Últimas notícias

Hoje na história

RSS
12 de Julho de 1935.

Morre Alfred Dreyfus, oficial francês, centro do caso Dreyfus

Alfred Dreyfus em 1894.

Alfred Dreyfus (Mulhouse, 9 de outubro de 1859 — Paris, 12 de julho de 1935) foi um capitão do exército francês de origem judaica. Injustamente acusado e condenado por traição - depois anistiado e reabilitado - foi o centro de um famoso episódio de conotações sociais e políticas, durante a Terceira República Francesa, e que ficou conhecido como o caso Dreyfus.

O caso

O Caso Dreyfus (em francês: Affaire Dreyfus) foi um escândalo político que dividiu a França por muitos anos, durante o final do século XIX. Centrava-se na condenação por alta traição de Alfred Dreyfus em 1894, um oficial de artilharia do exército francês, de origem judaica.

O acusado sofreu um processo fraudulento conduzido a portas fechadas. Dreyfus era, em verdade, inocente: a condenação baseava-se em documentos falsos. Quando os oficiais de alta patente franceses perceberam isto, tentaram ocultar o erro judicial. A farsa foi acobertada por uma onda de nacionalismo e xenofobia que invadiu a Europa no final do século XIX.


O julgamento de Alfred Dreyfus, na Corte Marcial em Rennes.

Para o historiador Edward McNall Burns, "o efeito do caso Dreyfus foi desmantelar por completo o movimento monarquista na França". Assim, "o caso Dreyfus não foi senão um dos episódios de uma luta mais vasta em torno da questão da Igreja e do Estado". Desde sua fundação, a Terceira República apresentava certa vocação anticlerical. A própria ascensão do nacionalismo militante tendia a conflitar com o poder temporal da Igreja. A hierarquia católica favorecia os monarquistas, que conspiravam contra a República.


Cerimônia de degradação de Alfred Dreyfus em 5 de janeiro do 1895, sendo-lhe retirados os galões de oficial numa cerimônia humilhante.

História

Em 1894, Madame Bastian, empregada da limpeza na embaixada alemã em Paris descobriu uma carta suspeita no cesto do lixo do adido militar alemão, o tenente-coronel Schwarzkoppen. Madame Bastian entregou os papéis aos serviços secretos franceses, que logo concluíram que existia um traidor entre os oficiais franceses, que fazia espionagem para os alemães. Quando o caso se tornou conhecido, a carta passou a ser conhecida como "le bordereau" .


Fotografia do le bordereau de 13 de outubro de 1894. O original desaparece em 1940.

 

Alfred Dreyfus era o único oficial judeu entre os que poderiam ter escrito a carta. Por isto, foi considerado o principal suspeito e levado a julgamento. O memorando foi usado como instrumento de acusação contra Alfred Dreyfus.

Dreyfus foi condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo, na costa da Guiana Francesa.


Cabana de Dreyfus na Ilha do Diabo na Guiana Francesa.

Em novembro de 1897, seu irmão Mathieu Dreyfus, descobre que Charles Esterhazy é o verdadeiro culpado. Em 1898, as evidências da inocência de Dreyfus possibilitaram um segundo julgamento. A permanência da sentença anterior provocou a indignação de Émile Zola. O escritor expôs o escândalo ao público geral no jornal literário L'Aurore numa famosa carta aberta ao Presidente da República Félix Faure, intitulada J'accuse! (Eu acuso!) em 13 de janeiro de 1898. Uma reprimenda endereçada à França: "Como poderias querer a verdade e a justiça, quando enxovalham a tal ponto todas as tuas virtudes lendárias?". Nas palavras da historiadora Barbara W. Tuchman, o caso Dreyfus foi "uma das grandes comoções da história".


Capa do jornal "L'Aurore" de 13 de janeiro de 1898, com a carta de Zola sobre o caso Dreyfus

Outro literato bastante conhecido na época, Anatole France, defendeu abertamente Dreyfus e os judeus. Em seu livro O Anel de Ametista são descritos os manifestos populares, a perseguição daqueles que discordavam da sentença, os bastidores do jornal L´Aurore, etc. Já reconhecia o caso como "grande erro" e criticava a confiança cega que os franceses tinham em instituições como o exército e o clero.

Bernard Lazare e Scheurer tinham sido até então uns dos poucos defensores de Dreyfus. O jornalista Theodor Herzl, que posteriormente se tornaria o criador do sionismo fora cobrir o caso do julgamento de Dreyfus para um jornal austro-húngaro e ficou impressionado com o antissemitismo na França. Após o segundo julgamento houve manifestações em Paris em que muitos cantaram "Morte aos Judeus" pelas ruas.


