Últimas notícias

Colunistas

RSS
Encarando a Crise.

Mafalda Orlandini

10.08.2015

Encarando a Crise.

Graças à minha alta quilometragem, infelizmente, vivi todas as crises do Brasil desde 1930, desde o tempo de Getúlio Vargas. Por outro lado, sei que é uma questão de tempo para elas passarem. Mas confesso que nunca a senti tão assustadora. É crise na Saúde, na Segurança, na Educação, na Indústria, no Comércio, etecetera, etecetera.  Tudo alimentado por uma corrupção vergonhosa. Quem se iludira com as propagandas que diziam que o Brasil ia muito bem obrigado levou um susto. Comecei a imaginar que desta vez, os brasileiros, os gaúchos estavam-se sentindo derrotados. Será que ninguém estava fazendo nada? Resolvi pesquisar notícias boas no emaranhado de tudo que a imprensa publica de ruim. Procurei atitudes e cidadãos que provassem que havia esperança contra o que parecia um tsunami.


Verduras que ganhei da Jane.

No Dia da Avó, entre parabéns e agradecimentos, recebi um presente. Não podia ser mais inspirador. A Jane, minha acompanhante de quatro anos, que já viveu no campo, ainda gosta de mexer na terra. Plantou em seu pequeno quintal em General Câmara. Colheu o produto de seu trabalho, colocou em uma caixa: couve, radite, alface mimosa, espinafre, tempero verde. O marido acrescentou uns aipins plantados por ele. Pensei: é do campo que vem a força do gaúcho. Vou ver se ele continua “ aguerrido e forte”

Enquanto isso, ZH convidou lideranças sindicais, empresariais, políticas, educacionais para escreverem em “Visões do Rio Grande” e darem sugestões para vencer a crise. Os artigos que li apontam medidas que sabemos corretas como o combate à sonegação fiscal, discutir a dívida com a União, dialogar com credores, cortar gastos, diminuir despesas e outras ideias que o próprio governo sabe que deveria executar, mas nunca são concretizadas.

Para não bater na mesma tecla, preferi acreditar na força do gaúcho e na sua vocação pela agroindústria e agropecuária. Baseei-me em dois princípios. O primeiro é do meu sobrinho Gustavo Schifino (presidente da CDL de Porto Alegre) “A recuperação da confiança vem antes da recuperação da economia. Esse é o grande desafio do pais”. (ZH/ julho/ 2015) O segundo que norteou minha pesquisa foi uma frase que meu pai sempre dizia: Aliás, Nestor Freiberg, presidente da ASGAV, um dia desses, falou quase a mesma coisa “As pessoas param de comprar muitas coisas, mas não param de comer”.


Para começar, encontrei uma matéria do Correio do Povo Rural: Ensino valorizado no Campo. Cresce busca pela qualificação. E mais. Na contramão do êxodo rural, aumenta a cada ano o número de jovens que procuram escolas técnicas rurais no Rio Grande do Sul. Era tudo que eu queria que acontecesse. Que os filhos dos agricultores se qualifiquem e fiquem nas terras de seus pais, aptos a produzir com tecnologia moderna e tornar suas propriedades altamente produtivas. Tenho sobrinhos e parentes que, mesmo depois das Faculdades, voltaram para as terras de seus ascendentes, plantam arroz, criam gado e gerenciam muito bem suas propriedades. E eles estão muito certos. Procurei me informar sobre a diversificação das culturas: a fruticultura, a floricultura, a plantação de nogueiras, de oliveiras, o controle das pragas e das doenças, agora tudo mais controlado. Há avanços por todos os lados.

Encontrei no Informe Especial ZH, outra matéria que deve ser lida com muita atenção e respeito: Cooperativismo. Encontra-se em um suplemento de ZH de 04 de julho deste ano para celebrar o Dia Internacional do Cooperativismo.

Na década de sessenta, quando cursei o Magistério, nós, alunas, fizemos um trabalho de pesquisa sobre o Cooperativismo. Fiquei entusiasmada e convencida de que era uma boa opção para os agricultores e ficava sem compreender por que, tantas vezes, não davam certo. Então li, com muita atenção, e me atualizei sobre o assunto. O entrevistado foi o senhor Vergílio Frederico Perus, presidente do Sistema Ocergs, Sescoop/RS. Sei, agora, que o atual panorama do Cooperativismo é muito favorável, e o número de associados já chega a 2,6 milhões no Rio Grande do Sul. Cresce no campo e na cidade. Atua em setores em que eu não havia imaginado: habitação, saúde, alimentação, agroindústria e agropecuária. É responsável pelo maior número de empregos, ICMS e impostos produzidos no estado. “ Além disso, a ONU abraçou a causa e aumentou a consciência pública sobre os benefícios desse modelo de negócio mundo a fora”. (ZH/04/07/2015)

Eu me propus a encontrar nos jornais, notícias alentadoras, não pessimistas, nem trágicas. Há muitas mesmo que passam despercebidas pelos pessimistas, mas busquei destacar o que penso ser mais de acordo com o que o gaúcho, pela sua vocação de amor à terra e instinto lutador, pode fazer. Claro, não vai acabar com a crise (que é nacional) mas vai cooperar para um desenvolvimento sustentável e até equilíbrio e justiça social. Além disso, comprova as ideias sábias das pessoas que citei no início do meu texto.


Tags: Mafalda Orlandini, crônicas


Mafalda Orlandini é professora de português e literatura aposentada. Lecionou nos colégios: Nossa Senhora do Rosário (Porto Alegre), Vera Cruz (Porto Alegre), Nossa Senhora dos Anjos (Gravataí), E.E. Presidente Kennedy (Cachoeirinha), E.E. Santos Dumont (Porto Alegre) e no Curso Pré-Universitário (Porto Alegre) onde ministrava aulas sobre redação.

Durante muitos anos fez parte da banca de correções de redação nos vestibulares da PUC-RS.

E-mail: mafalda.orlandini@hotmail.com

Facebook: http://www.facebook.com/mafalda.orlandini

 




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 14.11

  • Dia de São Lourenço
  • Dia de São Serapião
  • Dia do Anjo Nelchael
  • Dia dos Bandeirante
  • Dia Mundial do Diabetes
  • Dia Nacional da Alfabetização