Últimas notícias

Hoje na história

RSS
31 de Julho de 1886.

Morre Franz Liszt, compositor e pianista húngaro

Retrato de Liszt (1856) por Wilhelm von Kaulbach.

Franz Liszt (Doborján, 22 de outubro de 1811— Bayreuth, 31 de julho de 1886) foi um compositor, pianista, maestro e professor e terciário franciscano húngaro do século XIX. Seu nome em húngaro é Liszt Ferenc.

Liszt ganhou fama na Europa durante o início do século XIX por sua habilidade como pianista virtuoso. Foi citado por seus contemporâneos como o pianista mais avançado de sua idade, e em 1840 ele foi considerado por alguns como, talvez, o maior pianista de todos os tempos. Liszt foi também um compositor bem conhecido e influente, professor e maestro. Ele foi um benfeitor para outros compositores, incluindo Richard Wagner, Hector Berlioz, Camille Saint-Saëns, Edvard Grieg e Aleksandr Borodin.

Como compositor, ele foi um dos representantes proeminentes da "Neudeutsche Schule" ("Nova Escola Alemã"). Deixou para trás um corpo extenso e diversificado de trabalho em que ele influenciou seus contemporâneos sobre o futuro e antecipou algumas ideias e tendências do século XX. Algumas de suas contribuições mais notáveis foram a invenção do poema sinfônico, desenvolvendo o conceito de transformação temática, como parte de suas experiências em forma musical e fazer rupturas radicais em harmonia. Ele também desempenhou um papel importante na popularização de uma grande variedade de música de transcrição para piano.

Origem

Liszt nasceu em 22 de outubro de 1811 no vilarejo de Doborján (atual Raiding, Burgenland), então parte do Reino da Hungria, sob domínio Habsburgo, no comitato de Oedenburg. Foi batizado em latim com o nome "Franciscus", mas seus amigos mais próximos sempre o chamaram de "Franz", a versão alemã de seu nome. Era chamado de "François" em francês, "Ferenc", "Ferencz" ou "Ferentz" em húngaro; no seu passaporte de 1874, o nome registrado era "Dr. Liszt Ferencz".

A língua tradicional daquela região era o alemão, e apenas uma minoria sabia falar húngaro. Oficialmente, latim era utilizado. Seu pai, Adam Liszt, tivera aulas em húngaro no ginásio de Pozsony, hoje Bratislava, mas ele não aprendeu quase nada. Apenas a partir de 1835 as crianças de Raiding passaram a ter aulas de húngaro na escola. O próprio Liszt era fluente em alemão, italiano e francês; também tinha um pequeno domínio de inglês, mas seu húngaro era muito precário. Nos anos de 1870, quando todos os habitantes da Hungria foram forçados a aprender húngaro, Liszt tentou aprendê-lo, mas desistiu depois de algumas aulas.

A nacionalidade de Liszt foi causa de muita intriga e discussão. De acordo com pesquisas, seu bisavô, Sebastian List, era um alemão que resolveu morar na Hungria no século 18. Como a nacionalidade de uma pessoa nascida na Hungria na época era herdada, seu avô e seu pai também seriam alemães. Seguindo este raciocínio, Liszt também deveria ser considerado alemão. A mãe de Liszt, Anna Maria Liszt, era austríaca.

Quando perguntado sobre sua nacionalidade, Liszt sempre respondia com orgulho que era húngaro, mesmo sem sequer falar a língua; durante toda sua vida usou seu passaporte húngaro para viajar. Este fato fez com que ainda hoje a maioria pense que ele era integralmente húngaro.


Altenburg, residência de Franz Liszt em Weimar, entre 1848–1861, época na qual compôs os seus primeiros doze poemas sinfônicos.

Relação com a Princesa Carolyne zu Sayn-Wittgenstein

A Princesa Carolyne zu Sayn-Wittgenstein nasceu em 1819 e morreu em 8 de março de 1887 em Roma, e ficou conhecida por sua dedicação a Franz Liszt, com quem se reuniu em Kiev em 1847, durante uma de suas turnés. O encontro correspondeu ao desejo de Liszt de parar qualquer composição orquestral.

O grão-duque de Weimar, tinha oferecido a Liszt um cargo de prestígio de Kapellmeister, e a princesa juntou-se a ele em fevereiro de 1848, vivendo juntos durante muitos anos. Carolyne era então, independente do seu marido já há algum tempo.


