Últimas notícias

Hoje na história

RSS
14 de fevereiro de 1929.

Massacre do Dia de São Valentim: sete pessoas, seis deles gângsters rivais da gangue de Al Capone, são assassinadas em Chicago.

Tijolo com marca de bala removido do local do massacre e colocado em exposição no Museu Nacional do Crime e Punição, em Washington, D.C.

O Massacre do Dia de São Valentim ou Massacre do Dia dos Namorados é o nome pelo qual ficou conhecido o assassinato de sete pessoas ocorrido em 14 de fevereiro de 1929 no Lincoln Park, em Chicago, durante a Era da Lei Seca nos Estados Unidos. Foi causado por um conflito entre duas poderosas quadrilhas da cidade. As quadrilhas eram a "Gangue do Lado Sul", liderada pelo ítalo-americano Al Capone, e a "Gangue do Lado Norte", cujo chefão era o polaco-irlandês Bugs Moran. Membros da Egan's Rats também foram suspeitos de terem participado do massacre, do lado de Capone.

O Massacre

Na manhã de 14 de fevereiro de 1929, Dia dos Namorados (Dia de São Valentim), os corpos de seis membros da quadrilha de "Bugs" Moran e mais Reinhardt H. Schwimmer foram encontrados caídos ao lado de um muro da garagem da SMC Cartage Company (Rua North Clark, 2122) no Lincoln Park, em Chicago, no Lado Norte da cidade. Eles tinham sido assassinados com vários tiros, provavelmente por criminosos comandados por Al Capone, tanto locais como provavelmente por pistoleiros de fora da cidade. Dois homens que estavam com uniforme de policiais de Chicago foram vistos na garagem na hora do crime, conforme testemunhas. Uma das vítimas encontradas agonizante, Frank Gusenberg, quando perguntado sobre quem o havia baleado, respondera: "I'm not gonna talk - nobody shot me" ("Eu não vou falar - ninguém me baleou"). Foram contados 14 ferimentos de bala em seu corpo. Capone tinha saído de férias para a Flórida.

A hipótese mais aceite é a de que o massacre foi o resultado do plano da quadrilha de Capone para eliminar Bugs Moran, que se tornara o chefão da Quadrilha do Lado Norte após substituir Dion O'Banion, assassinado cinco anos antes. Jack McGurn foi o principal suspeito de ter chefiado o crime. O massacre teria sido planejado por Capone por várias razões: como retaliação por uma tentativa malsucedida de Frank Gusenberg e seu irmão Peter de matarem Jack McGurn no começo do ano; a cumplicidade do Lado Norte no assassinato de Pasqualino "Patsy" Lolordo e Antonio "The Scourge" Lombardo; e a concorrência de Bugs Moran no contrabando de bebida nos subúrbios da cidade.

Foi aceito que os homens do Lado Norte foram à garagem com a promessa da divisão das cargas de uísque de Detroit fornecidas pela Purple Gang. Contudo, mais recentemente, foram aventadas outras hipóteses: observou-se que todas as sete vítimas (exceto o mecânico John May) estavam vestidas com suas melhores roupas, o que sugeriu que pretendiam viajar com os caminhões para buscarem as bebidas. O motivo verdadeiro para o crime, nunca foi conhecido.

Quatro homens que estavam na entrada do prédio, dois vestidos como policiais, foram quem atiraram em Moran e seus comparsas. Antes da chegada de Moran, Capone usara dois pistoleiros não identificados em salas alugadas no armazém do outro lado da rua, para fazerem a vigilância.

Por volta das dez e meia da manhã, quatro homens chegaram ao armazém em dois carros: um Cadillac sedan e um Peerless, ambos com aparência de carros de detetives. Dois homens estavam vestidos de policiais e dois outros com roupas civis. A gangue de Moran foi ao armazém, mas Moran não teria entrado. Foi dito que Moram se aproximara do local, mas parara ao avistar os carros e saiu dali. Outros diriam que Moran chegara atrasado e, por isso, não foi morto.

Os pistoleiros teriam confundido alguns dos homens da garagem como sendo Moran e outros da quadrilha (principalmente Albert Weinshank, que tinha a mesma altura e lembrava Moran). Foi dado o sinal para que os pistoleiros entrassem no armazém. Os dois falsos policiais, carregando metralhadoras, saíram do Peerless e entraram no prédio por duas portas. Lá dentro eles encontraram os comparsas de Moran, um sexto homem chamado Reinhart Schwimmer, que não era reconhecido como um quadrilheiro, e John May, mecânico de carros que provavelmente prestava serviço aos bandidos. Os assassinos ordenaram que os homens ficassem em linha junto à parede. Aparentemente não houve resistência, pois devem ter acreditado tratar-se da polícia, fazendo uma exibição para saírem bem nos jornais do dia seguinte.

Então, os dois policiais abriram a porta que dava para a Rua Clark e os outros dois do Cadillac entraram. As rajadas começaram, vindas de submetralhadoras Thompson. Foram contadas setenta cápsulas das armas.

Alertados pelos latidos de um cão, os moradores chamaram a polícia. O cão de John May, Highball, além de Frank Gusenberg, eram os únicos sobreviventes. As fotos do crime foram tiradas por Jun Fujita e publicadas no Chicago Daily News.

As vítimas

  1. Peter Gusenberg, um dos principais capangas de Moran.
  2. Frank Gusenberg, o irmão de Peter Gusenberg e também outro assassino. Morreu três horas depois da chegada da polícia.
  3. Albert Kachellek, conhecido como "James Clark", o braço direito de Moran.
  4. Adam Heyer, o contador e chefe administrativo de Moran.
  5. Reinhart Schwimmer, acompanhante dos quadrilheiros mas não era na verdade um deles.
  6. Albert Weinshank, quem limpava o terreno para as operações de Moran. Provavelmente confundido com Moran.
  7. John May, um mecânico legalizado que tinha mulher e sete filhos, o que provavelmente o levara a aceitar serviço dos bandidos.


Consequências

O massacre marcou o declínio do poder criminoso de Moran. Ele conseguiu manter o controle do seu território até o início dos anos 1930, até ser sucedido por Frank Nitti. O governo federal também passou a acompanhar as atividades de Capone. Em 1931, Capone foi condenado por evasão de impostos e foi sentenciado em 11 anos de reclusão. Jack McGurn foi assassinado em 15 de fevereiro de 1936. Teorias apontam, como suspeitos, Bugs Moran ou Frank Nitti, com quem McGurn mantivera negócios.

Fonte: Wikipédia


Tags: Capone, Chicago, Lei Seca, massacre, Al Capone, São Valentim, Dia dos Namorados






Opinião do internauta

Deixe sua opinião

Hoje na história relacionadas

Comemoramos hoje - 26.05

  • Dia de N. Sra. de Caravaggio
  • Dia de São Filipe Néri
  • Dia do Revendedor Lotérico
  • Dia Nacional do Combate ao Glaucoma
  • Dia Nacional do Museu