Últimas notícias

Hoje na história

RSS
11 de junho de 1661.

Nasce Carlos II da Espanha, "o Amaldiçoado"

Carlos II, Rei da Espanha, Nápoles, Sardenha e Sicília

Carlos II (Madrid, 6 de novembro de 1661 – Madrid, 1º de novembro de 1700), também conhecido como Carlos, o Amaldiçoado ou o Enfeitiçado, foi o Rei da Espanha de 17 de setembro de 1665 até sua morte, sendo o último monarca espanhol da Casa de Habsburgo. Seus domínios incluíam os Países Baixos Espanhóis e o império espanhol de além-mar, indo das Américas até as Índias Orientais Espanholas. Ele tinha deficiências físicas, intelectuais e emocionais, e por consequência seu reinado foi ineficiente.

Carlos morreu sem herdeiros em 1700, com todos os potenciais sucessores Habsburgo tendo morrido antes dele. Ele nomeou em seu testamento seu sobrinho-neto Filipe, Duque de Anjou, como seu sucessor. Filipe era neto de sua meia-irmã Maria Teresa da Áustria, primeira esposa do rei Luís XIV de França. Já que as outras potências europeias viam a possível relação dinástica entre a Espanha e a França como uma perigosa mudança de equilíbrio de poder, com a Guerra da Sucessão Espanhola começando pouco depois de sua morte.

História

Carlos foi o único filho de Filipe IV de Espanha (1605-1665) e da sua segunda esposa Mariana de Áustria (1635-1696) a sobreviver à morte do pai, tendo sucedido-lhe por sua morte. Do primeiro casamento do pai com Isabel de Bourbon, apenas uma filha, mais tarde rainha consorte da França Maria Teresa, sobrevivera à infância.

Seu nascimento foi causa de grande alegria para os Espanhóis, que temiam uma disputa sucessória (que mais tarde ocorreria, por sua morte), caso o grande Filipe IV fosse incapaz de gerar um varão para lhe suceder no trono. Como à data da morte do pai era ainda muito pequeno, a mãe assumiu a regência até 1675, altura em que completou 14 anos. Aproveitando este período de menoridade se fez a paz entre Portugal e Espanha, dando-se por encerradas as guerras da Restauração, em 1668; o acordo foi firmado pelos dois regentes, o infante Pedro por Portugal (em nome do seu irmão Afonso VI) e a rainha-mãe de Espanha por Carlos.


Carlos II de Espanha, por Juan Carreño de Miranda (c. 1675).

Os sucessivos casamentos consanguíneos praticados pelos Habsburgos, dada a tentativa de preservar as propriedades familiares, produziram uma tal degenerescência que Carlos acabaria por nascer raquítico, quase louco, impotente e com outras doenças como epilepsia - além de possuir o célebre maxilar proeminente dos Habsburgos - uma afecção chamada de prognatismo mandibular - característica da interconsanguinidade familiar, bem visível nos retratos do rei. Foi ainda conhecido pelo cognome o Amaldiçoado.

Devido a este conjunto de afecções, foi incapaz de gerar qualquer herdeiro, o que ditou o nascer da Guerra da Sucessão Espanhola (1700-1713) após a sua morte. Desta forma findou o ramo espanhol da casa dos Habsburgos, nascido da divisão dos territórios de Carlos V pelo seu irmão Fernando e pelo seu filho Filipe.

Começara a governar sob a regência da mãe, e o poder caiu nas mãos inexpertas do jesuíta Nithard e do aventureiro Valenzuela. Pelo Tratado de Aix-la-Chapelle, a Espanha abandonou Flandres à França. Sua maioridade oficial em 1675 e a breve passagem ao poder de Dom João de Áustria (1677 a 1679) não puderam evitar a perda do Franche-Comté e de praças-fortes no Artois pelo Tratado de Nimègue de 1678. Satisfez a Espanha interesses franceses, em 31 de agosto e em 19 de novembro de 1679. Em 1684 de novo satisfez à França e aceitou o Tratado de Ratisbona.

Fraco, indolente, quase imbecil desde o nascimento, educado pela mãe, que seria exilada mais tarde da corte pelo jovem Dom João José de Áustria, bastardo de Filipe IV.

