Últimas notícias

Hoje na história

RSS
12 de novembro de 1929.

Nasce Grace Patricia Kelly a futura Princesa de Mônaco

Grace Patricia Kelly

Grace Patricia Grimaldi, nome de casada de Grace Patricia Kelly, (Filadélfia, 12 de novembro de 1929 — Monte Carlo, Mônaco, 14 de setembro de 1982) foi uma premiada atriz norte-americana, vencedora do Oscar na categoria Melhor Atriz e, após seu casamento com Rainier III, príncipe-soberano de Mônaco, tornou-se a princesa de Mônaco, sendo conhecida também como Princesa Grace de Mônaco.

Grace é considerada a décima terceira lenda do cinema mundial pelo Instituto americano do cinema. Sua morte se deu em virtude de um acidente automobilístico em 14 de setembro de 1982. Kelly é também considerada, além de um ícone da moda, a "princesa mais bonita da história". Como atriz, estrelou onze filmes, entre eles "Amar é sofrer", pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz e o Globo de Ouro de melhor atriz em filme dramático. No total, a atriz recebeu dez nomeações aos principais prêmios da indústria cinematográfica mundial, tais como o BAFTA e o Globo de Ouro, das quais venceu seis vezes.


Bing Crosby e Grace Kelly no filme Amar é sofrer.

Além de atriz e aristocrata, Grace Kelly também foi uma filantropa dedicada especialmente a pessoas que desejavam seguir a carreira artística. Seus trabalhos humanitários se intensificaram após seu casamento com o príncipe, pois ela ficara impossibilitada de exercer sua profissão de atriz. Kelly foi madrinha de várias instituições sociais entre elas a Association mondiale des amis de l'enfance, uma organização internacional criada por ela, que tem como objetivo ajudar crianças carentes.

Em 2011, foi anunciada a compra dos direitos autorais de Grace of Mônaco pela produtora Stone Angels para uma adaptação cinematográfica da obra. O longa, com o mesmo nome do livro, foi dirigido por Olivier Dahan, com produção de Pierre-Ange e roteiro de Asash Amel. O filme, protagonizado pela atriz Nicole Kidman, está centrado na história do período de dezembro de 1961 a novembro de 1962, quando Grace desempenhou papel decisivo em uma negociação política entre o presidente da França Charles de Gaulle e seu marido.


Grace Kelly em 1956, chegando a 28ª edição do Oscar.

Biografia

De ascendência irlandesa e alemã, nascida na Filadélfia, em 12 de novembro de 1929, como a segunda filha e a penúltima do casal Jack Kelly e Margaret Katherine Majer, um campeão olímpico de remo e uma treinadora desportiva, respectivamente Grace Patricia Kelly desde cedo demonstrou interesse pelas artes cênicas, tendo atuado, ainda quando criança, em várias peças escolares. Ela recebeu esse nome depois que a irmã de seu pai morreu. Seus irmãos eram Margaret Katherine, John Brendan e Elizabeth Anne.

Grace foi educada, inicialmente, na Ravenhill Academy e, logo depois, foi transferida para a Stevens School, ambas em Germantown, Pensilvânia, onde começou a se interessar por atuação e dança. Enquanto frequentava a Ravenhill Academy, uma escola católica para moças ricas, Kelly participava de eventos de moda em sua cidade natal, aos quais ia com sua mãe e irmã. Em 1947, graduou-se pela Stevens School. Nessa instituição, o interesse de Kelly pelas artes cênicas cresceu, o que fez com que ela mudasse para Nova Iorque para estudar teatro na Academia Americana de Artes Dramáticas.

Alguns parentes de Grace Kelly eram ligados às artes, principalmente ao teatro e ao cinema. Seu tio Walter Kelly, irmão mais velho de seu pai, era um ator multifuncional e ficou nacionalmente conhecido após atuar no filme The Virginia Judge, produzido pela MGM, em 1935. George Kelly, também irmão de seu pai, afastado da família por sua homossexualidade, tornou-se conhecido na década de 1920 como dramaturgo, roteirista e diretor, após produzir a comédia dramática The Show Off. Seus tios, principalmente George, exerceram grande influência em sua decisão de ser atriz.

