Últimas notícias

Hoje na história

RSS
31 de maio de 1921.

Rebelião Racial de Tulsa mata pelo menos 39 pessoas, mas outras estimativas de fatalidades negras variam de 55 a cerca de 300.

Casas e prédios comerciais queimadas em Greenwood

O Tumulto racial de Tulsa (também chamado de Massacre de Tulsa, Massacre de Greenwood ou Massacre de Black Wall Street) ocorreu em 31 de maio e 1º de junho de 1921, quando multidões de moradores brancos atacaram negros e suas residências e comércios no distrito de Greenwood, em Tulsa, Oklahoma. Foi chamado de "o pior incidente de violência racial da história norte americana". O ataque, realizado em solo e a partir de aviões particulares, destruiu mais de 35 quarteirões do distrito - na época a comunidade negra mais rica dos Estados Unidos, conhecida como "Black Wall Street". Mais de 800 pessoas foram internadas em hospitais e mais de 6.000 residentes negros foram presos e detidos, muitos por vários dias. O Departamento de Estatísticas de Oklahoma registrou oficialmente 36 mortos, mas a Cruz Vermelha Americana se recusou a fornecer uma estimativa. O exame de eventos da comissão estadual de 2001 estimou que entre 100 e 300 foram mortos durante os distúrbios.

O tumulto começou no fim de semana do Memorial Day, depois que Dick Rowland, 19 anos, um sapateiro negro, foi acusado de agredir Sarah Page, a operadora branca de 17 anos do elevador do edifício Drexel. A multidão de brancos irritados do lado de fora do tribunal onde Rowland estava sendo preso e a disseminação de rumores de que ele havia sido linchado assustaram a população negra local, alguns dos quais chegaram ao tribunal armados. Tiros foram disparados e doze pessoas foram mortas: dez brancos e dois negros. Quando a notícia dessas mortes se espalhou pela cidade, a violência da multidão explodiu: milhares de brancos invadiram o bairro negro naquela noite e no dia seguinte, matando homens, mulheres e crianças, queimando e saqueando lojas e casas: cerca de 10.000 negros ficaram desabrigados, e os danos materiais totalizaram mais de 1,5 milhão de dólares em imóveis e 750.000 dólares em bens pessoais (32 milhões em valores de 2019).

O tumulto foi amplamente omitido nas histórias locais, estaduais e nacionais: "O tumulto racial de Tulsa de 1921 raramente era mencionado em livros de história, salas de aula ou mesmo em conversas particulares. Negros e brancos cresceram até a meia-idade sem saber o que havia acontecido". Em 1996, setenta e cinco anos após o tumulto, um grupo bipartidário na legislatura estadual autorizou a formação de uma comissão para estudar o caso. Os membros foram nomeados para investigar eventos, entrevistar sobreviventes, ouvir testemunhos do público e preparar um relatório de eventos. Houve um esforço de educação pública sobre o massacre durante o processo. O relatório final da comissão, publicado em 2001, dizia que o governo da cidade conspirou com a multidão de brancos contra os cidadãos negros e recomendou um programa de reparações aos sobreviventes e seus descendentes. O estado aprovou uma legislação para estabelecer algumas bolsas de estudos para descendentes de sobreviventes, incentivando o desenvolvimento econômico de Greenwood e de um memorial em Tulsa em homenagem às vítimas do motim.

Antecedentes

A rebelião ocorreu na atmosfera racial e politicamente tensa do pós-Primeira Guerra Mundial do nordeste de Oklahoma. O território, que foi declarado um estado em 16 de novembro de 1907, tinha recebido muitos colonos do Sul que haviam sido donos de escravos antes da Guerra Civil Americana. No início do século 20, linchamentos não eram incomuns em Oklahoma, como parte de um esforço contínuo por brancos para afirmar e manter o domínio social. Entre a declaração de Estado e o motim da racial de Tulsa 13 anos depois, 31 pessoas foram linchadas em Oklahoma, 26 eram negros, em sua maioria homens. Durante os vinte anos seguintes à revolta, o número de linchamentos em todo o estado caiu para 2.

O legislativo estadual recém-criado tinha passado as leis de segregação racial, vulgarmente conhecidas como leis Jim Crow, como uma de suas primeiras ordens de trabalho. Sua constituição de e leis de 1907 tinham regras de registro de eleitores que efetivamente impedia o voto dos negros, assim como também os impediam de servir nos serviços de júri local, uma situação que durou até a legislação federal de direitos civis aprovada pelo Congresso dos EUA em meados da década de 1960. Tulsa aprovou uma lei em 16 de agosto de 1916, proibindo negros ou brancos de residir em qualquer bairro onde três quartos ou mais dos moradores eram de outra raça. Isso criou uma segregação residencial obrigatória na cidade. Embora o Suprema Corte dos Estados Unidos tenha declarado inconstitucional o decreto-lei no ano seguinte, a portaria permaneceu nos registros de leis da cidade.