A Princesa Carolyne zu Sayn-Wittgenstein em 1847.

A Igreja Católica Romana eventualmente quis que a princesa casasse com Liszt e regularizasse sua situação, mas por ela estar ainda casada e o marido estar ainda vivo, a princesa teve que convencer as autoridades católicas de que seu casamento tinha sido inválido. Em setembro de 1860, depois de um intrincado processo, foi temporariamente bem-sucedida. Estava previsto seu casamento em Roma, em 22 de outubro de 1861, no dia do 50º aniversário de Liszt. Este, tendo chegado a Roma em 21 de outubro de 1861, descobriu que a princesa, no entanto, era incapaz de se casar com ele, pois aparentemente, tanto o marido dela quanto o Czar da Rússia conseguiram revogar a permissão para o matrimônio no Vaticano.

O governo russo também apreendeu várias das suas propriedades, o que fez com que seu eventual casamento com Liszt, ou qualquer outro, fosse inviável. Além disso, o escândalo teria prejudicado seriamente a sua filha, claramente a razão principal pela qual o príncipe pôs fim ao casamento agendado. Posteriormente, seu relacionamento com Liszt tornou-se uma companhia platónica, especialmente depois dele ter recebido ordens menores na Igreja Católica e se tornar abade.

O casal aumentou a influência da música na cidade convidando muitos músicos, incluindo várias vezes Hector Berlioz, que conversou com a princesa em correspondência nos anos de 1852–1867. Ela foi especialmente encorajadora para que Berlioz escrevesse Les Troyens, dedicada a Virgílio Divo, mas também à Princesa Carolyne Sayn-Wittgenstein.

O escândalo causado pelo fato de que Liszt frequentava a casa de uma mulher casada, contribuiu depois para que mudassem para a Itália em 1860. Eles não eram casados, pois a princesa não começou um divórcio. A sua permanência durou cerca de quarenta anos. Faleceram com oito meses de diferença, o que fez deles um par lendário, como George Sand e Alfred de Musset. Franz Liszt morreu em 31 de julho de 1886, em Bayreuth, na Baviera. Seu corpo foi sepultado no cemitério de Alter Friedhof, na mesma cidade.

Principais obras

Liszt foi o criador do poema sinfônico, muito popular no século 19. No campo da música sacra, salientam-se as 4 oratórias: S. Isabel, S. Stanislaus (incompleta), Christus, e a vanguardista Via Crucis. Escreveu duas sinfonias, a Sinfonia Dante, inspirada na Divina Comédia de Dante Alighieri, e a Sinfonia Fausto, composta por diferentes quadros que caracterizam as personagens de Fausto, do escritor romântico alemão Goethe.


Franz Liszt em quatro períodos de sua vida.

Liszt também escreveu inúmeros lieder e peças para música de câmara, das quais se devem destacar as peças para violino e piano.

A sua Sonata em Si menor, apesar de não ter agradado a Johannes Brahms, que disse ter adormecido durante a sua execução, é provavelmente sua obra de maior vulto. Também muito populares são suas rapsódias húngaras para piano. A Rapsódia nº 2, a mais conhecida delas, tornou-se muito popular até como trilha sonora de desenhos animados.

No compêndio de peças para piano como Liebesträume ("Sonhos de Amor"), produzida a partir de poemas de Ludwig Uhland e Ferdinand Freiligrath, destaca-se a peça Nº 3, conhecida como Liebestraum, a qual faz parte do repertório de aclamados pianistas como Lang Lang, Richard Clayderman, Evgeny Kissin, e Valentina Igoshina.

Suas principais obras são: 19 Rapsódias Húngaras para Piano, (posteriormente orquestradas), 12 Estudos de Execução Transcendental, Sonata em Si menor, Sinfonia Fausto, Sinfonia Dante, Concerto para Piano Nº 1, Concerto para Piano Nº 2, Valsa Mephisto No. 1, Liebesträume Nº 3, e Poemas Sinfônicos.

Fonte: Wikipédia


Tags: Franz Liszt, Compositor, música clássica, Rapsódias Húngaras, música, compositor, pianista, maestro






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 23.02

  • Dia da Sedução
  • Dia de São Policarpo
  • Dia do Boticário
  • Dia do Rotariano (Rotary Club)
  • Dia do Surdo-mudo