Últimas notícias

Hoje na história

RSS
Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 1922.

Ambrogio Damiano Achille Ratti é eleito o Papa Pio XI, 260º papa, que sucedeu o Papa Bento XV

Pio XI, 259º Papa da Igreja Católica

Papa Pio XI, nascido Ambrogio Damiano Achille Ratti (em latim: Pius PP. XI); (Desio, 31 de maio de 1857 — Vaticano, 10 de fevereiro de 1939), foi o 259º Papa da Igreja Católica Apostólica Romana eleito em 6 de fevereiro de 1922, sendo consagrado a 12 de fevereiro de 1922. Faleceu em 10 de fevereiro de 1939. Foi o primeiro soberano do Estado da Cidade do Vaticano.

A carreira eclesiástica

A profunda competência nos estudos realizados por Ratti chamou a atenção do Papa Leão XIII. Em junho de 1891 e em 1893 ele foi convidado a participar de algumas missões diplomáticas seguindo o monsenhor Giacomo Radini-Tedeschi na Áustria e na França. Isso foi feito por recomendação do mesmo Radini-Tedeschi, que tinha estudado com Ratti no Pontifício Seminário Lombardo, em Roma.

Em 1888 tornou-se parte do colégio de doutores da Biblioteca Ambrosiana, tornando-se prefeito em 1907. Em 6 de março do mesmo ano, foi nomeado prelado de Sua Santidade com o título de monsenhor.

Enquanto isso, em 1894 ele se juntou aos Oblatos de Santo Ambrósio, um colégio de padres secular profundamente milanês, enraizado na espiritualidade de São Carlos Borromeu e Santo Inácio de Loyola. Aos exercícios espirituais inacianos, Dom Ratti será sempre ligado, por exemplo meditar os exercícios de 1908, de 1910 e de 1911 com os jesuítas em Feldkirch, na Áustria.

Chamado por Pio X a Roma, a 8 de novembro de 1911, é convidado para vice-prefeito com direito de sucessão e, mais tarde, a 27 de setembro de 1914, pelo reinante Bento XV, como prefeito da Biblioteca Vaticana.

A resolução da questão romana

Pio XI manifestou o primeiro sinal de abertura imediatamente após a eleição. O novo Pontífice, ao contrário de seus antecessores imediatos - Leão XIII, São Pio X e Bento XV -, decidiu ir à varanda da Basílica Vaticana, na Praça de São Pedro, não disse nada, apenas abençoou a presente multidão, ao passo que os fiéis romanos responderam com aplausos e gritos de alegria. O gesto "devido", mas que ocorre após os eventos de 20 de setembro de 1870, deveria ser considerado de importância histórica; isso aconteceu porque Pio XI estava convencido do fim do poder temporário, embora que de uma maneira "violenta", da missão da Igreja no mundo, a libertação das cadeias de paixões humanas.

A Questão Romana encontrava não apenas as preocupações e a esperança dos católicos da Itália, mas também de todos os católicos do mundo, tanto assim que os zelosos sacerdotes e também missionários, como Dom Luigi Orione, tomaram iniciativas pessoais e escreveram várias vezes ao chefe do governo fascista Benito Mussolini; outros sacerdotes intervieram com seus estudos na Secretaria de Estado do Vaticano, na pessoa do Delegado do Papa, o cardeal Pietro Gasparri.

Em 11 de fevereiro de 1929, o Papa foi o arquiteto da assinatura dos Pactos Lateranenses entre o cardeal Pietro Gasparri e Benito Mussolini. Em 13 de fevereiro de 1929, fez um discurso para estudantes e professores da Universidade Católica do Sagrado Coração, em Milão, que entrou para a história por uma definição, com a qual Benito Mussolini foi exaltado como "o homem que a Providência nos uniu".

Mas já em 1922, antes de sua eleição como papa, em fevereiro do mesmo ano, durante uma entrevista ao jornalista francês Luc Valti (publicado na íntegra em 1937 na "L'illustration"), o então cardeal Achille Ratti disse a respeito de Mussolini: "Esse homem, meu jovem, ele fez um progresso rápido, e vai invadir tudo a força de um elemento natural. Mussolini é um homem formidável. Entendeu-me bem? Um homem formidável! Recentemente convertido, porque veio da extrema esquerda, tem o zelo de novatos que o faz agir decisivamente. E então, recruta adeptos na escola e ao mesmo tempo os emergi à dignidade de homens, homens armados. Seduz-los para que o fanatizem. Reina em sua imaginação. Você percebe o que isso significa e que força ele fornece? O futuro é dele. Mas precisamos ver como tudo isso vai acabar e como fará uso de sua força. Em que direção vai o dia em que você escolherá ter um? Resistirá à tentação que ameaça a todos os líderes para ficar como ditador absoluto?".

