Últimas notícias

Hoje na história

RSS
04 de setembro de 0476.

Tem início a Idade Média quando Rômulo Augusto, último imperador do Império Romano do Ocidente, é deposto quando Odoacro se proclama "rei da Itália", terminando.

Rômulo Augusto abdica à coroa.

A Idade Média (adj. medieval) é um período da história da Europa entre os séculos V e XV. Inicia-se com a Queda do Império Romano do Ocidente e termina durante a transição para a Idade Moderna. A Idade Média é o período intermédiário da divisão clássica da História ocidental em três períodos: a Antiguidade, Idade Média e Idade Moderna, sendo frequentemente dividido em Alta e Baixa Idade Média.

Durante a Alta Idade Média verifica-se a continuidade dos processos de despovoamento, regressão urbana, e invasões bárbaras iniciadas durante a Antiguidade Tardia. Os ocupantes bárbaros formam novos reinos, apoiando-se na estrutura do Império Romano do Ocidente. No século VII, o Norte de África e o Oriente Médio, que tinham sido parte do Império Romano do Oriente tornam-se territórios islâmicos depois da sua conquista pelos sucessores de Maomé. O Império Bizantino sobrevive e torna-se uma grande potência. No Ocidente, embora tenha havido alterações significativas nas estruturas políticas e sociais, a ruptura com a Antiguidade não foi completa e a maior parte dos novos reinos incorporaram o maior número possível de instituições romanas pré-existentes. O cristianismo disseminou-se pela Europa ocidental e assistiu-se a um surto de edificação de novos espaços monásticos. Durante os séculos VII e VIII, os Francos, governados pela dinastia carolíngia, estabeleceram um império que dominou grande parte da Europa ocidental até ao século IX, quando se desmoronaria perante as investidas de Víkings do norte, Magiares de leste e Sarracenos do sul.

Durante a Baixa Idade Média, que teve início depois do ano 1000, verifica-se na Europa um crescimento demográfico muito acentuado e um renascimento do comércio, à medida que inovações técnicas e agrícolas permitem uma maior produtividade de solos e colheitas. É durante este período que se iniciam e consolidam as duas estruturas sociais que dominam a Europa até ao Renascimento: o senhorialismo – a organização de camponeses em aldeias que pagam renda e prestam vassalagem a um nobre – e o feudalismo — uma estrutura política em que cavaleiros e outros nobres de estatuto inferior prestam serviço militar aos seus senhores, recebendo como compensação uma propriedade senhorial e o direito a cobrar impostos em determinado território. As Cruzadas, anunciadas pela primeira vez em 1095, representam a tentativa da cristandade em recuperar dos muçulmanos o domínio sobre a Terra Santa, tendo chegado a estabelecer alguns estados cristãos no Médio Oriente. A vida cultural foi dominada pela escolástica, uma filosofia que procurou unir a fé à razão, e pela fundação das primeiras universidades. A obra de Tomás de Aquino, a pintura de Giotto, a poesia de Dante e Chaucer, as viagens de Marco Polo e a edificação das imponentes catedrais góticas estão entre as mais destacadas façanhas deste período.

Os dois últimos séculos da Baixa Idade Média ficaram marcados por várias guerras, adversidades e catástrofes. A população foi dizimada por sucessivas carestias e pestes; só a peste negra foi responsável pela morte de um terço da população europeia entre 1347 e 1350. O Grande Cisma do Ocidente no seio da Igreja teve consequências profundas na sociedade e foi um dos fatores que esteve na origem de inúmeras guerras entre estados. Assistiu-se também a diversas guerras civis e revoltas populares dentro dos próprios reinos. O progresso cultural e tecnológico transformou por completo a sociedade europeia, concluindo a Idade Média e dando início à Idade Moderna.

Data de início e fim

A data consensual para o início da Idade Média é 4 de setembro de 476, definida pela primeira vez por Bruni, e que representa a data em que é deposto o último imperador romano do Ocidente, Rômulo Augusto (em latim: Romulus Augustus).

No contexto europeu, considera-se normalmente o fim da Idade Média no ano 1500, embora não haja um consenso universal alargado sobre a data. Dependendo do contexto, podem ser considerados como eventos de transição a primeira viagem de Cristóvão Colombo às Américas em 3 de agosto de 1492, a conquista de Constantinopla pelos Turcos em 29 de maio de 1453, ou a Reforma Protestante em 31 de outubro de 1517. Por outro lado, os historiadores ingleses normalmente referem-se à batalha de Bosworth em 22 de agosto de 1485, como referência para o fim do período. Na Espanha, é comum a data de 23 de janeiro de 1516, quando a morte do rei Fernando II de Aragão, ou ainda 26 de novembro de 1504, data da morte da rainha Isabel I de Castela, ou ainda a conquista de Granada no dia 2 de janeiro de 1492.

Os historiadores de línguas românicas tendem a dividir a Idade Média em duas partes: um primeiro período, a Alta Idade Média e um segundo período, a Baixa Idade Média. Os historiadores anglo-saxônicos dividem normalmente a Idade Média em três segmentos: "Early Middle Ages", ou "idade média arcaica", definido entre 476 e o ano 1000; "High Middle Ages", ou "alta idade média", entre o ano 1000 e 1300; e "Late Middle Ages" ou "Idade média tardia" entre 1300 e 1453.

Os termos foram popularizados durante o início do século XX pelo historiador belga Henri Pirenne e pelo holandês Johan Huizinga. Durante todo o século XIX, a Idade Média era frequentemente referida como a "Idade das trevas", mas com a criação de subdivisões o uso do termo ficou restrito ao período arcaico.

Rômulo Augusto e a Queda do Império Romano

Rômulo Augusto (em latim: Romulus Augustus) foi, em 31 de outubro de 475, com idade entre 15 e 18 anos, empossado na função de imperador por seu pai, o general romano Flávio Orestes (que havia anteriormente servido a Átila, o Huno). Imposto por seu pai que depôs o imperador legítimo, Júlio Nepos, viu-se impotente frente a um império em crise. Devido à pouca idade e à inexperiência, é conhecido pelo depreciativo de "Rômulo Augústulo" ("pequeno Augusto).

Em todo o século V, Roma e a península Itálica viram-se várias vezes assolados por incursões de visigodos, hunos e vândalos. O império, embora vacilante, conseguia reagir e sobreviver.

A data de deposição de Rômulo Augusto pelo bárbaro Odoacro (4 de setembro de 476), na cidade de Ravena, é tradicionalmente conhecida como o fim do Império Romano do Ocidente, o fim da Idade Antiga e o começo da Idade Média.


Rômulo Augusto abdica à coroa.

Segundo Jordanes, Romulo Augusto terminou sua vida no exílio, na Campânia. Seu substituto, Odoacro, nunca chegou a ser considerado imperador do Ocidente, mas apenas rei da Itália, sob o comando do Imperador Romano do Oriente.

Coincidentemente, o último imperador de Roma tem o mesmo nome de seu suposto primeiro rei.

Fonte: Wikipédia


Tags: história, Idade Média, Rômulo Augusto, Império Romano do Ocidente






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 18.04

  • Dia da Assembléia Nacional dos Índios
  • Dia de Allan Kardec
  • Dia de Santo Apolônio
  • Dia do Livro Espírita
  • Dia Internacional do Radioamador
  • Dia Nacional do Livro Infantil