Últimas notícias

Hoje na história

RSS
01 de março de 1954.

Testes Nucleares: Castle Bravo, uma bomba de hidrogênio de 15-megatons, é detonada no Atol de Bikini nas Ilhas Marshall no Oceano Pacífico, resultando na pior contaminação radioativa provocada pelos Estados Unidos

Cogumelo nuclear gerado pela Castle Bravo

Operação Castelo é uma das várias operações termonucleares de alto rendimento dos Estados Unidos em 1954. Os artefatos nucleares foram detonados nas Ilhas Marshall, com o objetivo de testar as novas armas de lítio seco, uma de lítio criogênico (echo), melhorar as técnicas de bombardeios nucleares americanos, com a Comissão de Energia Nuclear e o Departamento de Defesa trabalhando juntos.

O mais notável teste foi o Castle Bravo, que gerou 15 Mt sendo então a mais potente bomba americana já testada. Os testes causaram a contaminação radiológica dos peixes, dos habitantes (incluindo soldados norte-americanos) e um navio de pesca japonês, o Daigo Fukury Maru.

A Castle Bravo foi a maior bomba termonuclear já detonada pelos Estados Unidos, detonado em 1º de março de 1954. A sua reação nuclear gerou uma explosão de 15 megatons (equivalente a 15.000.000 de toneladas de TNT ou explosivo Trinitrotolueno).

Foi superada pela, também norte-americana, B41, que está fora de operação, e tinha de 25 Megatons e pelas soviéticas Teste 219 de 24.4 megatons e Tsar Bomba de 50 megatons, esta última a maior arma nuclear produzida e detonada pelo homem.


Cogumelo nuclear gerado pela Castle Bravo

Era previsto apenas 6 megatons de rendimento para o teste Bravo, porem o seu rendimento foi duas vezes e meia maior que o previsto, por consequência sua nuvem de cogumelo teve 40 km de altura e 100 km de diâmetro, depois da detonação, o vento (que havia mudado de direção e chegaria ao continente, fato que foi informado ao governo momentos antes da detonação).

A mancha de cinzas espalhou altos níveis de radiação por mais de 160 km, contaminando várias ilhas habitadas em atóis vizinhos (as populações tiveram de serem evacuadas, muitas sofrendo de queimaduras de radiação e, mais tarde, de outros efeitos como elevada taxa de cancro e de defeitos de nascença.

As cinzas nucleares se espalharam e contaminaram partes da Índia, Austrália, Europa, Japão, E.U.A e quase todas as ilhas da Oceania.

Tinha sido tão poderosa que em um dos bunkers de concreto uma milha e meia (~2,5 km) do marco zero com uma porta de 20 toneladas havia sido soprado direto através do edifício contra a parede de trás 15 pés (4,6 m) de distância. E na ilha de controle a vinte milhas (32 km) de distância todos os edifícios de madeira haviam sido completamente demolidos.

O design da bomba

O desenho da arma era, basicamente, uma nova forma de bomba de hidrogênio, tendo os cientistas subestimado o quão vigorosamente alguns dos materiais empregados na arma viriam a reagir.

Os 15 megatons de rendimento foi devido a um erro teórico de cientistas do Laboratório Nacional de Los Alamos por considerarem apenas o trítio o deutério e o lítio-6 como combustíveis, então nem ao menos retiraram o lítio-7 que formava 60% da quantidade de lítio na bomba.

O esperado era que o lítio-6 absorvesse um nêutron da fissão do plutônio, emitisse uma partícula alfa e trítio, o qual se fundiria com o deutério e largaria outro nêutron, isso de fato ocorreu.

O problema estava no lítio-7, considerado inerte, ao receber um nêutron energético, emite uma partícula alfa e trítio, assim mais trítio foi produzido que o normal aumentando a taxa de fusão nuclear e de nêutrons que consequentemente aumenta a taxa de fissão elevando-o da previsão de 6 megatons aos desastrosos 15 megatons, o mesmo erro ocorreu com o Castle Romeo (o projeto gêmeo do Bravo que gerou pouco mais de 3 vezes o esperado).

Fonte: Wikipédia


Tags: Bomba de hidrogênio, bomba atômica, bikini, biquíni, contaminação, Marshall






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 14.10

  • Dia de São Calisto I
  • Dia do Anjo Anauel
  • Dia Nacional da Pecuária