Alfred Dreyfus em 1894.

Theodor Herzl e Émile Zola partiram para o ataque, denunciando os culpados pela farsa. O caso Dreyfus dividiu a França entre os dreyfusards (os apoiantes de Alfred Dreyfus) e os anti-dreyfusards (contra ele). A disputa foi particularmente violenta, uma vez que envolvia vários assuntos no clima controverso e agitado de então. De certa forma, estas divisões seguiam a linha de demarcação entre uma direita apoiando frequentemente o retorno à monarquia - e uma ala esquerda apoiando a República. Uma boa parte da virulência das paixões levantadas pelo caso deveu-se ao antissemitismo existente na França, onde, em 1886, havia sido publicado o livro antissemita de Edouard Drumont, "La France Juive".

Vários intelectuais - professores, estudantes, artistas, escritores - aliaram-se aos dreyfusards e assinaram pedidos intercedendo por Dreyfus. Em suas demonstrações gritavam "Vive Dreyfus! Vive Zola!". Do outro lado da barricada, os gritos eram de "Vive l'Armée! Conspuez Zola! Mort aux Juifs!". Houve pilhagens de lojas de judeus, verdadeiros pogroms na Argélia (em Boufarik, Mostaganem, Blida, Médéa, Bab el-Oued) com estupros, mortos e feridos.

Uma revisão do processo de Dreyfus em 1906 mostrou que Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy, outro major do exército francês, fora o verdadeiro autor das cartas e que agia como espião dos alemães.

Em 12 de julho de 1906 a Suprema Corte Francesa anulou por unanimidade, o julgamento militar em Rennes em 1899, pronunciando-se pela definitiva "reabilitação do capitão Dreyfus".


À direita, o capitão Alfred Dreyfus reabilitado em Les Invalides, falando com o general Gillain. No centro, o capitão Targe, investigador que descobriu muitas fraudes no processo contra Dreyfus.

Dreyfus foi restabelecido parcialmente no exército. Seus cinco anos de aprisionamento não foram considerados para a reconstituição da sua carreira. Esta decisão tirou-lhe qualquer esperança de uma carreira digna dos seus sucessos anteriores à sua detenção de 1894. Por conseguinte, foi forçado a uma dolorosa demissão em junho de 1907. Dreyfus nunca pediu nenhuma compensação ao estado francês pela injustiça militar, nem pelo grande trauma sofrido e nem pelos danos financeiros. Morreu a 12 de julho de 1935.

O caso volta à tona

As eleições de 1902 na França, viu a vitória da esquerda. Jean Jaurès foi reeleito e reviveu o Caso Dreyfus em 7 de abril de 1903, enquanto a França pensava caso estava enterrado para sempre. Em um discurso Jaurès evocou a longa lista de falsidades que envolviam o caso Dreyfus, e colocou especial ênfase em dois pontos fundamentais:

  • A carta renúncia do General Pellieux, escrita em termos muito duras. Legalmente, ele forma uma confissão de conivência do Estado-Maior:


Enganar as pessoas sem honra, sem poder contar com a confiança dos subordinados, sem a qual o comando é impossível. Por meu lado eu não posso confiar em qualquer um dos meus superiores que me fazem trabalhar com falsidades, peço assim minha aposentadoria.

  • A lista supostamente feita Kaiser Guilherme II da Alemanha para que o general Mercier tinha insinuado no julgamento de Rennes, que foi divulgada pela imprensa teria influenciado os juízes do Conselho de Guerra.


Tendo em vista estas informações, o general Louis André, o novo ministro da Guerra, conduziu uma investigação por instigação de Émile Combes e assistida pelos juízes. A investigação foi conduzida pelo Capitão Targe, assessor do ministro.

Durante pesquisas na Seção de Estatística ele descobriu numerosos documentos, a maioria dos quais foram obviamente fabricados.

Em novembro 1903 foi apresentado um relatório ao Ministro da Justiça pelo Ministro da Guerra. Isso foi em conformidade com os regulamentos já que o ministro encontrou um erro cometido pelo Tribunal Militar. Este foi o início de uma nova avaliação liderada pelo advogado Ludovic Trarieux, o fundador da Liga dos Direitos do Homem, com uma investigação completa que durou mais de dois anos.

