Últimas notícias

Hoje na história

RSS
22 de março de 1920.

Massacre de Shusha: soldados do exército do Azerbaijão e da Turquia, com a participação de grupos curdos, atacam os habitantes armênios de Shusha (Nagorno-Karabakh).

Ruínas da parte armênia de Shusha após o pogrom de 1920. Ao fundo a igreja armênia da Santa Mãe de Deus (Kanach Zham).

O Pogrom de Shusha (Massacre de Shusha) (em armênio: Շուշիի ջարդեր) foi um pogrom contra a população de etnia armênia em Shusha, uma cidade na região de Nagorno-Karabagh. O massacre ocorreu entre 22 e 26 de março de 1920, e foi motivado pela disputa entre a Armênia e o Azerbaidjão pela região.

Estima-se que entre 500 e 30.000 armênios foram mortos, o que resultou na eliminação da população armênia da cidade. O número de azerbaijanos varia conforme a fonte.

Pano de fundo

No final da Primeira Guerra Mundial, a propriedade do território de Nagorno-Karabagh foi disputada entre as recém-fundadas repúblicas da Armênia e do Azerbaidjão. Shusha - o maior assentamento do território, sua capital, e com uma população mista que consistia na maior parte de Armênios étnicos (que eram a maioria) e de Azeris - se encontravam no centro da disputa.

O governo do Azerbaijão proclamou em Baku a anexação do território disputado e, em 15 de janeiro de 1919, nomeou Khosrov bek Sultanov, o "proprietário de vastas áreas de Karabagh, um panturquista fervoroso, amigo dos ittihadistas de Constantinopla e um terror para todos os armênios", como governador-geral de Karabagh.

A Grã-Bretanha (que tinha um pequeno destacamento de tropas estacionadas em Shusha) concordou com a nomeação de Sultanov como governador provisório, mas insistiu que uma decisão final sobre a propriedade do território deveria ser decidida somente em uma futura Conferência de Paz.

Em resposta à nomeação de Sultanov, a Assembleia Geral dos Armênios de Karabagh (Conselho Nacional Armênio de Karabagh), reunida em Shusha em 19 de fevereiro de 1919, "rejeitou com indignação legítima toda a pretensão do Azerbaijão em relação ao Karabagh armênio, declarando Karabagh parte integrante da Armênia".

Em 23 de abril de 1919, o Conselho Nacional de Karabagh reuniu-se novamente em Shusha e rejeitou a reivindicação de soberania do Azerbaijão, insistindo em seu direito à autodeterminação. Depois disso, um destacamento local do Azerbaijão cercou os bairros armênios de Shusha, exigindo que os habitantes rendessem a fortaleza. Tiros foram disparados, mas com a mediação dos britânicos, os armênios concordaram em render-se a eles.


A metade armênia de Shusha foi destruída pelas forças armadas do Azerbaijão em 1920. A catedral do Santo Salvador e a igreja de Aguletsots aparecem ao fundo.

Entre 4 e 5 de junho de 1919, ocorreram confrontos armados em Shusha entre as duas comunidades e Sultanov começou um bloqueio dos bairros armênios da cidade.

Enfermeiras norte-americanas que trabalhavam em Shusha para a Near East Relief, escreveram sobre o massacre de 700 habitantes cristãos da cidade cometido pelos tártaros.

Um cessar-fogo foi rapidamente organizado depois que o lado armênio concordou com a condição de Sultanov de que os membros do Conselho Nacional armênio deixassem a cidade. No entanto, uma nova onda de violência então varreu aldeias vizinhas povoadas por armênios: Em meados de junho, os azeris reuniram cerca de 2.000 homens, atacaram, saquearam e queimaram uma grande aldeia armênia, Khaibalikend, nos arredores de Shusha, e aproximadamente 600 armênios foram mortos.

O sétimo Congresso dos Armênios de Karabagh foi convocado em Shusha em 13 de agosto de 1919. Concluiu-se com o acordo de 22 de agosto de 1919, segundo o qual Nagorno-Karabagh se consideraria provisoriamente dentro das fronteiras da República do Azerbaijão até que seu status definitivo fosse decidido na Conferência de Paz em Paris.

Em 19 de fevereiro de 1920 Sultanov emitiu uma exigência de que o Conselho Nacional Armênio de Karabagh "urgentemente resolvesse a questão da incorporação final de Karabagh ao Azerbaijão".

O Conselho, em seu oitavo congresso, de 23 de fevereiro a 4 de março de 1920, respondeu que a demanda do Azerbaijão violava os termos do acordo provisório de 22 de agosto e advertiu que "a repetição dos eventos obrigará os armênios de Nagorno-Karabagh a recorrer aos meios apropriados para sua defesa". Os armênios de Karabagh prepararam uma revolta contra o poder do Azerbaijão.