Na perturbação social ocorrida após a Primeira Guerra Mundial, na tentativa de algumas cidades em absorver veteranos no mercado de trabalho, houve tensão social e um sentimento anti-negros, naquilo que ficou conhecido como "Verão Vermelho" de 1919, onde várias cidades industriais em todo o Centro-Oeste e Norte tiveram rebeliões raciais graves, em que os brancos étnicos organizaram tumultos e mataram inúmeros negros, e mais milhares de pessoas ficaram desabrigadas quando suas propriedades foram destruídas, como em Chicago, Omaha, Baltimore, Washington DC, e Filadélfia. Fortalecidos pelo serviço na Primeira Guerra Mundial, em cidades como Chicago, os negros lutaram.

No nordeste de Oklahoma existia uma crise econômica que acabou por tirar muitos homens do mercado de trabalho. Desde 1915, a Ku Klux Klan crescia em pequenos grupos urbanos em todo o Centro-Oeste, em particular com a volta dos veteranos da guerra, que fez sua primeira grande aparição (Ku Klux Klan) em Oklahoma em 12 de agosto de 1921, menos de três meses após a rebelião. O historiador Charles Alexander estima que até o final de 1921, Tulsa tinha cerca de 3.200 moradores da pertencentes a Klan.

O bairro tradicionalmente negro de Greenwood, em Tulsa tinha um distrito comercial tão próspero que era conhecido como o "Wall Street Negro" (agora comumente referido como "Black Wall Street", em inglês, com ‘negro’ trocado por ‘black’). Os negros criaram os seus próprios negócios e serviços dentro do enclave da segregação racial, incluindo mantimentos diversos, dois jornais independentes, dois cinemas, discotecas e inúmeras igrejas. Profissionais médicos negros, dentistas, advogados e clérigos a serviço da comunidade atuavam na região. Por causa da segregação residencial, a maioria dos negros viviam juntos em Greenwood. Eles selecionaram seus próprios líderes, e nos arredores do nordeste de Oklahoma os negros também desfrutavam de relativa prosperidade e participavam do boom do petróleo.

Vítimas

O número relatado de mortos varia muito. Em 1º de junho de 1921, o Tulsa Tribune informou que 9 brancos e 68 negros morreram no motim, mas pouco depois mudou para um total de 176 mortos. No dia seguinte, o mesmo jornal relatou a contagem como 9 brancos e 21 negros. O New York Times, disse que 77 pessoas foram mortas, incluindo 68 negros, mas depois reduziu o total para 33. O Departamento de Estatísticas Vitais de Oklahoma apontou para 36: 26 negros, 10 brancos. Willows Maurice, um funcionário da Cruz Vermelha, informou que até 300 negros foram mortos. Ele também relatou que houve uma corrida para enterrar os corpos e que não houve registros desses enterros.

Das cerca de 800 pessoas internadas em hospitais locais por lesões, a maioria acredita-se ter sido branco, já que os hospitais negros tinham sido queimados no tumulto. Além disso, mesmo se os hospitais brancos admitissem negros feridos no tumultuo, estes teriam poucos meios para chegar até esses hospitais, localizados nas regiões centrais da cidade. Mais de 6.000 moradores Greenwood foram presos e detidos em três instalações locais diferentes da cidade.

Vários negros foram conhecidos por terem morrido nos centros de internação. Enquanto acredita-se que a maioria das mortes foram devidamente registradas, não há registros encontrados quanto ao número de detentos que foram tratados por ferimentos e sobreviveram. Esses números poderiam ser razoavelmente mais de mil, talvez vários milhares.

Perdas de propriedades

A zona comercial de Greenwood foi destruída. Isto incluiu 191 lojas comerciais, uma escola secundária, várias igrejas e o único hospital do distrito. A Cruz Vermelha informou que 1.256 casas foram queimadas e outras 215 foram saqueadas, mas não queimadas. Os serviços mobiliários de Tulsa estimaram perdas de propriedade que totalizavam 1,5 milhão de dólares em imóveis e 750.000 em bens pessoais. Os cidadãos locais haviam registrado mais de 1,8 milhões de ações contra a cidade em 6 de junho de 1922 devido á rebelião.

Ações legais

Um júri em Tulsa decidiu que o chefe de polícia John Gustafson foi o responsável pelo tumulto porque ele negligenciou seu dever com a segurança da cidade e foi removido do cargo. Em um estudo posterior, ele foi considerado culpado de não ter tomado as devidas precauções para proteger a vida e a propriedade e por conspirar com ladrões de automóveis e tomar para si produtos de saques. No entanto, ele nunca chegou a cumprir pena, em vez disso, retornou a sua prática detetive particular. Não há registros legais que indiquem que qualquer outro funcionário branco foi acusado de má conduta ou até mesmo negligência pelo motim.

Dick Rowland permaneceu seguro na cadeia do condado até a manhã seguinte, quando ele foi levado para fora da cidade em sigilo. Todas as acusações foram retiradas. Ele nunca mais voltou para Tulsa.

Nenhuma acusação foi feita contra algum dos rebelados brancos.

Tentativa de impedir reconstrução de Greenwood

A divisão entre brancos e negros habitantes de Tulsa era tão profunda que nem o fim do motim foi necessário para reconciliar as partes antagonistas. A destruição generalizada de Greenwood não foi suficiente para os brancos que queriam fazer uma separação ainda maior entre eles e os negros. Um dos maiores empresários de Tulsa, W. Tate Brady, foi nomeado para o Real Estate Tulsa Exchange uma semana após o motim. Esta organização foi criada pela Câmara de Comércio Tulsa para estimar o valor das propriedades danificadas ou destruídas em Greenwood. A organização queria recolocar os negros na região mais ao norte e leste do que a Greenwood original. Em cooperação com a comissão da cidade, a organização preparou novos códigos de construção para a Greenwood original que faria a reconstrução proibitivamente cara para os proprietários originais. A terra poderia, então, ser reconstruído como um distrito comercial e industrial - não mais residencial. O plano nunca foi implementado porque o Supremo Tribunal de Oklahoma anulou os decretos propostos alegando serem inconstitucionais.

Reconciliação

Em 1996, na sequência de uma maior atenção para a rebelião por causa do 75º aniversário do evento, o legislativo estadual autorizou a Comissão da Rebelião de Tulsa, para estudar e preparar um "relato histórico" do motim. O estudo "contou com o apoio forte de membros de ambos os partidos políticos e todas as posições políticas".  A Comissão apresentou o seu relatório em 21 de fevereiro de 2001. O relatório recomendou ações substanciais de restituição, em ordem de prioridade:

  1. Pagamento direto de reparações aos sobreviventes do motim da racial de 1921 em Tulsa;
  2. Pagamento direto de reparação aos descendentes dos sobreviventes do motim racial de Tulsa;
  3. Bolsas de estudo disponíveis para os alunos afetados pelo motim da racial de Tulsa;
  4. Criação de uma zona econômica de desenvolvimento empresarial na zona histórica do distrito de Greenwood, e
  5. Um memorial para o enterro dos restos mortais de vítimas da rebelião.

O Tulsa Reparations Coalition, patrocinado pelo Center for Racial Justice, Inc., foi formado em 7 de abril de 2001, para obter a restituição dos danos sofridos pela comunidade negra de Tulsa, como recomendado pela Comissão de Oklahoma.

Em junho de 2001, a assembléia legislativa do Estado aprovou a lei "1921 Tulsa Race Riot Reconciliation Act", que vai além das recomendações da Comissão, e que prevê a seguinte:

  • Mais de 300 bolsas de estudos para filhos de moradores Greenwood;
  • Criação de um memorial para aqueles que morreram no motim, que foi dedicado em 27 de outubro de 2010; e
  • O desenvolvimento econômico em Greenwood.

O governo tem feito tentativas limitadas para encontrar valas comuns suspeitas de terem sido utilizadas para enterrar os números desconhecidos de negros mortos. A Comissão informou que eles não estavam autorizados a fazer a verificação arqueológica necessária para verificar as reivindicações.

Cinco sobreviventes idosos do motim, liderados por uma equipe jurídica, incluindo Johnnie Cochran e Charles Ogletree abriram um processo contra a cidade de Tulsa e o estado de Oklahoma ( Alexander et al., V Oklahoma, et al.) em fevereiro de 2003, com base nas conclusões do relatório de 2001. Ogletree disse que o Estado e a cidade deveriam indenizar as vítimas e suas famílias e "honrar as suas obrigações admitidas como detalhado no relatório da comissão." Os demandantes não procuravam reparações como tal, mas pediam educação e recursos de saúde para os atuais moradores de Greenwood. O tribunal rejeitou a ação, citando a lei de limitações sobre casos de mais de 80 anos de idade, e a Suprema Corte dos Estados Unidos se recusaram a ouvir o apelo. Em abril de 2007, Ogletree apelou para o Congresso dos EUA para aprovar uma lei estendendo o prazo prescricional para o caso.

Fonte: Wikipédia


Tags: Tulsa, Oklahoma, tumulto, massacre, racismo, negros, Ku Klux Klan, Black Wall Street






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 20.01

  • Dia de Santa Inês
  • Dia do Senado
  • Dia Mundial da Religião
  • Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa