Últimas notícias

Hoje na história

RSS
26 de julho de 1956.

O presidente do Egito Gamal Abdel Nasser nacionalizou o Canal de Suez

O Canal de Suez

O canal de Suez é uma via navegável artificial a nível do mar localizada no Egito, entre o Mediterrâneo e o mar Vermelho. Inaugurado em 17 de novembro de 1869, após 10 anos de construção, permite que navios viajem entre a Europa e a Ásia Meridional sem ter de navegar em torno de África, reduzindo assim a distância da viagem marítima entre o continente europeu e a Índia em cerca de 7 mil quilômetros. Na ponta norte do canal está Porto Said, onde existem duas saídas para o mar; no lado sul está a cidade de Suez, onde há uma saída para o mar. Ismaília está em sua margem oeste, a 3 km a partir da metade do canal. Em 2012, 17 225 navios atravessaram a passagem de Suez, uma média de 47 por dia.


Gravura de 1881 do Canal de Suez.

Quando construído, o canal tinha 164 km de comprimento e 8 metros de profundidade. Depois de vários alargamentos, tem 193,30 km de comprimento, 24 m de profundidade e 205 m de largura. A passagem consiste do canal de acesso norte de 22 km, do próprio canal de 162,25 km e do acesso sul, de 9 km.


Uma das primeiras travessias do canal no século XIX.

O canal tem paradas na passagem de Ballah e no Grande Lago Amargo. A via não contém eclusas; a água do mar flui livremente através dela. Em geral, o canal a norte dos lagos amargos fluem para o norte no inverno e para o sul no verão. A sul dos lagos, as seguem a maré em Suez. O canal pertence e é mantido pela Autoridade do Canal do Suez (SCA) do governo do Egito. Nos termos da Convenção de Constantinopla, ele pode ser usado "em tempo de guerra como em tempo de paz, por todos os navios de comércio ou de guerra, sem distinção de bandeira."

Em agosto de 2014, foi iniciada a expansão da passagem de Ballah em 35 km, ao custo de 8,4 bilhões de dólares, para aumentar a capacidade do canal. O financiamento foi providenciado através da emissão de certificados de investimento exclusivamente para entidades e indivíduos egípcios. Esta expansão deve dobrar a capacidade do canal de Suez 49 para 97 navios por dia. O "Novo Canal de Suez", como a expansão foi apelidada, foi inaugurado em uma cerimônia no dia 6 de agosto de 2015.

A crise do canal em 1956

Em 26 de julho de 1956 o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser decidiu nacionalizar o canal, a fim de facilitar o financiamento da construção da represa de Aswan, e em resposta à recusa de os EUA e o Reino Unido para financiar a obra. A medida foi recebida com indignação pela França e pelo Reino Unido, os principais acionistas do canal de Suez, e os beneficiários máximos do óleo que flui através dele.

A Crise de Suez, também conhecida como Guerra de Suez, foi uma crise política que teve início em 29 de outubro de 1956, quando Israel, com o apoio da França e Reino Unido, que utilizavam o canal para ter acesso ao comércio oriental, declarou guerra ao Egito. O presidente do Egito, Gamal Abdel Nasser havia nacionalizado o canal de Suez, cujo controle ainda pertencia à Inglaterra. Em consequência, o porto israelense de Eilat ficaria bloqueado, assim como o acesso de Israel ao mar Vermelho, através do estreito de Tiran, no golfo de Acaba.


O estreito de Suez.

No início de 1957, após a intervenção da ONU, a retirada das potências europeias e Israel foi concluída. O canal foi reaberto no mesmo ano.

A Guerra dos Seis Dias (1967), entre Egito e Israel, voltou a afetar o funcionamento do canal, que permaneceu fechado para o trânsito comercial durante os cinco anos que durou a ocupação israelense.

Em outubro de 1973, após a guerra egípcio-israelense do Yom Kipur, o Canal de Suez foi reaberto. Desde então, nunca teve suas atividades suspensas.

Fonte: Wikipédia


Tags: Suez, Canal, Canal de Suez, Gamal Abdel Nasser






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 20.04

  • Dia do Diplomata
  • Dia do Disco
  • Santa Inês de Montepulciano