Últimas notícias

Hoje na história

RSS
14 de Março de 1800.

O cardeal Barnaba Chiaramonti é eleito Papa Pio VII

Servo de Deus Pio VII, o 251º papa.

Papa Pio VII O.S.B. (Cesena, 14 de agosto de 1742 — Vaticano, 20 de agosto de 1823), nascido como Barnaba Niccolò Maria Luigi Chiaramonti, foi o 251º Papa da Igreja Católica Apostólica Romana. Eleito em 14 de março de 1800, como sucessor do Papa Pio VI, foi consagrado a 21 de março de 1800, vindo a falecer a 20 de agosto de 1823. Era Monge Beneditino, tendo tomado o nome de Dom Gregório Chiaramonti.

Como Roma estava ocupada pelos franceses, Pio VII foi coroado no exílio, em Veneza, com uma tiara de papel machê, doada pelas senhoras de Veneza, que abriram mão de suas joias.

Pontificado

Pio VII tornou-se memorável pela luta contra Napoleão Bonaparte. Compreendeu Napoleão que era necessário para a França um retorno seguro para a religião. Com este propósito, em 1802 concertou com o Papa uma Concordata, prejudicial ao estado pontifício, pelos dolorosos "artigos orgânicos". Em 1804, Pio VII foi "convidado" a coroar Napoleão Imperador dos Franceses. Mas diante da soberba de Napoleão, foi este mesmo que se coroou Imperador, apesar da presença do Pontífice, que viajou até Paris na esperança de apagar os vestígios da impiedade revolucionária. Mas Napoleão não estava satisfeito em sua ironia e soberba. Ele pretendeu dominar a Igreja Católica como o fez com outros países: nomeou bispos, fez religiosos jurarem fidelidade à coroa e pretendeu manipular o próprio Papa, levando-o à aderir a sua política de alianças e de guerras. Ante a natural recusa de Pio VII, Napoleão ocupou os Estados Pontifícios, prendeu Pio VII e seu secretário, o hábil cardeal Consalvi. O Papa esteve aprisionado em Savona e depois em Fontainebleau, só podendo regressar a Roma em 1814. No congresso de Viena (1814-15), os Estados Papais foram restaurados.

Já em Roma, restabeleceu a Companhia de Jesus. Fortaleceu as alianças com os demais soberanos "restaurados" e vencedores que emergiram da campanha de Waterloo, intercedeu pelo povo francês que sofreu horrores com as guerras de seu antigo Imperador e apelou por uma "política de alianças" que amenizasse a fadiga que toda a Europa atravessou pelas guerras intempestivas e impedisse que outros "Napoleões" aparecessem e tomassem o poder. Faleceu em 20 de agosto de 1823, após mais de vinte e três anos de um importante pontificado cheio de eventos. Os movimentos de independência da América do Sul coincidem com seu pontificado. Foi sucedido por Annibale Francesco Clemente Melchiore Girolamo Nicola della Genga, o Papa Leão XII.

Segundo os historiadores, com a morte do Papa Pio VI em pleno período da Revolução Francesa muitos julgariam que se sepultara para sempre o Pontificado. No entanto, desafiando a todas as expectativas negativas da sociedade da época, os cardeais reunidos em conclave para eleger o seu sucessor fizeram cumprir o que este deixara determinado: a reunião foi em Veneza a 14 de março de 1800 e elegeu-se o monge beneditino Dom Gregório Chiaramonti, de 58 anos, natural de Cesena, que adotou o nome de Pio VII.


Servo de Deus Pio VII, O.S.B. 251º papa.

Brasão e Lema

Descrição: Escudo eclesiástico partido: o 1º de blau com um monte de três cômoros e uma cruz de dois braços atravessada da palavra PAX, em letras romanas, tudo de jalde – Armas da Ordem Beneditina; o 2º fendido de jalde e blau plenos, com uma banda de argente carregada de três cabeças de mouro vendadas de argente e postas no sentido da banda e esta atravessante sobre o fendido; Chefe de blau carregado de três estrelas de seis pontas, de jalde, postas 1 e 2 – armas dos Chiaramonti. O escudo está assente em tarja branca. O conjunto pousado sobre duas chaves decussadas, a primeira de jalde e a segunda de argente, atadas por um cordão de goles, com seus pingentes. Timbre: a tiara papal de argente com três coroas de jalde. Quando são postos suportes, estes são dois anjos de carnação, sustentando cada um, na mão livre, uma cruz trevolada tripla, de jalde.


Brasão pontifício de Pio VII.

Interpretação: O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. No 1º estão representadas as armas da Ordem Beneditina, na qual o pontífice era monge, sendo que seu campo de blau (azul) representa o firmamento celeste e ainda o manto de Nossa Senhora, sendo que este esmalte significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza; o monte de três cômeros representa o Calvário sobre o qual está a cruz, símbolo maior do cristianismo e a palavra PAX representa o objetivo da vida do monge beneditino, que é atingir a paz através da oração e do trabalho, sendo de jalde (ouro) simbolizam: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. Alguns heraldistas consideram que estas armas da Ordem de São Bento, no brasão papal, estão modificadas em suas cores, pois seriam originalmente de argente, com um monte de três cômeros de sinopla e com a cruz e a palavra PAX em sable. No 2º, os campos, por seus esmalte blau (azul) e metal jalde (ouro) têm os significados já acima descritos; a banda de argente (prata) traduz: inocência, castidade, pureza e eloquência; as cabeças de mouro vendadas representa a necessidade de Evangelizar, levando a , a esperança e a caridade aos que ainda não receberam a luz do Evangelho, sendo de sable (negro) traduzem sabedoria, ciência, honestidade e firmeza. O chefe é retirada das armas familiares do pontífice, oriundo da nobreza italiana. Os elementos externos do brasão expressam a jurisdição suprema do papa.

As duas chaves "decussadas", uma de jalde (ouro) e a outra de argente (prata) são símbolos do poder espiritual e do poder temporal. E são uma referência do poder máximo do Sucessor de Pedro , relatado no Evangelho de São Mateus, que narra que Nosso Senhor Jesus Cristo disse a Pedro: "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra, será desligado no céu" (Mt 16, 19). Por conseguinte, as chaves são o símbolo típico do poder dado por Cristo a São Pedro e aos seus sucessores. A tiara papal usada como timbre, recorda, por sua simbologia, os três poderes papais: de Ordem, Jurisdição e Magistério, e sua unidade na mesma pessoa.

Fonte: Wikipédia


Tags: Papa, vaticano, igreja, catolicismo






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 24.06

  • Dia das Empresas Gráficas
  • Dia de São João
  • Dia do Anjo Haheuiah
  • Dia do Caboclo
  • Dia do Observador Aéreo
  • Dia Internacional do Disco voador
  • Dia Internacional do Leite
  • Festa de São João Batista - Porto Alegre