Os anos de 1904 e 1905 foram dedicados a diferentes fases legais perante o Supremo Tribunal. O Tribunal identificou três eventos (motivos) para avaliação:

  • comprovação da falsificação do telegrama Panizzardi;
  • comprovação de uma mudança de data em um documento do julgamento de 1894 (abril 1895 mudou a abril de 1894):
  • comprovação do fato de que Dreyfus não tinha removido os minutos relacionados com a artilharia pesada do exército.


No que diz respeito à grafia do memorando, o tribunal foi particularmente grave contra Alphonse Bertillon que "se fundamentou em documentos falsos". O relatório mostrou que a grafia foi certamente feita por Esterházy e que este último também confessou posteriormente. Finalmente, o Tribunal, demonstrado por uma análise abrangente e qualificada do memorando, mostra a futilidade desta construção puramente intelectual e uma comissão de quatro pessoas lideradas por um general da artilharia, General Sebert, afrimou que "é altamente improvável que um oficial de artilharia poderia escrever esta missiva".

Em 9 de março de 1905 o Procurador-Geral Baudouin emitiu um relatório de 800 páginas no qual ele exigiu que fosse anulado todo o processo contra Alfred Dreyfus, e denunciou o exército por ter forjado provas.

Só em 12 de julho de 1906 que a Suprema Corte Francesa anulou por unanimidade, o julgamento militar em Rennes em 1899, pronunciando-se pela definitiva "reabilitação do capitão Dreyfus".


Reabilitação de Alfred Dreyfus pelo Tribunal de Cassação, 12 de julho de 1906.

Cronologia dos acontecimentos

  • Finais de Setembro de 1894 - O bordereau chega à posse do ministério da guerra.
  • 15 de outubro de 1894 - Dreyfus é preso
  • De 19 a 22 de dezembro de 1894 - Dreyfus é julgado e condenado por um tribunal militar. É condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo.
  • 5 de janeiro de 1895 - são-lhe retirados os galões de oficial numa cerimônia humilhante.
  • 21 de fevereiro de 1895 - Dreyfus embarca para a prisão na ilha.
  • Finais de Outubro de 1896 - o jovem jornalista Bernard Lazare publica uma brochura chamada "O erro judiciário - A verdade sobre o caso Dreyfus"
  • 10 de novembro de 1896 - o jornal "Le Matin" publica o bordereau, onde se pode ver a assinatura.
  • 11 de novembro de 1897 - Mathieu Dreyfus, o irmão de Alfred, descobre que Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy foi o verdadeiro culpado (um senhor Castro reconheceu no bordereau a assinatura de um seu cliente).
  • 13 de janeiro de 1898 - é publicado o "J'accuse" no "L'Aurore (tiragem de 300.000 cópias)
  • Finais de janeiro de 1898 - Violência antissemita na Argélia
  • 23 de fevereiro de 1898 - após processo, Zola é condenado a um ano de prisão e 3.000 francos de multa (o escritor Octave Mirbeau paga a multa). Perrenx, dono do "Aurore" foi condenado a 4 meses de prisão e 3.000 francos de multa
  • 3 de junho de 1899 - o tribunal de cassação anula o julgamento de 1894 e reabre o processo, reenviando Dreyfus a um novo conselho de Guerra. Zola é autorizado a regressar do exílio da Inglaterra.
  • 7 a 9 de agosto de 1899 - conselho de Guerra em Rennes- Dreyfus permanece um traidor e é condenado a 10 anos de prisão.
  • 19 de setembro de 1899 - Dreyfus é anistiado e deixa a prisão, apesar de continuar a ser considerado culpado
  • 29 de setembro de 1902 - Émile Zola não veria o fim do processo - é encontrado morto por asfixia em circunstâncias misteriosas e não esclarecidas até hoje.
  • 7 de abril de 1903 – Jean Léon Jaurès , um político socialista francês, apresenta várias inconsistências do Caso Dreyfus, forçando sua reabertura.
  • 9 de março de 1905 o Procurador-Geral Baudouin emitiu um relatório de 800 páginas no qual ele exigiu que fosse anulado todo o processo contra Alfred Dreyfus, e denunciou o exército por ter forjado provas
  • 12 de julho de 1906 - Dreyfus é finalmente reabilitado
  • 4 de junho de 1908 - Cerimônia da transferência das cinzas de Zola para o Panthéon. Tentativa de homicídio contra Alfred Dreyfus, que é ferido num braço.
     


Alfred Dreyfus em 1935, o ano de seu falecimento.

Fonte: Wikipédia


Tags: Alfred Dreyfus, Caso Dreyfus, anti-semitismo, judeu






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 22.07

  • Dia de Santa Maria Madalena
  • Dia do Anjo Imamaiah
  • Dia do Cantor Lírico