Últimas notícias

Comentários

RSS
08.06.2018 | Opinião

Hong Kong, a porta de entrada da Ásia

Hong Kong, a Pérola da Ásia.

Há poucos anos atrás, nessa mesma época do ano, eu terminava de arrumar minhas malas para mais uma viagem para Hong Kong, na China. Como a viagem é muito longa e desgastante, a gente leva uns dois dias para chegar lá. Isso mesmo: entre horas de voo e de aeroporto, dá mais ou menos isso. Mas vale a pena qualquer esforço para conhecer a Pérola da Ásia.

Hong Kong entrou no meu coração como um dos destinos mais belos que já visitei em minhas viagens profissionais pelo mundo.

Para que não sabe, milhares de empresas internacionais escolheram Hong Kong como seu parceiro para ter sucesso na China continental. Suas vantagens comerciais são excelentes, pois a cidade, que é o centro financeiro da Ásia, têm uma tradicional experiência em negócios, além de possuir um sistema legal forte e reconhecido internacionalmente.

Mas vamos a um pouco de história...

Durante a Guerra do Ópio (1839-1842), Hong Kong foi ocupada pelo Reino Unido e virou colônia inglesa a partir de 5 de abril de 1843.

Pelos termos do “Tratado de Nanjing” (ou Nanquim), de 29 de agosto de 1842, que deu fim à Primeira “Guerra do Ópio” , a China foi obrigada, entre outras absurdas exigências como comprar ópio dos ingleses e ceder a possessão de Hong Kong para a rainha Vitória e seus sucessores.

Este tratado é considerado o primeiro dos Tratados Desiguais, firmados entre a China Qing, o Japão Tokugawa e a Coreia Chosun, com as potências industrializadas ocidentais, entre meados do século XIX e o início do século XX.


China - o bolo dos Reis e Imperadores charge mostrando a Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia, França e Japão dividindo a China.

Mas só a 120 anos, em 9 de junho de 1898, a China foi obrigada a ceder formalmente o território de Hong Kong à Coroa Britânica por um prazo de 99 anos. A partir de então a nova colônia passou a ser um importante centro de comércio na região.

Em 1982, a China e o Reino Unido iniciaram conversações para a devolução da soberania chinesa sobre Hong Kong. Um acordo assinado em 1984, em Pequim, determinou que a China tivesse o território devolvido a partir da zero hora de 1º de julho de 1997.

Mas quase nada mudou na região. Hong Kong desfruta do estatuto de Região Administrativa Especial, de acordo com a fórmula um país, dois sistemas, também aplicada a Macau, outro território chinês devolvido em 20 de dezembro de 1999. De acordo com o princípio do "um país, dois sistemas" o sistema socialista igente na RPC não seria praticado na Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong, e o sistema capitalista honconguês ficaria intacto por um período de 50 anos., ou seja, até 1º de julho de 2047. A Declaração Comum estabeleceu que essas políticas básicas deveriam ser estipuladas na Lei Básica de Hong Kong.

Sendo assim, o território de Hong Kong continua a ser um porto livre e um centro financeiro internacional e, exceto nas áreas da defesa e da política externa, tem um alto grau de autonomia.

A antiga colônia não paga impostos ao governo chinês e o seu modo de vida, incluindo a liberdade de imprensa, quase não foi alterado.

O território é o 11º no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial e, segundo o Banco Mundial, a economia de Hong Kong é a 30ª do mundo, além de ser a menos restrita e basicamente livre de impostos. Também é a 10ª maior entidade de comércio e 11º maior centro bancário do mundo.

Sua importância é medida também pelo fato de possuir o maior número de representações diplomáticas, com 107 consulados e consulados-gerais, bem mais do que qualquer outra cidade no mundo.

Nova Iorque, sede das Nações Unidas possui “apenas” 93 consulados.

O fim do Tratado de Nanjing tornou-se o amanhecer de uma nova era para Hong Kong e a China.

Vale a pena incluir em sua lista de desejos, conhecer esta região do mundo.

Hong Kong é a porta de entrada na Ásia, uma ponte entre o ocidente e o oriente.


Hong Kong vista do Victoria Peak em 2013.

<iframe width="500" height="280" src="https://www.youtube.com/embed/u4mpxTLxFxc" frameborder="0" allow="autoplay; encrypted-media" allowfullscreen></iframe>


Tags: China, tratado, Tianjin, ópio, Guerra do Ópio, Hong Kong, drogas, tráfico, Reino Unido






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Datas anteriores:

Comemoramos hoje - 23.10

  • Dia da Aerofilatelia
  • Dia da Aviação e do Aviador
  • Dia de São Severino
  • Dia do Anjo Mumiah