Casamentos

Casou em 1679 com Maria Luísa de Orleans nascida Marie Louise de Bourbon-Orléans em Paris em 27 de março de 1662, que morreria em 12 de fevereiro de 1689 em Madri, de uma peritonite. Era filha de Filipe I de Orleans (1640-1701) Duque de Orleans, conhecido ludópata e homossexual, e de Henriqueta Ana Stuart (1644-1670), filha do decapitado rei da Inglaterra Carlos I; era sobrinha de Luís XIV, bela e inteligente, a antítese do marido. Alegre, aficionada à música, guerrearam ela e a sogra durante os dez anos que durou seu casamento, sem filhos. Como não tinha filhos, uns versinhos corriam as ruas: «A pesar de ser extraña, / sabed, bella flor de lís, / si parís, parís a España; / si no parís, a París.»

Enviuvando, casou, atendendo a interesses austríacos, em 28 de agosto de 1689 com a princesa Maria Ana de Neuburgo ou do Palatinado-Neuburgo, nascida em Düsseldorf em 28 de outubro de 1667 e morta em 16 de julho de 1740 em Guadalajara. Era filha do Eleitor Palatino do Reno Filipe Guilherme, da Casa de Wittelsbach, e de Isabel Amélia de Hesse-Darmstadt, a qual tinha fama de ter estado 24 vezes grávida. Era irmã de Leonor Madalena de Neuburgo, a segunda esposa do imperador Leopoldo I (1640-1705) viúvo de Margarida Teresa da Espanha. Outra Neuburgo casara em Portugal com o rei D. Pedro II, uma outra era rainha da Polônia, outra Duquesa de Parma.

Mariana teve sobre o marido considerável influência: desembarcou na Corunha na primavera de 1690 e se viu logo que era robusta, ruiva, orgulhosa, de caráter impetuoso. Manteve-se seis anos em guerra contra a sogra, que morreu em 1696. Ao seu redor havia venda de informações, numerosas falsas gravidezes. Nunca tiveram filhos. O novo rei Filipe V a deixaria viver instalada no magnífico palácio do Infantado, embora ela tivesse apoiado o Arquiduque Carlos, e ali ela morreu.

Em 1689 a Espanha se aliou ao Sacro Império e às Províncias Unidas contra Luís XIV: esta Guerra da Liga de Augsburgo terminou pela paix blanche de Ryswick (1697) - mas a Catalunha fora invadida. Viu-se que era um rei fraco de corpo e espírito.

Sem posteridade, Carlos II, sabedor de que havia seis pretendentes ao trono, designou por sucessor Filipe de Anjou, neto de sua meio-irmã mais velha, instigado nisso pelo cardeal Portocarrero, arcebispo de Toledo, convencido de que o poder de Luís XIV evitaria o desmembramento do império. Por testamento, com a concordância do papa, o trono iria para o filho único de Luís XIV, o Grande Delfim, como herdeiro direto em função de ter Luís XIV casado com Maria Teresa da Espanha em 1660. Embora a Infanta tivesse assinado uma solene renúncia ao trono espanhol, incorporada ao Tratado dos Pirenéus e confirmada pelo testamento de seu pai Filipe IV, a renúncia foi considerada inválida. Luís XIV foi informado de que a renúncia era inválida porque a sucessão não podia ser afastada da herdeira legal. Ele e seu irmão o Duque de Orleans também figuravam na linha de sucessão por sua mãe Ana, Infanta de Espanha, que também tinha solenemente renunciado aos direitos à sucessão espanhola, renúncia essa também considerada inválida.

A sucessão e a guerra

Tinha 38 anos quando morreu, sem herdeiros da rainha Maria Luísa de Orleans e da rainha Mariana de Neuburgo. Aberto o testamento de 2 de outubro, verificou-se ser o sucessor Filipe de Anjou, o segundo filho do Delfim da França, neto da meio-irmã do finado rei espanhol. Em 15 de novembro de 1700, o rei Luís XIV apresentava o duque de Anjou à Corte de Versalhes como Filipe V, Rei da Espanha.

Em 1701, o rei de Portugal Pedro II fez um tratado de aliança ofensiva e defensiva com Espanha e França. Dois anos depois, porém, «le obligaron sus inimigos a unirse con la Casa de Austria» e a fazer um tratado igual com os Aliados, inimigos das duas Coroas.

Fonte: Wikipédia


Tags: Rei da Espanha, Carlos II da Espanha, o Amaldiçoado, o Enfeitiçado






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Comemoramos hoje - 20.06

  • Dia de São Adalberto
  • Dia do Anjo Pahaliah
  • Dia do Revendedor
  • Dia Mundial do Refugiado