Carreira

Quando criança, Grace queria ser atriz e também bailarina. Mesmo com a oposição de seus pais à sua carreira artística, ela atuou em 1939, na época com 10 anos de idade, em sua própria peça teatral. Porém, foi aos 12 anos que, ao lado de sua amiga de infância Alice Godfrey, ela fez sua estreia nos palcos, atuando de forma destacada na peça Don't Feed the Animals.

Por causa de suas notas baixas em matemática, ela foi rejeitada pela Bennington College, em julho de 1947, para desespero de seus pais. Kelly decidiu, então, dar continuidade a seu sonho de se tornar atriz. Ela viajou para Nova Iorque, onde fez um teste para a Academia de Artes Dramáticas de Hollywood usando um fragmento da peça The Torch-Bearers, de seu tio George. Embora a escola já tivesse escolhido os estudantes para aquele semestre, Kelly conseguiu uma entrevista com o diretor de admissão da escola, Emile Diestel, e ela foi aceita, com a ajuda de seu tio George.

Ao longo de seus seis anos de carreira como atriz, Kelly estrelou onze filmes e recebeu indicações a diversos prêmios da indústria cinematográfica, tendo ganhado o Oscar de Melhor Atriz em 1955. Grace ganhou também uma estrela na calçada da fama de Hollywood, por sua contribuição ao cinema mundial.

Teatro e televisão

Vivendo no Barbizon Hotel for Women, um estabelecimento de prestígio para mulheres ricas, que impedia a entrada de homens depois das 22 horas, e trabalhando como modelo para sustentar seus estudos, Kelly começou seus estudos na Academia em outubro. Grace participou de várias produções teatrais, mas a primeira delas a se apresentar em um dos teatros da Broadway foi a adaptação da obra The Father, de August Strindberg. Aos 19 anos, graduou-se na instituição de artes dramáticas e atuou como a personagem Tracy Lord na peça The Philadelphia Story.

O produtor Delbert Mann, após ver Grace na televisão, a convidou para integrar o elenco da produção televisiva Bethel Merriday, uma adaptação da obra de Sinclair Lewis, que seria exibido ao vivo nos Estados Unidos. O desempenho obtido pela produção televisiva levou Kelly a atuar no filme Fourteen Hours, ainda que de forma pouco destacada. Durante uma visita ao set de gravação, ela foi notada por Gary Cooper, com quem posteriormente atuou em High Noon. Cooper, que ficara encantado com a beleza de Kelly, afirmou que ela era "diferente de todas as atrizes que ele via com tanta frequência".

No entanto, sua atuação em Fourteen Hours não foi notada pelos críticos, o que fez com que ela continuasse a trabalhar no teatro e na televisão, embora não tivesse "potência vocal" para continuar atuando no teatro. Kelly estava se apresentando em um teatro no estado do Colorado quando recebeu um telegrama do diretor Stanley Kramer, que lhe ofereceu o papel principal do filme High Noon.


Grace Kelly em cena do trailer do filme High Noon.

Cinema

Em 1951, na época com 22 anos de idade, Grace Kelly atuou pela primeira vez em uma produção cinematográfica. Ao lado do ator Paul Douglas, e sob direção de Henry Hathaway, ela participou do filme Fourteen Hours. A importância de Kelly no filme era mínima e sua atuação não chamou a atenção de críticos e tampouco de diretores cinematográficos. No ano subsequente, a atriz foi convidada pelo diretor Fred Zinnemann a atuar em sua próxima produção, intitulada High Noon. Na trama, de gênero faroeste, Grace atuou como Amy Kane, protagonizando o filme ao lado de Gary Cooper. A atuação de Grace no filme foi bem recebida pelos críticos, o que resultou em um contrato de sete anos com a MGM juntamente com um salário de oitocentos e cinquenta dólares por semana. No mesmo ano, Kelly fez um teste para atuar no filme Taxi, uma produção da Twentieth Century Fox, dirigida por Gregory Ratoff, que seria lançada no ano seguinte. Ela não conseguiu o papel, mas seu teste havia chamado a atenção de John Ford, que afirmou que ela tinha "educação, qualidade e classe".

