Últimas notícias

Comentários

RSS
08.06.2016 | Opinião

INGSOC

INGSOC - Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força

Que me descumpem os que eventualmente pensem diferente, mas só quem viveu durante regimes autoritários valoriza o quão importante é viver num Estado Democrático de Direito e com uma imprensa livre, onde todos possam manifestar suas opiniões.

Lembrem-se: a primeira vítima numa guerra, numa ditadura, ou na tentativa de manipular os fatos, é a verdade.

A manipulação da mídia é uma forma ditatorial de imposição e pode ser executada pelo poder das armas ou “sutilmente” usando o poder econômico.

Antes da Rede Globo de Roberto Marinho, tivemos os “Diários Associados”, a “Rede Tupi” de Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo, mais conhecido como Assis Chateaubriand, o Chatô, outro megaempresário da mídia que muito manipulou as informações em nosso país.

No final da década de 1980, a Rede Record, que antes pertencia a Paulo Machado de Carvalho e Silvio Santos, foi comprada por Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Como já afirmei em outra oportunidade, ninguém é santo neste meio e, lamentavelmente, a Rede pertencente a IURD também não foge a esta regra de manipulação da verdade, sempre, como as outras grandes redes, a seu favor.

Volta e meia existem fortes escaramuças entre Globo e Record. Aliás, nesta guerra com a Record a Globo não está sozinha. Outros grupos também alfinetam e apresentam denúncias contundentes contra o grupo liderado pelo Bispo Edir Macedo.

Mas vamos além...

Como muito bem lembra-nos um leitor assíduo de nosso site, bem antes do Nationalsozialismus da Alemanha Nazista, existia a URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a Rússia Comunista, cujas técnicas foram brilhantemente abordadas por Eric Arthur Blair, mais conhecido como George Orwell, pelo seu Best-seller Nineteen Eighty-Four.

Nineteen Eighty-Four (em português: Mil Novecentos e Oitenta e Quatro ou 1984) é um romance distópico de George Orwell. Ele terminou de escrever o romance em 1948 e foi publicado em 8 de junho de 1949, retratando o cotidiano de um regime político totalitário e repressivo no no ano de 1984. No livro, Orwell mostra como uma sociedade oligárquica coletivista é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.

O romance tornou-se famoso por seu retrato da difusa fiscalização e controle de um determinado governo na vida dos cidadãos, além da crescente invasão sobre os direitos do indivíduo. Desde sua publicação, muitos de seus termos e conceitos, como "Big Brother", "duplipensar" e "Novilíngua" entraram no vernáculo popular. O termo "Orwelliano" surgiu para se referir a qualquer reminiscência do regime ficcional do livro.

O “Grande Irmão” (Big Brother) através de seu "Ministério da Verdade de Oceania", faz de tudo para controlar o pensamento de seus cidadãos, algo muito parecido com o que alguns “companheiros” e “camaradas”, membros do poder dominante procuram fazer na atualidade.

Também foi criada a Novilíngua (Novafala), desenvolvida não pela criação de novas palavras, mas pela "condensação" e "remoção" delas ou de alguns de seus sentidos, com o objetivo de restringir o escopo do pensamento. Uma vez que as pessoas não pudessem se referir a algo, isso passa a não existir. Assim, por meio do controle sobre a linguagem, o governo seria capaz de controlar o pensamento das pessoas, impedindo que ideias indesejáveis viessem a surgir.

Neste regime fictício (será?) o lema do partido era:

“Guerra é Paz; Liberdade é Escravidão; Ignorância é Força”.

E por aí segue, numa linha sem fronteiras entre esquerda e direita, uma série de “gênios da propaganda” que conseguem manipular a verdade com o nefasto objetivo de enganar o povo e manter-se ou tomar o poder.

Os “lamentavelmente” seguidores dessas “doutrinas” são muitos e estão por aí travestidos com “pele de cordeiro”. Usam-se das mais modernas técnicas para ludibriar aos de boa fé, que não imaginam até onde esses nefastos manipuladores da verdade podem chegar.

O fato é que neste tabuleiro da luta pelo poder e a manipulação da informação o que menos tem é santo.

A liberdade de expressão, opinião e pensamento devem ser preservadas a qualquer custo.

Nunca esqueçamos as sábias palavras de George Orwell:

"Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado."

O célebre propagandista do nacional socialismo alemão, Paul Joseph Goebbels, ministro do Povo e da Propaganda de Adolf Hitler faz escola até hoje nos quatro cantos do mundo, em especial na esquerda totalitária que se apoderou do poder em diversos países do mundo, na América Latina em especial e pasmem, aqui no PATROPI.

O ex-todo poderoso do Povo e da Propaganda de Hitler é o autor da célebre frase: “uma mentira cem vezes dita, torna-se verdade”.

Para quem não conhece, segue a versão filmada em 1956 de 1984, a primeira edição do filme ainda em P&B.

 


Tags: 1984, ditadura, censura, petralhas, George Orwell, INGSOC, novilíngua






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Datas anteriores:

Comemoramos hoje - 23.10

  • Dia da Aerofilatelia
  • Dia da Aviação e do Aviador
  • Dia de São Severino
  • Dia do Anjo Mumiah