Últimas notícias

Hoje na história

RSS
25 de julho de 1261.

A cidade de Constantinopla é recapturada pelas forças do Império de Nicea sob o comando do general bizantino Aleixo Estrategópulo, restabelecendo o Império Bizantino.

O Portão da Fonte (Pege) ou Portão de Selímbria, por onde o exército bizantino sob Estrategópulo entrou em Constantinopla em 25 de julho de 1261.

Aleixo Comneno Estrategópulo foi um general bizantino durante o reinado de Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1282), que ascendeu ao posto de grande doméstico e césar.

De ascendência nobre, aparece nas fontes já em idade avançada no começo dos anos 1250, liderando exércitos do Império de Niceia contra o Despotado do Epiro.

Após perder o favor imperial e ser aprisionado por Teodoro II Láscaris (r. 1254–1258), Estrategópulo juntou-se aos aristocratas em torno de Miguel Paleólogo, e apoiou-o em sua ascensão ao trono após a morte de Teodoro II em 1258.

Ele participou na campanha de Pelagônia em 1259, indo adiante para capturar o Epiro, mas seus sucessos foram desfeitos no ano seguinte e ele foi capturado pelos epirotas. Libertado após alguns meses, liderou uma reconquista inesperada de Constantinopla do Império Latino em 25 de julho de 1261, restaurando o Império Bizantino. Foi capturado novamente pelos epirotas no ano seguinte e passou vários anos cativo na Itália, antes de ser libertado. Ele retirou-se dos assuntos públicos e morreu no começo dos anos 1270.

Reconquista de Constantinopla

No começo de 1261, o imperador Miguel VIII voltou suas atenções para capturar o grande prêmio: Constantinopla, a capital do Império Bizantino, que tinha sido a sede do Império Latino desde sua captura pela Quarta Cruzada em 1204. Para este fim, Miguel concluiu uma aliança com Gênova em março, e em julho de 1261, como a trégua de um ano concluída após o fracassado ataque niceno estava próxima do fim, Estrategópulo, recentemente libertado da custódia epirota, foi enviado com uma pequena força de 800 soldados (muitos deles cumanos) para manter guarda sobre os búlgaros e espionar as defesas dos latinos.

Quando a força nicena alcançou a vila de Selímbria, cerca de 48 km a oeste de Constantinopla, contudo, eles descobriram com alguns fazendeiros independentes (telematários; thelematarioi em grego) que a guarnição latina inteira, e a frota veneziana, estavam ausentes conduzindo um raide contra a ilha nicena de Dafnúsia. Estrategópulo estava inicialmente hesitante em tomar vantagem da situação, desde que sua pequena força podia ser destruída se o exército latino retornasse logo, e porque ele poderia exceder as ordens do imperador, mas finalmente decidiu em não perder tal oportunidade de retomar a cidade.

Na noite de 24 para 25 de julho de 1261, Estrategópulo e seus homens aproximaram-se da muralha da cidade e se esconderam no Mosteiro perto do Portão da Fonte (Pege).


O Portão da Fonte (Pege) ou Portão de Selímbria, por onde o exército bizantino sob Estrategópulo entrou em Constantinopla em 25 de julho de 1261.

O general então enviou um destacamento, que, guiado pelos telematários, conseguiu entrar na cidade através de uma passagem secreta. Eles atacaram a muralha por dentro, surpreendendo os guardas e abrindo os portões, permitindo que a força nicena entrasse.

Os latinos foram pegos completamente de surpresa, e após uma breve luta, os nicenos ganharam controle das muralhas. A medida que as notícias se espalharam pela cidade, os habitantes latinos, do imperador Balduíno II às classes baixas, rapidamente correram para os portos do Chifre de Ouro, na esperança de escaparem de navio. Ao mesmo tempo, os homens de Estrategópulo incendiaram os edifícios e armazéns venezianos junto da costa para evitar que eles desembarcassem lá.

Graças à oportuna volta da frota veneziana, eles conseguiram ser evacuados, mas a cidade foi perdida definitivamente. A recaptura de Constantinopla significou a restauração do Império Bizantino pelos nicenos e, no dia 15 de agosto, o dia da Dormição de Maria, o imperador Miguel entrou na cidade em triunfo e foi coroado na Basílica de Santa Sofia. Os direitos de João IV Láscaris foram deixados de lado, e o jovem foi cegado e aprisionado.

Aleixo foi honrado por Miguel com uma procissão triunfal através da cidade, e a ele foi permitido ter seu nome celebrado nos serviços da igreja por um ano ao lado do imperador e do patriarca.

Anos finais

Após o seu feito ter-lhe rendido fama e glória, em 1262 Aleixo foi nomeado novamente para liderar um exército contra Epiro. Desta vez, porém, ele foi derrotado por Nicéforo Ducas, que enviou-o a Manfredo na Itália. Ele foi resgatado em 1265 em troca de Constança II de Hohenstaufen, viúva de João Vatatzes. Ele é mencionado pela última vez em um documento de dezembro de 1270 no qual ele faz uma doação para o mosteiro de Macrinitissa, próximo de Vólos, e morreu em algum momento entre 1271 e 1275, talvez em Constantinopla.

Fonte: Wikipédia


Tags: Aleixo Comneno Estrategópulo, Constantinopla, Paleólogo, Miguel VIII, Aleixo Estrategópulo, Império Latino, Império Bizantino






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 18.01

  • Dia da Manicure
  • Dia da Universidade
  • Dia de São Volusiano de Tours
  • Dia de Santa Margarida da Hungria
  • Dia de Santa Marta
  • Dia do Esteticista
  • Dia Internacional do Riso
  • Dia Nacional do Krav Maga (técnica de autodefesa pessoal israelense)
  • Festa da Confissão de Pedro (nas igrejas anglicanas e luteranas)