Últimas notícias

Hoje na história

RSS
Domingo, 26 de Fevereiro de 1715.

Nasce Claude Adrien Helvetius, filósofo francês


Claude Adrien Helvétius (Paris, 26 de fevereiro de 1715 - Paris, 26 de dezembro de 1771) foi um filósofo e literato francês.

Filho de um médico de Luís XV estudou com os jesuítas no colégio Louis-le-Grand. Aos 23 anos, obteve o cargo de caseiro geral, com uma boa renda que lhe permitiu levar uma vida sem problemas, freqüentando os meios literários e artísticos. Casando-se, retirou-se para o campo, onde se dedicou à literatura. Hesitou muito tempo antes de encontrar o gênero literário que lhe convinha, até apresentar sua obra filosófica do espírito.

Sua obra é um testemunho das opiniões de seus contemporâneos, pelo menos daquelas que nenhum outro tinha coragem de confiar ao papel impresso. Devido, sobretudo ao seu anti-clericalismo, o livro foi condenado por uma carta apostólica do papa Clemente XIII, em 1759. Com isso, Helvétius resolveu nada mais publicar.

Em 1764 foi à Inglaterra e, no ano seguinte, à Prússia. A amizade com o enciclopedista Jean le Rond dAlembert abriu-lhe as portas da Academia de Berlim. Deixou diversas obras publicadas postumamente, entre elas: Verdadeiro sentido do sistema da natureza e do homem, das faculdades intelectuais e de sua educação. Este último, aliás, foi condenado pelo parlamento francês e queimado.

Impressionado pelas idéias de John Locke, Helvétius pretendeu ampliar o empirismo às questões morais e políticas. Considerava que todas as idéias eram apenas afecções dos sentidos, não havendo qualquer faculdade especial de reflexão que fosse distinta das sensações. Essa fonte única de todo conhecimento servia de base para a doutrina ética e social segundo a qual todos os homens eram iguais e teriam as mesmas aspirações. Todos os comportamentos humanos seriam fundamentados no interesse - impulso para a obtenção do prazer e a eliminação da dor. Através da educação, os homens deveriam ser levados a fazer com que seus interesses individuais coincidissem com os interesses da coletividade. Mas para isso era indispensável combater os grandes obstáculos constituídos pelas superstições e preconceitos religiosos, fomentados, segundo Helvétius, pelo egoísmo da classe sacerdotal.

Tags: Filósofo, filosofia






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 18.11

  • Dia da Dedicação das basílicas de São Pedro e São Paulo
  • Dia de Santa Maudez
  • Dia de Santo Edmundo
  • Dia do Anjo Nith-haiah
  • Dia do Conselheiro Tutelar
  • Dia do Tabelião e Registrador