Últimas notícias

Comentários

RSS
13.04.2018 | Opinião

Mais uma sexta-feira 13

Mais uma sexta-feira 13

Eu já falei desse tema várias vezes, mas sempre é bom lembrar de que uma sexta-feira, nada mais é do que um dos sete dias da semana. Sua peculiaridade interessante, e eventualmente diferente dos demais dias da semana, é que vem depois da quinta-feira e fica antes do sábado.

Brincadeiras à parte, gostaria de lembrar que superstição é a crença baseada na ideia de que determinadas atitudes, números ou palavras trazem sorte ou azar. Estas crenças irracionais sobre a relação causal entre certas ações ou comportamentos e ocorrências posteriores, sobrevivem em pleno século XXI ao lado de uma sociedade que já foi à Lua e explora os confins de nosso sistema solar. Das culturas de “primeiríssimo” mundo, teoricamente as mais esclarecidas, até entre povos que ainda vivem primitivamente em nosso planeta azul que chamamos de Terra.

Posso citar vários exemplos desta irracionalidade como a crença comum no Brasil de que quebrar um espelho causa sete anos de azar. Ou quem sabe a de que se a palma da mão coçar é sinal que vamos ganhar dinheiro, ou dependendo da mão, para alguns ainda mais perfeccionistas, pode ser ganhar ou perder dinheiro.

E se sua orelha esquentar de repente? Seria porque alguém está falando mal de você?

Estas crenças permanecem impregnadas em todos nós, não porque queremos, mas porque deixamos nos envolver por algo que não conseguimos explicar racionalmente, transferindo ao sobrenatural e para a superstição essas nossas incertezas.

Na sociedade cristã ocidental está arraigada a questão relacionada ao número 13 e a sexta-feira 13.

O absurdo do número 13 é tanto que nos Estados Unidos e no Canadá, por exemplo, muitos prédios não possuem o 13º andar, não existe a poltrona de número 13, a mesa 13, e por aí segue um festival de baboseiras quase interminável. Chegaram a criar a poltrona 12-A, mesa ou o andar de mesmo número, como se isso fosse mudar alguma coisa.

Outro exemplo interessante vem da Fórmula 1. Nessa modalidade, não correm carros com o número 13. A razão de ninguém usar esta numeração foi que o 13 estampava o carro de Giulio Masetti no acidente fatal que o piloto teve em 26 de abril de 1926. Desde então, só dois pilotos arriscaram correr com o número.

Ora gente, depois do número 12 vem o 13 e não o 12-a ou o 14.

Já a crença de que o dia 13, quando cai numa sexta-feira, é dia de azar, é a mais popular superstição entre os cristãos.

Há muitas explicações para isso, sendo a mais forte delas, o fato de que Jesus Cristo foi crucificado em uma sexta-feira e, na sua última ceia, estarem presentes 13 pessoas à mesa: ele e seus 12 apóstolos.

Mas tudo isso que envolve superstição é tão absurdo que, se por um lado muitas culturas temem o número 13, outras tantas o consideram um número de boa sorte.

É mais ou menos como o Dia de Finados, que algumas culturas choram e outros, como no Dia dos Mortos no México, é uma grande festa popular.

E aí, como ficamos com mais uma sexta-feira 13?

Ora gente, é só mais uma sexta-feira como qualquer outra.

Mas para garantir que os ventos não mudem de rumo, pode ser prudente que a gente bata três vezes numa mesa, mas com um detalhe, de baixo para cima que é para dar sorte (rsrsrsrsrs).

E para alegrar um pouco o dia, vamos relembrar este grande sucesso dos Secos & Molhados, “O Vira” composta por João Ricardo e Luhli.


Tags: sexta-feira, azar, superstição, sorte, sexta-feira 13, dia 13






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Datas anteriores:

Comemoramos hoje - 22.07

  • Dia de Santa Maria Madalena
  • Dia do Anjo Imamaiah
  • Dia do Cantor Lírico