RicardoOrlandini.net - Informa e faz pensar - Colunista - O (mau) exemplo dos boleiros

Últimas notícias

Colunistas

RSS
O (mau) exemplo dos boleiros

Gilberto Jasper

14.03.2016

O (mau) exemplo dos boleiros

Sou colorado. O maior legado que meu pai deixou foi a necessidade de conviver civilizadamente com os contrários. Ou seja, discutir sem brigar, discordar sem ofender, cultivar preferências sem vilipendiar os adversários. Isso me leva a fazer algumas reflexões.

A jogada que culminou com a grave lesão de Bolaños não foi acaso. William nunca imaginou as dimensões do trauma do atacante tricolor, mas concorreu para que isso acontecesse. Como fanático por futebol, sempre que posso assisto a jogos na tevê. Não importa o Estado, país ou divisão.

Revolta a frequência com que os jogadores simulam lesões no rosto. Qualquer contato acima do umbigo vira tapa no rosto ou cotovelada no nariz. Também chama a atenção o hábito de saltar para cabecear com os braços abertos, o que facilita impactos violentos.

O vício do excesso de força resulta de dois estímulos: a injeção de adrenalina incutida pelos treinadores e a crônica (des) inteligência de muitos dirigentes. Em véspera de jogos importantes - no nosso caso os grenais -, os homens que comandam o futebol são pródigos em incitar atletas - e torcida - para um evento que mais parece uma batalha. "Raça", "guerra", "foco", "determinação". Termos que, articulados em tom de voz belicoso, resultam numa estúpida beligerância.

Constitui atentado à inteligência polemizar sobre os motivos que permitiram Bolaños seguir até o final do primeiro tempo. O hipotético agravamento da lesão é um detalhe. Afinal, sem a agressão não haveria lesão. Como assisto futebol de todas as idades, chama a atenção o requinte de simulação pelos times de "sub" - sub-20, sub 15, sub-12, etc.. Isso fica evidente na Copa São Paulo, por exemplo.

Um amigo, que investe no filho pequeno para virar jogador profissional, dia destes comentou:
- Há duas semanas fomos obrigados a tirar de campo o time em que meu guri joga. Os adversários batiam tanto, mas tanto, que ficamos com medo que alguém terminaria com a perna quebrada!

A maioria dos jogadores profissionais esquece que são modelos para diversas gerações. A incidência de lesões graves, motivadas pela violência, deveria servir de advertência e conscientização sobre o respeito do papel social que os boleiros desempenham.

Do contrário, Bolaños será apenas mais um.


Tags: Gilberto Jasper, jornalismo, Em Outras Palavras


Gilberto Jasper é jornalista. Trabalhou como repórter nos jornais O Alto Taquari (Arroio do Meio), O Informativo do Vale (Lajeado), Gazeta do Sul (Santa Cruz do Sul) e Zero Hora (Porto Alegre), além das rádios Independente (Lajeado) e Gazeta AM/FM (Santa Cruz do Sul). Como assessor de Imprensa atuou com o ex-secretário da Educação, Bernardo de Souza (Governo Simon), além do Palácio Piratini (Governos Antônio Britto e Germano Rigotto), na Presidência da Assembleia Legislativa do RS (com os deputados Paulo Odone e Frederico Antunes), na Presidência da Câmara de Vereadores de Porto Alegre (vereador Sebastião Melo) e com o deputado federal Osmar Terra. Foi assessor de Imprensa da Presidência do Tribunal de Justiça do RS. Atualmente é coordenador de Comunicação do gabinete do deputado Tiago Simon na AL-RS.

Saído no interior de uma cidadezinha do Vale do Taquari com pouco mais de 5 mil habitantes aos 17 anos me considero um privilegiado por ter feito tantas coisas, por ter conhecido inúmeros lugares interessantes e, acima de tudo, ter tido o privilégio de conviver milhares de pessoas e ter feito valiosos amigos.

Contato:
e-mail: gilbertojasper@gmail.com
Blogger: gilbertojasper.blogspot.com.br




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 20.08

  • Dia de São Bernardo
  • Dia do Anjo Cahethel
  • Dia do Maçom