Últimas notícias

Colunistas

RSS
Os Churrasquinhos do Lourenço

Mafalda Orlandini

14.10.2013

Os Churrasquinhos do Lourenço

Nos últimos anos de vida dos meus pais, eu os assessorava nas necessidades diárias. Ia com a empregada fazer o rancho, pagava as contas deles e os acompanhava no lazer. Papai ainda tinha o controle do seu dinheirinho, mas eu o ajudava a manter os pagamentos em dia. O meu irmão Lourenço cuidava dos problemas de saúde deles que não eram graves, apesar da idade.


Alzira e José Guido Orlandini
com os filhos Leda, Lourenço e Mafalda.

O meu domingo era sagrado e eu me encarregava de levá-los a passear. Gostavam de ir almoçar em restaurantes. Mamãe escolhia o local. Adorava camarão com catupiry do Bolonha, galetos com macarrão ou polenta no Mama Mia, churrascos em várias churrascarias. Ela sempre escolhia o que estava com vontade e eu os acompanhava.

Entretanto, o que ela esperava com mais ansiedade eram os convites do Lourenço, seu filho amado e sempre carinhoso e atencioso com ela. Ele já telefonava aos sábados para ela se produzir para o “evento”, uma espécie de preparativos para uma festa. Em seguida, telefonava para mim e dizia feliz: “Neste domingo temos churrasquinho”. Quando eu chegava, às dez horas de domingo, os “trajes” dela e do papai estavam separados em cima da cama. Ela era muito vaidosa e fazia questão que os dois fossem impecáveis. Fazia questão de usar meia calça porque dizia que queria esconder as varizes e mostrar umas pernas mais bonitas. Não conseguia enfiar a meia calça e me esperava para ajudá-la. Papai gostava de ir de bermuda no verão. No Lourenço, ela até deixava, mas nos restaurantes não deixava porque as pernas dele eram muito finas para ficar mostrando. Eu precisava também arrumar com capricho o cabelo dela e passar spray de laquê. Já estava com pouco cabelo e eu tinha que caprichar.


Alzira e José Guido Orlandini.

Muitas vezes, havia convidados, mas as maiores atenções eram para ela; a carne que ela mais gostava, o ponto de cozimento, o pedacinho especial. Ela ficava realizada e voltava para casa comentando cada gesto do filho querido. Ficava radiante se ele reservasse um pedaço especial para levar para casa.

Os churrasquinhos do Lourenço continuaram até quando ele já estava doente, mas meus pais já tinham partido e ele, sua família e alguns amigos de sempre, nos continuamos encontrando. Então eu já tinha o compromisso de levar uma ambrosia e um abacaxi que eu descascava artisticamente em espiral.


Família reunida em um dos churrasquinhos na casa do Lourenço.

Hoje que já tenho oitenta e três anos, avalio como deve ter sido importante para meus pais esses encontros e o carinho dos familiares. Agradeço a Deus ter podido ver meus pais envelhecerem cercados de uma respeitosa atenção dos familiares. Há pessoas que não têm a sorte de vê-los envelhecer, entender que eles querem tão pouco, que querem apenas amor e carinho. O que parece tão sem importância para nós hoje faz a suprema felicidade das pessoas idosas.


Tags: Mafalda Orlandini, crônicas


Mafalda Orlandini é professora de português e literatura aposentada. Lecionou nos colégios: Nossa Senhora do Rosário (Porto Alegre), Vera Cruz (Porto Alegre), Nossa Senhora dos Anjos (Gravataí), E.E. Presidente Kennedy (Cachoeirinha), E.E. Santos Dumont (Porto Alegre) e no Curso Pré-Universitário (Porto Alegre) onde ministrava aulas sobre redação.

Durante muitos anos fez parte da banca de correções de redação nos vestibulares da PUC-RS.

E-mail: mafalda.orlandini@hotmail.com

Facebook: http://www.facebook.com/mafalda.orlandini

 




Opinião do internauta

  • Lisia (18.11.2013 | 09.18)
    Fico muito feliz em relembrar estes churrasquinhos e saber que momentos tão simples, mas assim mesmo muito especiais da minha vida foram igualmente tão importantes para toda a família! Saudades enormes! Beijo, Lisia
  • Roberto Henry Ebelt (17.10.2013 | 17.05)
    Mafalda, É muito recompensador poder guardar o único mandamento com promessa: HONRARÁS O TEU PAI E A TUA MÃE PARA QUE SE PROLONGUEM OS TEUS DIAS SOBRE A TERRA. Ambos recebemos esta benção e a desfrutamos. Abraços. Roberto.
  • Resposta do Colunista:
  • Resposta do Colunista:

    Embora eu tenha agido por amor sem intenão de retorno, já estou percebendo  meus filhos e netos seguirem o exemplo. Com certeza, vais ter o mesmo retorno dos que te amam.Obrigada, abraços. Mafada

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 14.11

  • Dia de São Lourenço
  • Dia de São Serapião
  • Dia do Anjo Nelchael
  • Dia dos Bandeirante
  • Dia Mundial do Diabetes
  • Dia Nacional da Alfabetização