A revolta

De acordo com o historiador Richard Hovannisian, o fracasso em Khankendi selou a condenação de Shusha.

"Como planejado, a milícia Varanda entrou em Shushi na noite de 22 de março de 1920, supostamente para receber seu salário e felicitar o Governador-Geral Sultanov por ocasião de Novruz Bayram.

Na mesma noite, cerca de 100 homens armados liderados por Nerses Azbekian entraram na cidade para desarmar a guarnição azerbaijana no bairro armênio. Mas tudo deu errado. Os milicianos de Varanda passaram a maior parte da noite comendo e bebendo e estavam desatentos para assumir suas posições designadas, enquanto que o destacamento de Azbekian, falhando em se juntar à milícia, começou a disparar no forte azerbaijano de longe, despertando as tropas que logo se armaram. Foi só então que os milicianos de Varanda foram despertados e começaram a prender oficiais azerbaijanos alojados em casas armênias.

A confusão de ambos os lados continuou até o amanhecer, quando os azerbaijanos souberam que sua guarnição em Khankend tinha resistido e, encorajados, começaram a se espalhar para o bairro armênio. A luta pegou os armênios de Shushi de surpresa. Vários milhares fugiram sob a cobertura da névoa densa por Karintak no lado de Varanda.

Audrey L. Altstadt escreve, referindo-se a um correspondente britânico em Baku, que os representantes das Potências Aliadas na região decidiram que a polícia de Karabakh deveria ser composta de igual número de armênios e azerbaijanos; No entanto, no final de março de 1920, a metade armênia da polícia teria assassinado a metade do Azerbaijão durante as tradicionais celebrações do feriado de Novruz Bayram.

O massacre

De acordo com Richard Hovannisian, "as tropas do Azerbaijão, unidas com habitantes da cidade, transformaram a parte armênia de Shushi em um inferno. Entre 23 a 26 de março, foram incendiadas cerca de 2.000 estruturas, incluindo as igrejas, e instituições públicas. O bispo Vahan (Ter-Grigorian), há muito defensor da acomodação com as autoridades do Azerbaijão, pagou o preço da retribuição, como sua língua sendo arrancada antes de sua cabeça ser cortada. O chefe de polícia, Avetis Ter-Ghukasian, foi transformado em uma tocha humana, e muitos intelectuais, incluindo o bolchevique Alexander Tsaturyan, estavam entre as 500 vítimas armênias".

De acordo com a descrição do comunista azerbaijano Odzhakhkuli Musayev, "o assassinato implacável de mulheres indefesas, crianças, velhas e velhos começou, e os armênios foram expostos a uma matança em massa .... E que belas meninas armênias foram estupradas e depois assassinadas. ... Por ordem de Khosrov bek Sultanov, os pogroms prosseguiram por mais de seis dias, as casas na parte armênia foram depredadas, saqueadas e reduzidas a cinzas e todos levaram as mulheres para onde queriam, para os executores musavatistas.

Esses atos historicamente "astutos" de Khosrov bek Sultanov, convenceram os muçulmanos sobre uma guerra santa (Jihad) e pediu-lhes para acabar com os armênios da cidade de Shusha, não poupando mulheres, crianças, etc... "

De acordo com a Grande Enciclopédia Soviética (Terceira Edição, 1970), esses eventos contribuíram para a morte de 2.096 pessoas da população da cidade. Posteriormente, apenas algumas famílias armênias permaneceram.

Baixas (mortes)

De acordo com os últimos dados estatísticos publicados no calendário do Cáucaso em 1917, em 1916, pouco antes da revolução russa, a população da cidade de Shusha era de 43.869, dos quais 23.396 (53%) eram armênios e 19.121 (44%) eram tártaros do Azerbaijão e 1.352 (3,1%) eram de outras nacionalidades. Em 1926  a população da cidade de Shusha era de 5.104, dos quais 93 (1,8%) eram armênios e 4.900 (96,4%) eram tártaros do Azerbaijão e 111 (2,2%) eram de outras nacionalidades.

As estimativas de números de vítimas são incertas e variadas: 500 a 20.000-30.000 vítimas armênias - e destruição de muitos edifícios em Shusha.

Fonte: Wikipédia


Tags: Armênia, Turquia, armênios, Pogrom, Pogrom de Shusha, massacre, Nagorno-Karabagh






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 21.10

  • Dia da Iluminação
  • Dia de Santo Hilarião
  • Dia do Anjo Yabamiah
  • Dia do Contato
  • Dia do Contato Publicitário
  • Dia do Ecumenismo
  • Dia do Lixeiro
  • Dia do Securitário