Últimas notícias

Hoje na história

RSS
01 de agosto de 1714.

George I ascende ao trono da Grã-Bretanha.

Jorge c. 1714, por Godfrey Kneller, na National Portrait Gallery.

George I (Hanôver, 28 de maio de 1660 – Osnabruque, 11 de junho de 1727) foi o Rei da Grã-Bretanha e Irlanda de 1º de agosto de 1714 até sua morte, e também governante do Eleitorado de Brunsvique-Luneburgo a partir de 1698.

George nasceu em Hanôver, Sacro Império Romano-Germânico, filho mais velho de Ernesto Augusto de Hanôver e Sofia do Palatinado, neta do rei Jaime VI da Escócia & I da Inglaterra através de sua mãe, Isabel da Boêmia.

Ele herdou os títulos e terras de seu pai e tios. Sucessivas guerras expandiram seus domínios germânicos, e ele foi ratificado como príncipe-eleitor de Hanôver em 1708. Após a morte da rainha Ana da Grã-Bretanha, George ascendeu ao trono britânico aos 54 anos como o primeiro monarca da Casa de Hanôver. Apesar de mais de cinquenta católicos terem uma relação de parentesco mais próxima de Ana, o Decreto de Estabelecimento de 1701 impedia que católicos assumissem o trono britânico; George era o parente protestante mais próximo da rainha. Em retaliação, os jacobitas tentaram sem sucesso depor George e substituí-lo pelo meio-irmão católico de Ana, Jaime Francisco Eduardo Stuart.

Durante o reinado de George, os poderes da monarquia foram diminuídos e a Grã-Bretanha começou uma transição para o sistema moderno de governo do conselho de ministros liderados por um primeiro-ministro. Ao final de seu reinado, o verdadeiro poder foi exercido por Sir Robert Walpole. George morreu durante uma viagem de volta para Hanôver, sendo sucedido pelo filho George II.

Ascenção ao trono

Apesar da Inglaterra e da Escócia reconhecerem Ana como sua rainha, apenas o parlamento inglês tinha escolhido Sofia como sua herdeira. O parlamento escocês ainda não havia encerrado formalmente a questão da sucessão do trono escocês. Em 1703, a Escócia aprovou um projeto de lei que declarava que sua escolha do sucessor de Ana não seria o mesmo indivíduo que o sucessor inglês, exceto se a Inglaterra garantisse liberdade total para a troca de mercadorias escocesas nas colônias e na Inglaterra. O Consentimento Real foi inicialmente retido, porém Ana concordou com as exigências da Escócia no ano seguinte e aprovou o projeto, que se transformou no Decreto da Seguridade de 1704. Em resposta, o parlamento inglês aprovou medidas que ameaçavam restringir a troca anglo-escocesa e enfraquecer a economia da Escócia se eles não concordassem com a sucessão hanoveriana. Posteriormente, os dois parlamentos concordaram com o Tratado de União de 1707 que unia a Inglaterra e a Escócia em uma única entidade política, o Reino da Grã-Bretanha, e assim definindo as regras da sucessão como previstas no Decreto de Estabelecimento de 1701.

Os políticos whigs acreditavam que o parlamento tinha o direito de determinar a sucessão e colocá-la no parente protestante mais próximo da rainha, enquanto que os tories estavam mais inclinados a acreditar no direito hereditário dos Stuarts. George anunciou em 1710 que sucederia ao trono britânico pelo direito hereditário, já que o direito tinha sido removido dos católicos da Casa de Stuart, sobrando apenas ele. "Essa declaração foi feita para rebater a interpretação dos whigs de que o parlamento havia lhe dado o reino [e] ... convencer os tories de que ele não era nenhum usurpador".


Sofia de Hanôver, teria sido Rainha da Grã-Bretanha caso não tivesse falecido poucas semanas antes da morte de sua prima, a Rainha Ana.

Sofia morreu em 8 de junho de 1714 aos 83 anos de idade. Ela desmaiou nos Jardins de Herrenhausen enquanto corria para se abrigar da chuva. George era agora o herdeiro direto de Ana. Ele rapidamente revisou os membros do Conselho Regencial que assumiriam o poder após a morte da rainha, já que era de conhecimento público que a saúde de Ana estava se deteriorando e que os políticos britânicos estavam brigando pelo poder. Ela sofreu um derrame, ficando impossibilitada de falar, e morreu no dia 1º de agosto de 1714. A lista de regentes foi aberta, os membros prestaram juramento e George foi proclamado rei da Grã-Bretanha e Irlanda. Ele ficou alguns dias em Haia porque ventos contrários impediram sua viagem, chegando na Inglaterra apenas em 18 de setembro. George foi coroado em 20 de outubro 1714 na Abadia de Westminster. Sua coroação foi acompanhada de revoltas em mais de vinte cidades no país.


George I
Rei da Grã-Bretanha, França e Irlanda
Arquitesoureiro e Príncipe-Eleitor
do Sacro Império Romano-Germânico
Duque de Brunsvique-Luneburgo.
Retrato por Godfrey Kneller, 1714

George foi viver na Grã-Bretanha depois de 1714, apesar de ter visitado Hanôver em 1716, 1719, 1720, 1723 e 1725; no total, George passou na Germânia um quinto de seu reinado. Uma cláusula no Decreto de Estabelecimento que proibia que o monarca deixasse o país sem permissão do parlamento foi rejeitada de forma unânime em 1716. Apenas na primeira visita o poder foi colocado nas mãos de seu filho, George Augusto, Príncipe de Gales, em todas as outras ficou com o conselho regencial.

Fonte: Wikipédia


Tags: George I, Trono, rei, Grã-Bretanha, Inglaterra, Hanôver






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 15.11

  • Dia de Nossa Senhora do Rocio
  • Dia do Anjo Ieiaiel
  • Dia do Esporte Amador
  • Dia do Joalheiro
  • Dia do Santo Alberto Magno
  • Dia Nacional da Umbanda
  • Proclamação da República