Últimas notícias

Hoje na história

RSS
10 de fevereiro de 1823.

Primeiro desfile de carnaval em Colônia na Alemanha

Carnaval em Colonia (Köln) na Alemanha

Em 10 de fevereiro de 1823 houve o primeiro desfile de carnaval em Colônia. A cidade lutava para resgatar a tradição proibida pela França após a anexação da margem esquerda do Reno.

Era uma manhã chuvosa e gelada de inverno europeu. Mesmo assim, os foliões compareceram à praça Neumarkt, no centro de Colônia, para confraternizar com o "príncipe" – na Alemanha não há rei no Carnaval. No início do século 19, a cidade lutava para resgatar uma tradição proibida pelos franceses, que haviam anexado a margem esquerda do Reno e controlavam a chamada Liga Renana, criada em 1806.

A administração de Colônia já conseguira derrubar a proibição, mas o clima de Carnaval demorou a ressurgir. No outono de 1822, um grupo de colonianos iniciou a reorganização da festa. O então prefeito da cidade, Heinrich von Wittgenstein, foi eleito porta-voz dos foliões e aprovou um "manifesto por reformas". A primeira assembleia geral foi convocada para janeiro de 1823.

Príncipe em vez de rei

Dessa assembleia nasceu o comitê que organiza o Carnaval de Colônia até hoje. O primeiro "príncipe do carnaval", empossado no dia 10 de fevereiro de 1823, foi Emanuel Zanoli, fabricante da famosa "água de Colônia". Dois anos depois, a associação carnavalesca já publicava seu próprio jornal, logo proibido pelo governo da Prússia. Mas foi também um imperador prussiano – Frederico Guilherme 3º (1797–1840) – quem restituiu os direitos da entidade. Desde esta época, é comum os "blocos" usarem uniformes estilizados de guarnições prussianas.

Em 1844 ocorreu um racha na organização e, em consequência, a cidade ficou dois anos sem carnaval. As brigas e divisões repetiram-se nas décadas seguintes, mas sempre acabavam na folia coletiva. Desde 1922, o chamado "comitê da festa" é uma entidade representativa. Em 1935, sob a presidência de Thomas Liessen, mais de 30 sociedades carnavalescas uniram-se para formar a Comissão da Festa do Carnaval de Colônia.

Ela organiza os desfiles da Rosenmontag, a Segunda-feira das Rosas. Depois da Segunda Guerra Mundial, a entidade voltou a usar o nome original de "Festkomitee des Kölner Karnevals von 1823".

Temporada começa em novembro

O Carnaval de Colônia é um agito de multidões e movimenta milhões de euros. Quando, em pleno inverno, se ouve o "grito de guerra" Kölle Alaaf! (Viva Colônia!, no dialeto local) pelas ruas da cidade, é sinal de que começou a "quinta estação do ano". O início da temporada já acontece no dia 11 de novembro, às 11 horas e 11 minutos, e vai até a Quarta-Feira de Cinzas.

Os foliões tomam conta da cidade que, por natureza, já abriga uma população extrovertida. Colônia entra em transe já na quinta-feira e contagia a Alemanha com um gingado que, a cada ano, se torna mais internacional – inclusive com batuque de samba brasileiro. As cidades de Düsseldorf e Mainz são as concorrentes na folia.

O desfile pioneiro de 1823 foi um marco na história de Colônia, mas nas retrospectivas internacionais da festa merece apenas uma nota de pé de página. Talvez porque a Alemanha não seja considerada um berço do Carnaval.

Irreverência e fantasias

Foi em Roma e na Grécia que a festa ganhou algumas características que se mantêm até hoje. A Igreja Católica incluiu-a no Calendário Eclesiástico no ano 590, mas o "carnaval sob controle" não vingou. Os foliões de Roma, Veneza, Paris, Nice, Basileia e Colônia mantiveram o espírito inicial da festa: mistura de classes, irreverência e fantasias.

O pai do carnaval moderno foi o entrudo (da palavra latina introitu, começo, entrada). Na abertura da Quaresma, o povo comia, bebia e festejava, preparando-se para os 40 dias seguintes de jejum. Quanto à origem da palavra carnaval, não há consenso. Alguns pesquisadores afirmam que ela teria surgido em Milão em 1130. Outros dizem que a festa recebeu esse nome na França em 1268. Ou ainda na Alemanha, por volta de 1800.

Segundo o livro A Cultura Popular na Idade Média, de Mikhail Bakhtin, "na segunda metade do século 19, muitos autores alemães defenderam a tese de que a palavra carnaval viria de kane ou karth (lugar santo, dos deuses e seus seguidores) e de val ou wal (morto, assassinado). Ou seja, "uma procissão de deuses mortos e almas errantes do purgatório, como se fosse um exército de Arlequins desfilando por estradas desertas em busca da purificação das almas".

Fonte: Deutsche Welle


Tags: Carnaval, Colônia. Köln, Alemanha






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 18.06

  • Dia da Imigração Japonesa
  • Dia de São Leôncio
  • Dia do Anjo Caliel
  • Dia do Químico