Últimas notícias

Hoje na história

RSS
13 de Março de 1781.

O astrônomo alemão Wilhelm Hershel descobre Urano, o sétimo planeta em relação ao Sol, cujo diâmetro é o terceiro maior do nosso Sistema

O planeta Urano em uma imagem de 1986 tirada pela sonda espacial Voyager 2.

William Herschel, nascido Friedrich Wilhelm Herschel (Hanôver, 15 de novembro de 1738 — Slough, 25 de agosto de 1822) foi um astrônomo e compositor alemão naturalizado inglês.

Aos 19 anos mudou-se para a Inglaterra onde passou a ensinar música, antes de se tornar um organista. Com o tempo passou a estudar astronomia e ficou famoso por sua descoberta do planeta Urano, assim como de duas de suas luas (Titania e Oberon), ele também descobriu duas luas de Saturno e a existência da radiação infravermelha. Ele é também conhecido pelas vinte e quatro sinfonias que compôs.

Primeiros anos

Friedrich Wilhelm Herschel nasceu em Hanôver, Alemanha, filho de Anna Ilse Moritzen e Issak Herschel. Seu pai era músico da Guarda Hanoveriana - para a qual entrou aos catorze anos. Mais tarde abandonou os serviços militares, devido a sua saúde frágil, sendo acusado de deserção, e sendo posteriormente perdoado pelo rei George III, em 1782. Seu pai ajudou-o a mudar-se para a Inglaterra em 1757, onde começou a ganhar a vida como músico e organista.

Descobertas científicas

Astronomia

Por volta de 1766 começou a estudar seriamente astronomia e matemática, e acabou adquirindo um telescópio, e com sua irmã Caroline construiu telescópios para observar o céu noturno. Ele começou a observar os planetas e as estrelas em maio de 1773, e em 1º de março de 1774 começou um jornal, anotando suas observações sobre os anéis de Saturno e a Nebulosa de Orion.

Urano

Urano é o sétimo planeta a partir do Sol, o terceiro maior e o quarto mais massivo dos oito planetas do Sistema Solar. Foi nomeado em homenagem ao deus grego do céu, Urano, o pai de Cronos (Saturno) e o avô de Zeus (Júpiter). Embora seja visível a olho nu em boas condições de visualização, não foi reconhecido pelos astrônomos antigos como um planeta devido a seu pequeno brilho e lenta órbita.


Imagem no infravermelho próximo feita pelo Telescópio Hubble em 1998 mostrando as faixas de nuvens, anéis planetários e satélites naturais.

Em 1781, mais precisamente no dia 13 de Março de 1781, durante sua procura por Estrelas duplas Herschel percebeu a existência de um corpo estelar, que inicialmente tomou por um cometa ou uma estrela. Após maiores observações ele chegou à conclusão de que devia se tratar de um planeta, com órbita mais distante que a de Saturno. Assim descobriu o planeta Urano.


Réplica do telescópio utilizado por Herschel para descobrir Urano (William Herschel Museum, Bath)

No mesmo ano, Herschel foi premiado com a Medalha Copley e eleito membro da Sociedade Real. Em 1782 foi nomeado astrônomo da corte. Em 11 de janeiro de 1787 descobriu dois satélites de Urano, Titânia e Oberon,

 

 


Imagem de Titânia tirada pela Voyager 2 em 24 de janeiro de 1986. Ao extremo sul se pode ver a maior cratera de impacto conhecida de Titânia, a cratera Gertrude. Ao leste visível da fotografia, nota-se o maior desfilareiro conhecido de Titânia, o Messina Chasma.


Fotografia de Oberon feita pela sonda Voyager 2 durante em 24 de janeiro de 1986 a 660 000 km.
Oberon é a lua mais afastada das cinco grandes luas de Urano.


Comparação de tamanho entre a Terra e Urano.

Outras descobertas na astronomia

A primeira das mais importantes descobertas de Herschel em astronomia foi o movimento intrínseco do Sol através do espaço, em 1783. Observou cuidadosamente o movimento de sete estrelas e demonstrou que estas convergiam para um ponto fixo (que interpretou como sendo o ápex solar).

