Últimas notícias

Hoje na história

RSS
01 de Janeiro de 1876.

O desenhista italiano 'Angelo Agostini', criador da primeira história em quadrinhos brasileira e uma das mais antigas do mundo, funda a Revista Ilustrada

José Bonifácio perdendo as estribeiras... A Illustrada não poupava as figuras proeminentes do Império.

A Revista Illustrada foi uma publicação satírica, política, abolicionista e republicana brasileira, fundada em 1º de janeiro de 1876 no Rio de Janeiro pelo ítalo-brasileiro Angelo Agostini, circulando durante os anos de 1876 a 1898.

Características

Com oito páginas, a Revista possuía uma tiragem semanal de quatro mil exemplares retratando de modo satírico os fatos ocorridos. Não tinha patrocinadores nem veiculava propagandas ou reclames, tendo sua única subsistência advinda da venda dos exemplares. Isso se passou, entretanto, apenas durante a primeira fase da publicação.

A Revista teve duas fases distintas:

  • A primeira, sob a direção de Agostini, que durou até quando da Proclamação da República (1889), quando o artista - assim como o Imperador - deixam o país; este, por conta do golpe militar; aquele, por haver fugido com uma amante.
  • A segunda, sob a direção do também caricaturista Pereira Neto, funcionou de forma intermitente. O retorno de Agostini, em 1895, fê-lo tornar-se apenas um funcionário. A Revista viria a desaparecer, definitivamente, pouco tempo após.

O pesquisador Marcus Tadeu Daniel Ribeiro, especialista na história da Illustrada, assinala que a primeira fase da revista (de 1876 a 1888, segundo ele) teve seu sucesso devido ao fato de reportar as grandes aspirações do público numa linguagem acessível (para o que contribuíam as ilustrações), e por sua completa independência e liberdade editorial.

Pioneirismo em HQ

A Revista Illustrada publica, em 1884 aquela que é considerada a primeira história em quadrinhos do Brasil. As Aventuras de Zé Caipora, voltada ao público infantil, trouxe a lume a personagem que viria a ser recorrente na revista.

Zé Caipora ilustrou capas da Revista, como a de número 369 e, quando da edição comemorativa de doze anos da publicação, foi feito um desenho em folha dupla, nas páginas centrais, espécie de pôster, com a personagem.


‘O nosso Zé Caipora’, 1886.

Agostini e a Oposição

Dono de traço inconfundível, Agostini - que já havia participado como ilustrador de outras publicações  - iniciou sua própria edição semanal da Revista, tornando-se rapidamente num dos grandes veículos opositores ao regime monárquico e à escravidão.

Em suas páginas o caricaturista atacava de modo contumaz e ácido a figura do Imperador Pedro II, sendo considerado um dos responsáveis pela deterioração da imagem pública do soberano: para se ter ideia da ferocidade dos ataques, numa edição de 1882 a Revista traz uma história em quadrinhos onde o soberano é acusado de acobertar os ladrões das joias da coroa, como se fosse cúmplice destes. Tais ataques exerciam grande influência na opinião pública coetânea.

Seu posicionamento anti-escravocrata era tão lapidar que o principal líder do abolicionismo, Joaquim Nabuco, apelidara-a de Bíblia da Abolição. Quando da Lei Áurea a Revista dedicou um número cuja capa celebrizou-se com a figuração da festa pelo fim da prática hedionda.

Disputa célebre

Concorria a Illustrada com a revista O Besouro, sob a direção do artista luso Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905). Segundo o pesquisador português José Augusto França as provocações de Agostini na Illustrada teriam levado Bordalo a reagir de modo violento e explosivo. O episódio de provocações passou-se entre novembro e dezembro de 1878, quando Agostini - que atacava a tudo e a todos - provocara o rival, levado pela queda de compradores junto à grande comunidade lusitana do Rio de Janeiro. Quando reage, Bordalo retrata Agostini como um engraxate, mandando-o "à margem". Este reage, dizendo que "Agradecemos a fineza. Sabemos reconhecer que à margem d'O Besouro é o lugar mais limpo dessa folha". Colaboradores de Bordalo deixam o periódico, que fecha, voltando o cartunista para Portugal, em março do ano seguinte.

A República e o fim

Com a República e o fim da escravidão, a realidade no país não sofre grandes mudanças; O conteúdo crítico original perde sentido - e Agostini já não é mais o porta-voz dos anseios populares, agora às voltas com os descaminhos do novo Regime. A Illustrada calara-se durante o ditatorial governo de Floriano Peixoto, e vivendo a sua segunda fase em dependência e envolvimento com o novo Regime, perdeu sua cumplicidade com o público, e desaparecendo definitivamente.

Fonte: Wikipédia


Tags: HQ, quadrinhos, revista em quadrinhos, Angelo Agostini, Richard Outcalt, The Yellow Kid, As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de Uma Viagem à Corte, Diabo Coxo, Revista Illustrada






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 23.02

  • Dia da Sedução
  • Dia de São Policarpo
  • Dia do Boticário
  • Dia do Rotariano (Rotary Club)
  • Dia do Surdo-mudo