Note que os Pactos Lateranenses foram assinados em 1929, isto é, quatro anos depois de Mussolini tornar-se ditador absoluto e dar origem ao totalitarismo fascista.

Em agosto de 1923, Ratti confidenciou ao embaixador da Bélgica que Mussolini "não é Napoleão e talvez nem mesmo Cavour. Mas ele só entendeu o que seu país precisava para sair da anarquia, quando um parlamentarismo impotente e três anos de guerra foram lançados. Veja como ele levou consigo a nação. Que seja permitido trazer a Itália ao seu renascimento".

Em 31 de outubro de 1926, o adolescente Anteo Zamboni tinha atirado em Mussolini na Bolonha, errando o alvo. Papa Ratti interveio condenando "tal atentado criminoso a uma simples ideia de fazer-nos tristes... e nos faz dar graças a Deus por sua falha". No ano seguinte, Pio XI elogiou Mussolini como o homem "que governa com tanta energia o destino do país, que pratica a justiça considerada perigosa sempre que o próprio país traz perigo a sua pessoa. A intervenção quase pronta e visível da Divina Providência fez com que a primeira tempestade poderá em breve ser ultrapassada por um furacão de alegria, de felicitações, de ações de graças (...), e podemos dizer, portentosa segurança daqueles que tinham de ser a vítima", expressando também "indignação e horror" pelo atentado.

Com os Pactos Lateranenses, assinado no palácio de São João de Latrão, e consistindo em dois atos separados (Tratado e Concordata), foi posto um fim à frieza e hostilidade entre os dois poderes, que duraram 59 anos. Com esse tratado histórico, foi dado soberania à Santa Sé sobre o Estado da Cidade do Vaticano, reconhecendo-o como sujeito a direitos internacionais, em troca da cessão de parte da Santa Sé das reivindicações territoriais sobre os Estados Pontifícios antigos; enquanto que a Santa Sé reconheceria o Reino de Itália com capital em Roma. Compensando as perdas territoriais e como um apoio durante o período de transição, o governo garantiu (Acordo Financeiro, anexo ao Tratado) uma transferência de dinheiro que consistia em 750 milhões de libras em dinheiro e um bilhão em títulos, o que preparou o palco para a atual estrutura econômica do Estado da Cidade do Vaticano.

O Tratado também reclamou o artigo 1º do Estatuto Albertino, reafirmando a religião católica como a única religião do Estado. Os Pactos Lateranenses impuseram aos bispos jurar lealdade ao Estado italiano, mas estabelecendo certos privilégios à Igreja Católica: o matrimônio religioso foi reconhecido para efeitos civis e causas de nulidade estavam sob os tribunais eclesiásticos; o ensino da doutrina católica, chamada "fundamento e coroação da educação pública", tornou-se obrigatória nas escolas primárias e secundárias; os sacerdotes depostos ou afetados pela censura eclesiástica não poderiam obter ou manter qualquer emprego público no Estado italiano. Para o regime fascista, os Pactos Lateranenses foram uma legitimidade valiosa.

Como um sinal de reconciliação, no mês de julho seguinte, o Papa passou em procissão eucarística solene na Praça de São Pedro. Um evento como este não acontecia desde os dias da Porta Pia. O primeiro passeio no território da Cidade do Vaticano foi em 21 de dezembro do mesmo ano, quando, muito de manhã cedo, o Papa foi, escoltado por moto da polícia italiana, à Basílica de São João de Latrão, para oficialmente tomar posse de sua catedral. Em 1930 - um ano após a assinatura dos Pactos - o velho cardeal Pietro Gasparri renúncia e é substituído pelo cardeal Eugênio Pacelli, futuro Papa Pio XII.

Fonte: Wikipédia


Tags: Papa, vaticano, igreja, catolicismo, Papa Pio XI






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 19.11

  • Dia da Bandeira
  • Dia da Caminhada da Bandeira
  • Dia de Santa Matilde de Hackeborn
  • Dia de Santo Abdias
  • Dia do Anjo Haaiah
  • Dia do Cordelista
  • Dia Internacional do Homem
  • Dia Internacional do Xadrez
  • Dia Mundial da Prevenção a Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes