Últimas notícias

Hoje na história

RSS
25 de janeiro de 2007.

Vendido em leilão, em Nova Iorque, a tela de Rembrandt “Santiago em Oração” por 25.800.000 de dólares

Santiago em Oração.

Santiago em Oração é uma obra-prima de Rembrandt Harmenszoon van Rijn, pintada pelo autor em 1661, na sua última década de vida. É um óleo sobre tela, encontra-se assinado Rembrandt f. 61 e tem as medidas de 92,1 por 74,9 cm.

A tela, pouco conhecida até 2007, encheu páginas e capas de jornais e revistas de todo o mundo, por ter sido leiloada, a 25 de janeiro de 2007, em Nova Iorque, na casa de leilões Sotheby's, pela quantia de US$ 25.800.000.

A pintura do Apóstolo Santiago como um peregrino em oração, pertence a um grupo de retratos bíblicos pintados por Rembrandt nas décadas de 1650 e 1660, referidos como retratos religiosos.


Autorretrato de Rembrandt (1642).

Este período foi extremamente tumultuado e agitado para Rembrandt, mas também um dos mais notáveis, da sua vida artística. Em 1656, a vida luxuosa e dispendiosa que Rembrandt levava desde que começou a ter sucesso chegara ao fim. Agora, as suas finanças estavam em declínio, juntamente com a sua vida sentimental. Desde a morte de Saskia que Rembrandt se achava triste e enfadado, tristeza que não se alienou à morte prematura de dois dos seus filhos.

Nesse ano leiloou a sua vasta coleção de arte, depois a sua casa e seguidamente o seu próprio estúdio, o seu atelier. Tudo para quitar as suas vastas dívidas.


Busto de Santiago em Santiago em Oração.

Depois de A lição de anatomia do Dr. Tulp, a sua mais importante encomenda após A Ronda Noturna, decidiu aliar-se de novo à pintura retratista. Criou um novo estilo, sagaz, intenso e emotivo, fulminante de verdade, de realismo, fundido com a Pintura Histórica.

Neste período final da sua vida, Rembrandt quebrou barreiras nas diferentes categorias da pintura e criou algumas convenções na sua obra. O termo «retratos religiosos» sugere-nos a pintura de cenas e/ou individualidades bíblicas, normalmente com inspirações clássicas e muitas vezes com recorrência à representação da tragédia e do sofrimento e da dor. Esses quadros são fulminantes de emoções. Mas Rembrandt nunca apreciou muito essa alegoria, e muito menos essas tristeza e tragédia. Ele era um boémio. Basta observar a magnífica Ronda Noturna para o sabermos.

Mas quando fazia um retrato, o artista sabia o que queria: realidade. Rembrandt gostava de expressar através da pintura, tudo o que os seus modelos sentiam, pensavam, ou seja, a forma como realmente eram. Em cada traço, em cada olhar, em cada ruga, Rembrandt expressa a realidade por de trás de uma face, de um corpo aparentemente vulgar.

Juntamente com Santiago em oração, Rembrandt criou outras várias pinturas com o mesmo teor.

O rico creme, o vermelho e o castanho aplicados na figura do apóstolo, foram aplicados como uma pasta, grossa e borbulhante. Com inúmeras rugas, e a marca de uma vida longa exposta ao sol, sofrida de trabalho, a pele do Apóstolo adquire uma forma quase real. Com esta técnica de pintura, o artista holandês cria um quase baixo-relevo, devido à quantidade de tinta aplicada.

A técnica não foi muito apreciada pelos seus contemporâneos, que preferiam trabalhar com pinceladas refinadas e elegantes. Rembrandt decidiu esquecer o sentido decorativo da arte, em especial da pintura, e concentrou-se no significado do seu trabalho. Neste caso, a vida interior e a essência de um homem, foram o objectivo que o pintor aspirou conseguir. E conseguiu quase perfeitamente. É por isso que esta é considerada uma das últimas obras-primas do holandês seiscentista.

É também uma raridade, visto que, por esta altura, Rembrandt não costumava fazer retratos de perfil. Aqui, Santiago surge retratado de perfil, com uma postura curva, relaxada, com a face erguida para a frente, de olhar terno, cansado e crente, deixando antever a fervorosa devoção religiosa. Uma expressão devota, intensificada pelas vestes cor-de-palha do santo.

As suas mãos, rugosas, surgem erguidas à medida do pescoço, cruzadas, em oração perene, de cotovelos apoiados sobre uma pedra gasta, onde repousa o chapéu de abas do apóstolo. Um chapéu debruado com elegância, que contrasta com a pobreza das vestes do santo, que, inclusive, se encontram remendadas. No fundo da composição, encostado às rochas, está o cajado que acompanhou Santiago ao longo da sua vida peregrina.

Mas Rembrandt primou também pela pintura dos pormenores da figura, com grande destreza na representação das costuras dos remendos sobre a capa do santo e na plasticidade do camiseiro branco, retido pelo traje castanho, e que se deixa mostrar na gola e nos pulsos.

Uma pintura dos últimos anos de Rembrandt, já não aparecia publicamente em leilões desde 1961. Em 1955, esta pintura foi adquirida por Stephen Carlton Clark, e doada posteriormente à Fundação Shippy para a Justiça Social e Serviço Humanitário e Educativo. Esta fundação de caridade resolveu levar o quadro a leilão. Assim, este tornou-se o segundo quadro mais caro de Rembrandt, ofuscando o recorde de US$ 29.000.000 obtido em 2001. O quadro foi então vendido por US$ 25.800.000 dólares, passando a sua estimativa máxima em US$ 800.000s. O comprador da tela decidiu manter o seu anonimato.

Juntamente com este, outra tela de Rembrandt foi vendida por US$ 9.000.000: Retrato de uma senhora com capa preta. Todavia, na venda estiveram representados também pintores como Peter Paul Rubens, Anthony van Dyck, Bassano e El Greco.

Fonte: Wikipédia

 


Tags: Tela, quadro, Rembrandt






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 19.09

  • Dia de São Geraldo
  • Dia de São Januário
  • Dia do Anjo Haamiah
  • Dia do Ortopedista
  • Dia do Teatro