Últimas notícias

Hoje na história

RSS
21 de dezembro de 1988.

Acontece o "Atentado de Lockerbie" a um Boeing 747 matando 270 pessoas (259 no avião e 11 na terra)

O resto do Boeing 747 da Pan Am derrubado no atentado.

O Atentado de Lockerbie foi um ataque terrorista ao voo 103 da Pan Am em 21 de dezembro de 1988. O avião Boeing 747-121 partira do Aeroporto de Londres Heathrow em Londres com destino a Nova Iorque, e explodiu no ar logo acima da cidade escocesa de Lockerbie, matando 270 pessoas (259 no avião e 11 na terra) de 21 nacionalidades diferentes. Deste total, 189 vítimas eram cidadãos dos Estados Unidos da América.

O atentado

O voo 103 da Pan Am foi o terceiro voo transatlântico da empresa aérea no dia 21 de dezembro de 1988. O modelo Clipper Maid of the Seas partiu do Aeroporto de Frankfurt e fez uma escala no Aeroporto de Londres Heathrow, antes de seguir para o Aeroporto Internacional John F. Kennedy, em Nova York. Apenas 38 minutos depois da decolagem em Heathrow, a detonação de uma bomba com explosivos plásticos - que pesavam apenas 400 gramas - provocou a destruição da aeronave, cujos destroços se espalharam por uma área de 130 quilômetros na região de Lockerbie, na Escócia. A explosão do avião em pleno voo provocou a morte das 259 pessoas que viajavam à bordo - em sua maioria, cidadãos estadunidenses que voltavam das férias - e mais 11 moradores de Lockerbie.

Investigações

Em princípio, as suspeitas do atentado recaíram sobre o Exército Republicano Irlandês, em uma época na qual a organização criticava o governo da então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher. Iniciada a investigação, porém, as pistas apontaram para a Líbia, então governada por Muamar Kadafi, um simpatizante da causa irlandesa e inimigo de Thatcher, a quem considerava cúmplice em um ataque dos Estados Unidos contra a Líbia em 1986.

Uma investigação conjunta entre Scotland Yard, FBI e a polícia escocesa do condado de Dumbries & Galloway (onde fica Lockerbie), a qual ouviu mais de dez mil testemunhas, apresentou acusações contra os agentes líbios Al Megrahi e Lamin Jalifa Fhimah em 1991, levando a versão oficial de que o atentado havia sido planejado pelo governo líbio.

Julgamento

Embora se tenha negado a entregar os agentes, Kadafi aceitou fazê-lo em 1999, em troca do fim das sanções impostas pela ONU contra a Líbia, e que os acusados fossem processados sob jurisdição escocesa nos Países Baixos, considerado um país neutro.[1]

Em 2001, os dois ex-agentes foram julgados pelo Tribunal Penal Internacional. Jalifa Fhimah foi absolvido, mas Al Megrahi foi condenado a 27 anos de prisão, que cumpriu em uma penitenciária da Escócia até ser entregue em 2009 à Líbia por razões humanitárias - ele tinha um câncer de próstata em fase terminal.

Kadafi concordou em pagar US$ 2,7 bilhões como indenização para as famílias das vítimas estadunidenses, sendo 40% do dinheiro liberado quando as sanções da ONU fossem suspensas; 40% quando as sanções comerciais dos Estados Unidos fossem suspensas; e 20% quando a Líbia fosse removida da lista do Departamento de Estado de países patrocinadores de terrorismo.

Mesmo assim, familiares das vítimas exigem que seja esclarecido se Al Megrahi foi realmente o autor do atentado. Representante das famílias das vítimas britânicas, Jim Swire, cuja filha Flora morreu no atentado, acredita que Al Megrahi não era culpado.

Novas investigações

Até o momento o atentado havia sido atribuído à Líbia. Mas novas investigações colocam que o ataque teria sido ordenado pelo Irã - como uma resposta ao ataque ao voo 655 da Iran Air pelo navio USS Vincennes em julho de 1988 que matou 290 pessoas - e executado por um grupo terrorista palestino baseado na Síria. Documentos apontariam o envolvimento do Hezbollah, da Frente Popular para a Libertação da Palestina - Comando Geral (FPLP- CG) e do serviço secreto do Irã - um ex-agente iraniano, Abolghassem Mesbahi, diz que a bomba plantada no avião foi colocada no aeroporto de Heathrow, em Londres, e não em Malta como se acreditava anteriormente.

Novos suspeitos

Dois suspeitos do atentado foram identificados por uma equipe de investigadores norte-americanos e escoceses em outubro de 2015.

Trata-se de Abdullah al-Senussi, cunhado do antigo líder da Líbia Muammar Khadafi e ex-chefe dos serviços secretos durante o regime de ditadura no país, atualmente detido numa prisão na Líbia, e Nasser Ali Ashour, responsável dos serviços secretos acusado de fornecer explosivos e armas ao IRA (Exército Republicano Irlandês) nos anos de 1980.

Fonte: Wikipédia


Tags: Atentado, Boeing 747, Lockerbie






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 20.06

  • Dia de São Adalberto
  • Dia do Anjo Pahaliah
  • Dia do Revendedor
  • Dia Mundial do Refugiado