Últimas notícias

Colunistas

RSS
A multidão que não pensa nem deixa pensar

Fábio B. Salvador

19.09.2017

A multidão que não pensa nem deixa pensar

Quero iniciar este texto pedindo desculpas: eu normalmente não uso este espaço para reclamar mas, hoje, preciso mesmo fazer um texto mimimizento.

Uma dúvida me assombra: o mundo todo está se imbecilizando em massa, ou o Facebook, principal rede social da atualidade, é que congrega e promove a tacanheza?

Em um vídeo no qual uma militar reclamava de ter sido humilhada por seu superior em público, a maioria dos comentários falava de “mimimi”. Ninguém parou para pensar que não se admite o assédio moral, que houve falta de preparo para a chefia, que humilhar subalternos em público mancha a própria imagem da instituição. Dizer isso virou “comunismo”. (como assim?)

O debate sobre a tal exposição do Santander é outra vergonha: em um certo grupo, se você disser qualquer coisa que não sejam louvores às obras, é porque é fascista. Em outro, quase a mesma coisa, mas com sinal invertido. Fui até banido de um grupo só por questionar a qualidade técnica de um dos desenhos.

Se você ousa não expressar concordância total, se não usa os chavões certos, aciona-se o alerta vermelho nas cabeças dos moderadores.

Em um post (técnico, alias) sobre pedofilia, percebi que quase ninguém entendia a diferença entre o abuso de menores (que é um crime) e a pedofila (que é um transtorno da mente, que pode ou não levar ao crime). As tentativas de esclarecer aos desavisados sobre o teor médico-científico do artigo eram encaradas como um “atestado de pedófilo” colado na testa do autor. O debate obviamente não avançou.

Em uma comunidade católica, fiz uma pergunta perfeitamente válida sobre a primazia (Bíblia ou Igreja) baseada, aliás, nas Escrituras. Católicos malucos entenderam aquilo como uma ofensa, e ficaram histéricos. Evangélicos malucos entenderam aquilo como um ataque ao catolicismo e me apoiaram, também histericamente. Desisti.

Fui percebendo a inutilidade de expressar qualquer coisa com argumentos em qualquer espaço.

Tampouco é útil expressar ideias no próprio perfil, “acender uma vela no meio da escuridão” como dizia Jânio Quadros. O Facebook está superpovoado e todo mundo está postando ao mesmo tempo. Se você não for uma celebridade e não estiver disposto a pagar por repercussão, você fala com as paredes.

É que ninguém mais está interessado em chegar a novas conclusões sobre nada. O grande esforço, o que está na moda, é demonstrar adesão explícita, sabuja, a chavões e radicalismos caricatos A ou B.

É como dizia a velha piada soviética, na qual dois sujeitos estão conversando:

- Você viu no (jornal) Pravda de hoje, a nova política econômica?

- Vi, sim. Foi uma reportagem bem completa.

- E você já tem uma opinião sobre o assunto?

- Não, ainda não. Espero que eles a deem no editorial do Pravda amanhã.


Tags: artigos, colunas, Fábio Burch Salvador, Fábio Salvador


Fábio é servidor público e escritor.
 
Livros interessantes para download, informações diversas e contato, no site www.fabiosalvador.com.br.
Telefone: (51) 99138-5686​
 



Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 15.12

  • Dia da Mulher Profissional de Direito
  • Dia de Santa Cristiana
  • Dia de São Mesmino
  • Dia do Esperanto
  • Dia do Jardineiro
  • Dia do Jornaleiro