Últimas notícias

Hoje na história

RSS
Sexta-Feira, 19 de Maio de 1909.

Nasce Nicholas Winton, britânico que salvou crianças judias dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial

Nicholas Winton em Praga (10/10/2007)

Nicholas Winton, Kt., MBE (nascido Nicholas Wertheim; Hampstead, 19 de maio de 1909 - Slough, 1º de julho de 2015) foi um britânico que organizou o resgate de 669 crianças em sua maioria judias na antiga Checoslováquia, antes delas serem deportadas para campos de concentração nazistas, salvando-as da morte certa em 1939, antes do início da Segunda Guerra Mundial. É muitas vezes chamado de Schindler britânico.

Nicholas Winton foi agraciado com a Ordem de Tomáš Garrigue Masaryk, Quarta Classe, pelo Presidente Checo em 1998.

No aniversário da rainha, em 1983, foi nomeado membro da Ordem do Império Britânico por seu trabalho na instalação de asilos da sociedade Abbeyfield na Grã-Bretanha e, em 2002, elevado a cavaleiro pela rainha Elizabeth II em reconhecimento ao seu trabalho no salvamento das crianças.

Nicholas Winton encontrou-se novamente com a Rainha durante a sua visita de Estado que ela fez à Eslováquia, em outubro de 2008.

O asteroide 19384 Winton foi nomeado em sua honra pelo casal de astrônomos checos Jana Tichá e Miloš Tichý.

Em 2008, Nicholas Winton foi homenageado pelo governo checo de várias formas: uma escola de ensino elementar em Kunžak recebeu seu nome e foi agraciado com a Cruz do Mérito do Ministério da Defesa, Grau I. Também foi indicado pelo governo checo para o Prêmio Nobel da Paz de 2008.

Por ter antepassados judeus, Winton não foi agraciado no quadro de Justos entre as Nações.

Trabalho humanitário

Pouco antes do Natal de 1938, Winton estava prestes a viajar para a Suíça para umas férias de esqui, quando decidiu viajar a Praga para ajudar seu amigo Martin Blake, que estava envolvido em trabalho humanitário com judeus. Ele ficou no Sroubek Hotel, na Wenceslas Square, e pouco tempo depois percebeu que não haviam planos específicos para salvar as vidas das crianças, criando a própria organização para ajudar crianças judias que corriam risco com nazistas.

Winton entrou em contato com Refugee Children's Movement (RCM), em Londres. A missão dessa organização era conseguir alojamento e a quantia de dinheiro que o governo Britânico requisitava como garantia para aprovar a entrada dos refugiados europeus perseguidos pelo nazismo.


Estátua em homenagem ao Refugee Children's Movement (RCM), localizada na estação de Liverpool Street.

Em novembro de 1938, pouco depois da Kristallnacht na Alemanha Nazista, a Câmara dos Comuns do Reino Unido aprovou uma medida que permitiu a entrada de refugiados com idade inferior a 17 anos, contanto que tivessem um lugar para ficar e £50 depositadas como garantia de pagamento de um bilhete para eventual retorno ao país de origem.

Durante nove meses ele tentou evacuar 669 crianças, por trem, de Praga para Londres. Entre eles estava Karel Reisz, que se tornaria uma famosa cineasta, autora do premiado filme "The French Lieutenant's Woman". Hoje em dia, acredita-se que existam mais de 5.000 crianças das chamadas "crianças de Winton" que seriam descendentes das crianças que Winton salvou .

Um nono trem com 250 crianças deveria ter partido em setembro de 1939, mas a data coincidiu com a declaração de guerra do Reino Unido à Alemanha. O trem não saiu da estação e as crianças não foram vistas novamente.


Estátua de Wintons na principal estação ferroviária de Praga, inaugurada em 1º de setembro de 2009.

Holanda

Um obstáculo importante foi conseguir permissão oficial para cruzar os Países Baixos, pois as crianças estavam destinadas a embarcar em uma balsa que ficava em Hoek van Holland. Após a Kristallnacht (noite dos Cristais), em 9 de novembro de 1938, o governo holandês fechou oficialmente as suas fronteiras a todos os refugiados judeus. Os guardas de fronteira (Marechaussee) procuraram ativamente por refugiados judeus e, quando encontrados, eram mandados de volta para a Alemanha, apesar dos horrores da Kristallnacht serem bem conhecidos nos Países Baixos (por exemplo, a partir da fronteira germano-holandesa na sinagoga de Aachen podia ser vista em chamas, a apenas 3 km de distância).

Winton, no entanto, teve sucesso graças às garantias de que ele tinha obtido dos britânicos. Após o primeiro trem, as coisas correram relativamente bem ao atravessar a Holanda. A holandesa Gertruida Wijsmuller-Meier salvou outras 10.000 crianças judias, principalmente de Viena e Berlim, mas não se sabe se ela e Winton se conheceram. Em 2012 uma estátua foi erguida no cais em Hoek van Holland para comemorar todos aqueles que salvaram crianças judias.


Estátua em homenagem a Gertruida Wijsmuller-Meier.

Winton encontrou casas na Grã-Bretanha para 669 crianças, muitas delas órfãs pois os pais tinham sido executados em Auschwitz. A mãe de Winton também trabalhou com ele para colocar as crianças em lares e albergues. Durante todo o verão, Winton colocou anúncios em busca de famílias para aceitá-los. O último grupo de 250 crianças, programado para sair de Praga em 1 de setembro de 1939, não chegou com segurança; os nazistas invadiram a Polônia, marcando o início da Segunda Guerra Mundial, e as crianças foram enviadas para campos de concentração.

Durante mais de cinco décadas Nicholas Winton não revelou esse trabalho humanitário para ninguém. A história foi a público quando sua esposa, Greta, descobriu no sótão de sua casa uma pasta que continha a lista das crianças salvas e cartas para os pais delas.

Fonte: Wikipédia


Tags: Nicholas Winton, solução final, Nazismo, Hitler, judeu, Segunda Guerra Mundial, crianças, refugiados, holocausto






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 23.08

  • Dia de Santa Rosa de Lima
  • Dia do Anjo Laoviah
  • Dia do Combate à Injustiça