Em 1953, após duas atuações no cinema, ela foi convidada pelo diretor John Ford para atuar em Mogambo, depois que Gene Tierney desistiu do papel por motivações pessoais. No papel de Linda Nordley, na primeira produção após assinar contrato com a MGM, Grace Kelly recebeu um Globo de Ouro na categoria Melhor Atriz Coadjuvante, além de uma nomeação ao Oscar na mesma categoria. Grace contou à Hedda Hopper que havia três coisas em Mogambo que lhe interessavam: "John Ford, Clark Gable, e uma viagem à África com as despesas pagas". Ela contou também que se o filme fosse realizado no Arizona ela teria recusado o papel.


Clark Gable e Grace Kelly em ‘Mogambo’.

Após a realização do filme que lhe rendeu o Globo de Ouro, Kelly estrelou um programa de tv cujo nome era The Way of an Eagle ao lado de Jean-Pierre Aumont, antes de ele ser chamado pelo diretor Frederick Knott para atuar na peça teatral Disque M para matar. A mesma peça foi adaptada para o cinema pelo diretor Alfred Hitchcock em 1954. O diretor, que estava à procura de uma atriz para protagonizar o filme, viu o teste que Grace fizera para o filme Taxi, bem como algumas cenas de High Noon, decidiu convidá-la para a produção. As gravações do filme tiveram início em agosto de 1953 e transcorreram até o dia 24 de setembro do mesmo ano. O longa, teve sua première em 18 de maio de 1954 na Filadélfia, Pensilvânia, entrando em circuito em 28 de maio de 1954, sendo bem recebido pela crítica especializada que elogiou sua atuação no filme, afirmando que "ela fez um bom trabalho como a esposa espantada e triste". Kelly, que fora "emprestada" pela MGM para atuar no filme (produzido pela Warner Bros.), passou a ser referida pela mídia, a partir de então, como "a musa de Hitchcock".


Grace Kelly em cena do trailer do filme Disque M para matar.

Prêmios e indicações

Grace Kelly conquistou e foi nomeada a alguns dos mais importantes prêmios da indústria cinematográfica mundial, tanto dentro quanto fora dos Estados Unidos. A atriz recebeu duas nomeações ao Oscar; três ao Globo de Ouro; duas ao BAFTA Awards; uma ao NBR Award; uma ao NYFCC Award e uma indicação ao Bambi Awards.

Vida pessoal e casamento

A vida de Kelly, principalmente seus relacionamentos amorosos, foi objeto de especulações e fofocas durante toda sua vida em diversos tabloides. Grace teve vários relacionamentos amorosos enquanto esteve solteira, entre eles romances com atores com quem havia atuado, como Ray Milland e Clark Gable, por exemplo. A relação entre Grace e Milland ocorreu durante as gravações do filme Disque M para Morrer. Na época, Ray, que era vinte e dois anos mais velho que Grace, havia garantido a ela que iria deixar sua mulher para que os dois pudessem viver um relacionamento público, o que ela viria descobrir ser uma mentira. Este fato, mantido em segredo pela produtora do filme, foi descrito como o "acontecimento que quase levou o fim de suas carreiras".


Ray Milland e Grace Kelly em foto promocional do filme Disque M para matar.

Segundo o escritor Paul Westran, em sua obra When Stars Collide, Grace Kelly teve vários relacionamentos amorosos antes de se casar com o príncipe Rainier III, em 1956. Ela deixou de ser virgem antes de matricular-se na Academia de Artes Dramáticas de Nova Iorque, em outubro de 1947, afirmando que "não queria chegar na faculdade inexperiente nos caminhos do amor".

No ano de 1955, Grace Kelly conheceu Rainier Louis, após concordar em ser fotografada com o príncipe, durante o Festival de Cannes. À época de seu primeiro encontro com o príncipe, ela tinha 25 anos e ele 32 e, após uma série de atrasos e complicações, eles se encontraram uma segunda vez, durante um jantar promovido pelo príncipe em sua casa real. Na ocasião, o príncipe Rainier pediu Kelly em noivado e ela aceitou.