De 1782 a 1785, Herschel catalogou estrelas duplas e publicou extensos catálogos, no primeiro dos quais sugeriu que muitas delas poderiam estar em movimento orbital relativo. Em 1793 mediu novamente as posições relativas de muitas estrelas duplas, comprovando assim sua hipótese. Desenvolveu também os primeiros conhecimentos sobre a constituição de Galáxia.

Durante sua carreira, Herschel também descobriu duas luas de Saturno, Mimas e Enceladus; assim como duas luas de Urano, Titania e Oberon, que foram nomeadas por seu filho, John, nos anos de 1847 e 1852, muito após sua morte.

Em 2007 evidências apresentadas por Dr. Stuart Eves sugerem que Hershel talvez tenha também descobertos os anéis ao redor de Urano.

Hershel também mediu a inclinação do eixo de Marte e descobriu as calotas de gelo de marcianas, observadas pela primeira vez em 1666 por Giovanni Domenico Cassini e em 1672 por Christiaan Huygens, mudavam de tamanho de acordo com a estação do planeta.

Ao estudar o movimento das estrelas, ele foi o primeiro a perceber que o sistema solar está se movendo no espaço, e determinou a direção aproximada do movimento. Ele também estudou a estrutura da Via Láctea e concluiu que ela era achatada, em formato de disco e com o Sol em seu centro.

Ele também foi o primeiro a usar a palavra 'asteroide', que deriva da palavra grega aster 'estrela' + -eidos 'forma, formato', em 1802, para descrever a aparência semelhante a das estrelas das pequenas luas dos planetas gasosos e dos planetas menores. No entanto, não foi até a década de 1850 que a palavra passou a ser usada para descrever certos planetas pequenos.

Como parte de suas tentativas de determinar se havia uma conexão entre a atividade solar e o clima terrestre, Herschel fez anotações a respeito do preço do trigo. Ele teorizou que preço do trigo estaria ligado a colheita e o clima ao longo do ano. Sua tentativa não foi bem sucedida devido a falta de observações solares anteriores para comparação, mas técnicas semelhantes foram posteriormente utilizadas com sucesso.

Apesar de suas inúmeras importantes descobertas científicas, Herschel não era contra especulações. Em particular, ele acreditava que todos os planetas eram habitados, inclusive o Sol: ele acreditava que o sol possuía uma superfície sólida e fresca protegida de sua atmosfera quente por uma camada opaca de nuvens, e que uma raça de seres adaptados ao seu estranho ambiente vivia lá e possuíam cabeças enormes, porque de acordo com seus cálculos uma cabeça de tamanho normal explodiria sob as mesmas circunstâncias. A crença original de que formas habitavam o Sol surgiu da observação de explosões solares na superfície do Sol.

Na biologia, Herschel usou um microscópio para estabelecer que coral não era uma planta, como muitos acreditavam na época, pois não possuía a parede celular característica das plantas.

Radiação Infravermelha

Em 1800 Herschel fez outra descoberta importante. Ele havia notado que filtros de diferentes cores deixavam passar quantidade diferentes de calor em suas observações da luz solar, e desejava calcular essa quantidade de calor. Herschel pensava que as cores deveriam ter diferentes temperaturas.

Em seu experimento ele direcionou luz solar, através de um pequeno orifício em um pedaço de papelão, deixou passar uma cor incidente da refração de um prisma de vidro e então mediu a temperatura de cada uma das cores. Herschel usou três termômetros com bulbos pretos (para melhor absorver o calor) e, para cada cor do espectro, posicionou um bulbo em uma cor visível enquanto os outros dois foram posicionados fora do espectro para controle. Conforme ele media a temperatura individual das cores do violeta ao vermelho, ele percebeu que todas as cores tinham temperaturas mais altas que a dos termômetros de controle, e que a temperatura aumentava na direção do sentido vermelho do espectro.

Ele então decidiu medir a temperatura da região logo após a cor vermelha, onde aparentemente não havia luz solar, e descobriu que a temperatura nessa região do espectro era mais elevada que nos lugares onde havia luz incidente. Ele concluiu que naquela região devia haver alguma radiação que não era visível, e a nomeou de "raios caloríficos". Após mais experimentos ele descobriu que essa radiação sofria os efeitos de reflexão, refração, absorção e transmissão de forma semelhante à das radiações do espectro visível. Essa radiação foi depois renomeada de radiação infravermelha. Esse experimento foi importante para demonstrar que existem tipos de radiação que não são visíveis aos olhos humanos.

A Nebulosa do Olho de Gato


Nebulosa Olho de Gato.

NGC 6543 ou Nebulosa do Olho de Gato é uma nebulosa planetária na constelação do Dragão. Estruturalmente é uma das nebulosas mais complexas conhecidas tendo-se observado em imagens de alta resolução do Telescópio Espacial Hubble mostrando jorros de material e numerosas estruturas em forma de arco.

Foi descoberta por William Herschel em 15 de fevereiro de 1786 e foi a primeira nebulosa planetária cujo espectro foi pela primeira vez pesquisado sendo este trabalho realizado pelo astrônomo amador William Huggins em 1864.

Os estudos modernos revelam uma natureza complexa com intrincadas estruturas que poderiam ser causadas por material ejetado por uma binária acompanhando a estrela central. No entanto não há evidências diretas da presença desta parceira estelar. Também as medidas de abundâncias de elementos químicos revelam uma importante discrepância entre as medidas obtidas por diferentes métodos indicando que há aspectos desta nebulosa que permanecem ainda sem ser compreendidos.


Nebulosa Olho de Gato capturada pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA.

A NGC 6543 é uma nebulosa planetária muito estudada. É relativamente brilhante com uma magnitude aparente de 8.1, e também com uma temperatura de brilho elevada. Encontra-se nas coordenadas de ascensão reta 17h 58.6m e declinação +66°38'. A alta declinação significa que é facilmente observável a partir do hemisfério norte, onde a maioria dos grandes telescópios foram construídos.

Enquanto a nebulosa interior mais brilhante tem um tamanho relativamente reduzido de 20 segundos de arco em diâmetro, possui um halo extenso com material ejetado da estrela central durante a etapa de gigante vermelha. O halo se estende uns 386 arcseconds (6.4 minutos de arco).

As observações mostram que o corpo principal da nebulosa tem uma densidade de umas 5000 partículas/cm³ e uma temperatura de 8.000 K. O halo exterior tem uma temperatura algo superior a 15.000 K e uma densidade muito inferior.

A estrela central em NGC 6543 é uma estrela de tipo espectral classe O com uma temperatura na fotosfera de 80.000 K. Seu brilho é aproximadamente mais 10.000 vezes luminoso que o Sol com um raio de 0.65 o raio solar. Diversas análises espectroscópicas mostram que a estrela perde massa rapidamente por um forte vento estelar a um ritmo de 3.2×10−7 massas solares por ano - 20 trilhões de toneladas por segundo. A velocidade deste vento de partículas é de 1900 kms−1. Os cálculos e modelos teóricos indicam que a estrela central possui atualmente uma massa solar mas os cálculos de sua evolução teórica implicam uma massa inicial de 5 massas solares.

Legado na astronomia

Sua irmã, Caroline Lucretia Herschel, colaborou estreitamente em seu trabalho, descobrindo também cometas e organizando um catálogo de nebulosas. A tradição astronômica da família ainda continuaria com seu filho (John Herschel) e dois netos. Em 1813 foi eleito membro estrangeiro na Academia Real de Ciências Suíça. Ajudou na fundação da Sociedade Astronômica de Londres em 1820, na qual em 1831 recebeu uma carta real e se tornou a Academia Real de Astronomia.

Em 25 de agosto de 1822, Herschel faleceu em sua casa. Seu filho John Herschel também se tornou um astrônomo famoso.

Sua casa em Bath, onde ele fez inúmeros telescópios e observou Urano pela primeira vez, abriga atualmente o Museu de Astronomia Herschel.

Seu epitafio: Coelorum perrupit claustra. (Rompendo as barreiras celestes)

Fonte: Wikipédia


Tags: William Herschel, Urano, Sistema Solar, Planeta, Galileu






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 25.06

  • Dia da Agricultura
  • Dia de São Máximo de Turim
  • Dia de Salomão da Bretanha
  • Dia de São Guilherme
  • Dia do Anjo Nith-haiah
  • Dia do Cotonete
  • Dia do Imigrante
  • Dia do Quilo