilgowink@gmail.com

twitter: twitter.com/ilgowink




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

colunas anteriores

Comemoramos hoje - 22.10

  • Dia da Praça
  • Dia de São João Paulo II
  • Dia de São Martinho de Dume
  • Dia do Anjo Haiaiel
  • Dia do Pára-quedista
  • Dia Internacional do Radioamador
  • Dia Nacional do Enólogo