Os preparativos para o casamento foram elaborados. O Palácio de Mônaco foi pintado e decorado por toda parte. Em 4 de abril de 1956, deixando o Pier 84 do Porto de Nova Iorque, Kelly, sua família, damas de honra, poodle, e mais sessenta e cinco membros de sua família partiram em direção a Mônaco. Em Mônaco, mais de vinte mil pessoas foram às ruas para saudar a futura princesa consorte. O casamento de Grace com o príncipe Rainier se deu em dois momentos: o primeiro, realizado em 18 de abril de 1956, foi o casamento civil e o segundo, que aconteceu em 19 de abril de 1956, foi a cerimônia religiosa. Grace e Rainier tiveram três filhos: Carolina Margarida Grimaldi, Albert Alexandre Louis Pierre e Stéphanie Marie Elisabeth Grimaldi, nascidos respectivamente nos anos de 1957, 1958 e 1965.

Morte

Em 14 de setembro de 1982, Grace Kelly morreu em um acidente automobilístico em Monte Carlo, Mônaco. O carro que a princesa dirigia saiu da estrada e caiu em um despenhadeiro, causando um derrame cerebral e, consequentemente, sua morte aos cinquenta e dois anos. Após sua morte, especulou-se que sua filha mais nova, Stéphanie, dirigia o automóvel no momento do acidente. Tal informação, no entanto, é negada pela própria Stéphanie, afirmando não se sentir culpada pela morte de sua mãe "porque não tem nada com o acidente".

Seu funeral, ocorrido em 18 de setembro de 1982, contou com a presença de vários aristocratas, entre eles a rainha da Espanha e a, na época, princesa Diana e foi assistido por cerca de trinta milhões de pessoas através da televisão. Pouco depois de sua morte, em sua cidade natal, foi levantado um monumento em sua homenagem, que está localizado no final do Rio Schuylkill. Grace foi sepultada na Catedral de São Nicolau, em Mônaco.

Legado

Mesmo depois de sua morte, Grace Kelly é lembrada por ter sido uma das atrizes mais bonitas e mais influentes de Hollywood, bem como uma das mulheres mais fashion do mundo, sendo considerada a terceira atriz hollywoodiana mais bonita de todos os tempos. Em 1964, foi criada, em Mônaco, a The Princess Grace Foundation, uma instituição cujo objetivo é ajudar pessoas com necessidades especiais.

Durante a gravidez, em 1956, a princesa Grace era frequentemente fotografada segurando uma bolsa de couro fabricada pela Hermes. A bolsa, Hermes Sac à dépêches, era provavelmente um escudo usado por Kelly para evitar a exposição dela e de seu bebê aos olhares indiscretos dos paparazzi. As fotografias, no entanto, popularizaram a bolsa, que tornou-se tão intimamente associada a Grace que passou a ser chamada de Kelly Bag.

Em 1983, um filme televisivo americano foi produzido para mostrar o início da vida da princesa. O filme, intitulado Grace Kelly, foi estrelado por Cheryl Ladd. Além de filmes, a atriz inspirou diversos livros, músicas e perfumes. Foi citada em várias composições musicais, desde a sua morte em 1982. Na canção Vogue de Madonna e em Grace Kelly de Mika, por exemplo. Em 2012, foi eleita pela revista TIME um dos ícones mais influentes da moda de todos os tempos.

Após a sua morte, foi criada também a The Princess Grace Foundation-USA, que tem por objetivo dar continuidade ao trabalho desenvolvido por Grace durante toda sua vida: ajudar artistas emergentes de teatro, dança e cinema na América. A PGF-USA, como também é conhecida a instituição, está localizada em Nova Iorque e, desde a sua fundação, já ajudou centenas de artistas. Esta mesma instituição detém os direitos autorais sobre o nome "Grace Kelly", o que facilita a divulgação do projeto em todo o mundo.

Em junho de 1984, o príncipe Rainier inaugurou um jardim público de rosas em Mônaco, em memória da princesa Grace, uma vez que ela era apaixonada por flores. No ano de 1993 ela se tornou a primeira atriz a aparecer em um selo postal norte-americano.


Selos postais do Tadjiquistão com imagens de Grace Kelly.

Fonte: Wikipédia


Tags: Grace Patricia Kelly, Grace Kelly, atriz, Mônaco, Grace de Mônaco, Alfred Hitchcock






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 16.09

  • Dia da Conservação e Fertilidade do Solo
  • Dia de São Cipriano
  • Dia de São Cornélio
  • Dia do Anjo Chavakiah
  • Dia Internacional da Paz
  • Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio