Últimas notícias

Colunistas

RSS
O Fundo do Poço

James M. Dressler

15.03.2017

O Fundo do Poço

Dados liberados esta semana pelo IBGE demonstram cabalmente que atingimos o fundo do poço na economia brasileira. Pelo segundo ano consecutivo, tivemos queda no PIB, desta vez de 3,6%, antecedida por uma queda maior, de 3,8% em 2015. Essa sequência, de dois anos seguidos de baixa, só foi verificada no Brasil em 1930 e 1931, na Grande Depressão, sendo que agora foi a primeira vez em que todos os setores da economia se contraíram. O que esperar daqui para frente?

Não é difícil fazer uma previsão. Basta olhar o comportamento da Bolsa de Valores brasileira. Em janeiro de 2016, ela alcançava algo em torno de 38 mil pontos. Este ano, já chegou a alcançar 68 mil pontos. E porque cito isto? Porque a bolsa é sempre um agente que antecipa o comportamento futuro da economia, os agentes econômicos que lá operam estão analisando como a economia se comportará logo mais adiante, e investem ou desinvestem de acordo com suas expectativas. Então, eu tenho alguma confiança que o pior já passou.

Concordam comigo os representantes dos principais bancos brasileiros, que têm emitido opiniões favoráveis ao comportamento de nossa economia já em 2017, com um crescimento discreto, e com uma melhora substancial em 2018. Não há ainda um entusiasmo, mas os sinais são bons, a partir da aprovação da PEC do teto, e a apresentação da reforma da Previdência ao Congresso. Claro, tudo dependerá da aprovação desta reforma, e de uma possível reforma trabalhista que já começa a ser discutida. Eu acredito que se a reforma da Previdência passar como foi proposta, teremos uma resposta positiva imediata dos agentes econômicos.

Se uma reforma trabalhista for aprovada, facilitando a contratação e dispensa de funcionários, permitindo aos empresários arriscarem mais, sem o imenso ônus que têm hoje ao demitir um empregado, a economia brasileira pode entrar em uma fase de crescimento sustentável como nunca aconteceu antes. Se a equipe econômica mantiver a linha que adotou até agora, e tivermos a competência de eleger um presidente que dê prosseguimento a esta política econômica, com as reformas aprovadas, recuperaremos o grau de investimento talvez em 2018 ou 2019, trazendo de volta investimentos estrangeiros em grande quantidade, o que resultará em forte crescimento econômico e muitos empregos.

Mas é preciso ter um pouco de paciência e, quem sabe, até um pouco de fé. Se o Presidente Temer sobreviver ao tsunami da Operação Lava Jato (espero que prove sua inocência) e conseguir levar adiante as reformas amargas (mas necessárias) a que se propôs, estará tudo pronto para retomarmos um ritmo de crescimento robusto.

2017 é o ano chave para o futuro do Brasil.


Tags: James Dressler, coluna, artigo, opinião


James Masi Dressler é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS e pós-graduado em Ciência da Computação pela mesma universidade.

    e-mail: jamesmdr@gmail.com
    Twitter: @jamesmdr

DCO - Gestão da Transição




Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 25.05

  • Dia da Costureira
  • Dia da Liberdade de Impostos
  • Dia de Santa Maria Madalena de Pazzi
  • Dia de São Gregório VII
  • Dia do Industrial e da Indústria
  • Dia do Massagista
  • Dia do Orgulho Nerd
  • Dia do Trabalhador Rural
  • Dia Nacional da Adoção